HARDWORK

Viver fora do seu país é somente para os aventureiros e corajosos. Deixar emprego, família, amigos, diplomas, costumes, exige determinação e muita humildade. Privilegiados como eu, legais, com documento, não me parecem ser a maioria. E, se tem documento, mas não fala o inglês, também tem dificuldades para o trabalho formal pois as entrevistas são em inglês, mesmo sabendo que depois a língua dominante no trabalho será a espanhola.

Felizes aqueles que chegam colocados no seu emprego e que podem oferecer aos demais serviços essenciais e não menos nobres como o de limpeza, Baby Sitter e outros. Brasileiros contratam brasileiras nas tarefas domésticas. Têm a mesma maneira de limpar, falam em português com as crianças e cozinham com os mesmos deliciosos temperos; e têm formação acadêmica no Brasil. O mesmo se passa com outros imigrantes latinos, já que em Miami as pessoas moram em bairros com seus pares.  Os homens vão para a construção civil, Uber, hotelaria… vagas disputadas com tantos imigrantes de várias nacionalidades.

Enfim, não é tão simples se estabelecer em Miami se você é um simples mortal. Leva tempo e muita disposição. E ter principalmente a humildade necessária aonde a oportunidade de emprego é abençoada e livre de preconceitos. E ir para o trabalho sem medo vale tudo!

A água presente na natureza transforma! O trabalho duro se enfeita com o sol!

E nos parques escuto histórias de outras babás enquanto minha neta brinca com amiguinhas do bairro.

Alba, venezuelana, pele dourada brilhosa, sorriso de dentes branquíssimos, corpo perfeito no alto de seus 33 anos está triste. Deixou no seu país derrotado filho, mãe e emprego.  Aqui chegando se envolveu com um homem com cidadania que lhe prometeu casamento para que ficasse legal. Se enamorou dele pela segurança prometida. Com confiança lhe entregava todo o seu dinheiro de hardwork, para custas com advogado.

Dois anos… e agora ele lhe troca por outra !!  Imediatamente formamos um grupo de mulheres latinas a apoiá-la…

… as meninas brincam!

Plant Miami – outro conceito de alimentação

O Plant Miami é um restaurante vegetariano com ênfase em alimentos crus (vivos) – orgânicos, veganos e kosher.

Dinâmico e cuidadosamente montado, o menu combina técnicas inovadoras com produtos sazonais locais e inclui muitos pratos clássicos de comida crua. Com uma abordagem clean e modernista e um ambiente diferenciado, o Plant Miami é a plataforma perfeita para o clima tropical de Miami e suas amplas influências culturais, integrando uma harmonia distinta com um bem-estar holístico, ingredientes impecáveis e técnica qualificada.

O Plant Miami fica no jardim do The Sacred Space Miami, um oásis urbano para o bem-estar, localizado na 105 NE 24th Street – Miami, Florida

A maior parte dos ingredientes locais são produzidos  na Paradise Farms.

Paradise Farm

Esta fazenda surgiu em 1999 para a produção de produtos orgânicos e organizados num ambiente naturalmente coeso, com todas as culturas, terras e vida trabalhando juntas. Exuberante flora e fauna tropicais cobrem a propriedade. Projetado com respeito aos princípios da geometria sagrada e da antiga arte do Feng Shui. A criadora da Fazenda era vegetariana.

O que era especial na Fazenda, seus princípios:

  • Um local especial,
  • Beleza, harmonia, paz, amor e equilíbrio,
  • Cada fruta, vegetal, microgreen ou floral comestível colhido deve ser delicioso,
  • Os valores intangíveis são tão valiosos quanto os tangíveis,
  • Sempre tenha um local para se conectar à natureza – jardim,
  • Não lute contra a natureza, se algo não crescer é por algum motivo e deve ser respeitado.

Em 2017 a Fazenda Paradise Farm foi adquirida pelos proprietários do Plant Miami.

 

 

LIVE HEDGES OF PITANGAS (brazilian cherry)

                         

Linda frutinha vermelha…pitanga! Nome científico : Eugenia uniflora. Nome popular : Pitanga vermelha. Cerejeira brasileira. Origem : matas dos Estados de Minas Gerais até Rio Grande do Sul. Hoje é cultivada na América Central, Antilhas, China, Tunísia, Flórida, Califórnia e Hawaí.

 Seu nome vem do tupi-guarani, que significa vermelho. Sua polpa é agridoce e perfumada. Escassa nos supermercados, na sua safra , despencam aos montes ,  das árvores.

Em Miami enfeitam as cercas vivas. Aparadas as pitangueiras , seus frutos teimam em nascer escondidinhos entre as folhas talvez para fugir do sol.

No Brasil , quem não se deliciou aos pés de uma pitangueira, ou de uma amoreira… melhor, se lambuzou?

Em Miami somente os brasileiros reconhecem essa preciosidade. Os demais passam por elas tolamente ignorando-as. E assim nos reconhecemos aos seus pés, literalmente.

Conversas adoráveis cheias de saudades do Brasil, receitas, troca de números de celulares, amizades criadas …colhendo pitangas!  Quando estão fora de temporada fazem uma falta danada.

Minha neta já aprendeu essa lição …e todos os dias, ao sair da escola cercada por pitangueira, procura comigo algum vestígio dela, já que não é temporada. Saudades do seu cheiro…da sua cor vibrante …dos amiguinhos feitos ali, ao seu redor…

E entusiasmada com a ideia de me ajudar na deliciosa receita da geleia . Precisamos colher muitas pitangas…muitas! Lavá-las bem! Tirar seus cabinhos!

Vovó cozinha com açúcar de coconut, separa as sementes. Depois de fria, hora de colocar em potes e geladeira.

Pronta para ser saboreada, em pequenas doses para não acabar o encanto, e oferecida por ela, que será a dona da receita.  Resta alimentar esse sonho com outras receitas feitas a quatro mãos… gelatinas, bolos de cenoura…pão de queijo…brócolis…enquanto elas não surgem, milagrosamente!

Milagre da vida…my little girl!

 

A netinha faz lanche vegano para a Vovó Loira

A Vovó Loira, que agora vive em Miami para ficar próxima da netinha, teve mais uma surpresa – foi convidada para um lanche na casa da filha e a netinha vegana de 2 anos auxiliou na preparação dos lanches. Com muito carinho para a Vovó.

Ela se divertiu na preparação…

Os ingredientes utilizados nos lanches:

Avocado, cortado em fatias.

O pão especial da

Home

O pão tem vários ingredientes, entre eles: beans and lentils and millet and spelt…

Espelta

ou trigo-vermelho é uma espécie da família das gramíneas, próxima do trigo. Muito consumida em partes da Europa desde a Idade do Bronze até a Idade Média, hoje é pouco plantada, embora ainda seja cultivada na Europa Central e na Itália e tenha encontrado um novo mercado na área de alimentos saudáveis. Os benefícios de saúde da espelta incluem sua capacidade de ajudar a regular o metabolismo, ajudar na criação de hormônios sexuais, aumentar a circulação, construir ossos fortes, melhorar o sistema imunológico, aumentar a função digestiva e baixar os níveis de açúcar no sangue e colesterol LDL no corpo. A farinha de espelta pode ser comprada em alguns supermercados e na maioria das lojas de alimentos saudáveis ​​na Inglaterra, Holanda, Alemanha e em várias partes da América do Norte. A farinha pode ser usada para assar pão altamente texturizado e rico em nutrientes, bem como massas e produtos de panificação. A farinha de espelta é particularmente preferida na fabricação de crostas de pão ou pizzas crocantes, pois o trigo endurece sem se tornar duro  como outras variedades de trigo.

MILET

Milet –  painço – – é um cereal muito antigo (até mesmo que o arroz, cevada, trigo e centeio), da família do milho, altamente nutritivo, rico em nutrientes e minerais essenciais para o bom funcionamento do nosso corpo, como proteínas, carboidratos, fibras, vitaminas, aminoácidos essenciais, além de conter minerais, como o ferro, magnésio, potássio e fósforo. Ele já é consumido na China há milhares de anos em forma de papas, bolos, pães, entre outros pratos, sendo mais conhecido no Brasil na alimentação de pássaros. No entanto, já se descobriu os inúmeros benefícios do grão para a saúde humana e, por isso, ele é muito utilizado na culinária macrobiótica e na dieta de pessoas com doenças celíacas, por ser um grão livre de glúten. O millet pode tratar e prevenir doenças, como a anemia e o câncer, além de ajudar no emagrecimento saudável. Ainda, há quem diga que o grão possa ser um aliado da beleza, cuidando de forma eficiente dos cabelos e pele.
Por estes e outros benefícios que pode trazer à saúde, o cereal é chamado de “cevada de ouro”.

Queijo Creme Clássico

Vegan Classic Plain Cream Cheese

Cream cheese vegano –  VEGGIE® Vegan Classic Plain Cream Cheese já ganhou prêmios. Livre de produtos lácteos. É rico, cremoso e espalha-se suavemente. Ingredientes: água filtrada, óleo de coco, óleo de girassol, concentrado de proteína de soja, sal marinho, sabores naturais veganos, goma de feijão orgânico, goma xantana.

GO VEGEJO é a maneira mais saudável de amar queijo™.

Microgreens mixto de: Rúcula, Couve, Salsinha. Manjericão. Para usar na  pizza e sobre as massas, acompanhamento de tortas. Orgânico – certificado pela SCS Global Services.

Go Micro Micro Greens, Organic, Italian Blend

Todos os ingredientes foram adquiridos na:

Whole Foods Market

A segunda empresa do mundo a ultrapassar a barreira do US$ 1 trilhão (valor de mercado) foi a Amazon. Em 2017 a Amazon assumiu o controle da Whole Foods Market, especializada na comercialização de produtos orgânicos. A rede que alcança inúmeras cidades americanas é um sonho de consumo. Ao procurar uma cidade para morar por lá (se isso for possível) veja se tem Whole Foods na vizinhança.

Whole Foods Market

Calças de Jeans, modelos da MiamiLogoly

A linha de produtos da MiamiLogoly – ML – estão sendo preparados para causar impacto em Miami, Flórida. Ainda sem data para o lançamento oficial, aos poucos vamos dando uma dica sobre nosso caminho. Os detalhes poderão fazer parte de uma peça ou serem incorporado em outras peças.

HOMELESS

HOMELESS

Ao caminhar por dowtwon Miami, aonde aluguei apartamento, o encontro com homelles é constante, pontual e de certa forma familiar. São muitos, reconheço rostos e seus espaços. Só não os diferencio pelo cheiro da urina forte que carregam junto com suas mochilas, sacolas, malas…Um deles me chama a atenção, usa um chapéu tipo cangaceiro, não tem odor ruim e passa o dia sentado num banco na R  Fittipaldi com Brickell, um pouco mais distante,  mas meu trajeto diário.  Sob o sol forte sua pele se bronzeia. É educado e me diz good morning diariamente quando passo. Com um sorriso…O encontro várias vezes no Publix. Comprando? Ou procurando por ar condicionado? Seu olhar é doce, e as vezes me pergunto , estará pensando em alguém? Não me parece embriagado, tampouco drogado. Quase amigo, infantil. Me pego preocupada quando desaparece.

Embaixo do meu prédio tem um senhor, fala bastante  e não te deixa só na espera do Uber . Não incomoda. Outro que caminha muito no Byfront e tem as pernas muito grossas e pesadas, geralmente fica sem camisa a se bronzear. São muitos rostos diurnos e outros tantos noturnos. Encontros inesperados no Metromover…e cada um carregando suas histórias em sacolas plásticas. Pela noite se enfiam nos buracos das entradas das lojas e sob as marquises….Fazem sua cama e conversam nos celulares. Recebem pizzas inteiras dos moradores mais sensíveis.

Convívio mais harmonioso e nada violento se comparado com os mendigos no Brasil. Embaixo das muitas pontes alguns conversam com seus vizinhos sentados em sofás. Outros desmaiam depois da bebedeira, outros têm olhar desafiador, outros te encaram. Mas caminho tranquilamente entre eles, não tem assalto, nem pavor, mesmo com algumas exceções.

Apenas desconforto por não entender…da vida!

Uma senhora bem vestida fez moradia perto do Miami Dade College há algum tempo. Sentada numa cadeira de rodas com guarda sol, era bem quista por todos. A polícia a removeu várias vezes, mas sempre voltava. Sumiu…  tento apagar a sua imagem da minha memória.

Na maioria são solitários e raramente se sente cheiro de desejo no ar. São muito carinhosos com as crianças  e tentam um contato mais próximo sempre evitado.  Como aquela mulher que caminhava em nossa direção, com uma mala. Se aproximou com um sorriso e, falando com minha neta abriu essa mala. Dentro, um brinquedo de pelúcia da Banana de Pijama, grande e ainda embalado por plástico. Gentilmente e desapegadamente deu a Banana  para a minha neta, já encantada pelo novo boneco. Assim…este companheiro de pelúcia é o seu predileto. O arrasta pela casa pelo dia…e o abraça fortemente pela noite ao dormir. Eu agradecida pelo acaso… pelo inesperado… pelo surpreendente! Pelo único momento…Que seus sonhos sejam doces querida homeless!

Vovó Loira

Resultado de imagem para homeless trust miamiResultado de imagem para homeless trust miami

HURRICANES

HURRICANES

Morar na Flórida implica se familiarizar com o clima quente, úmido e ter sempre na mochila ela, a sombrinha! A chuva chega a qualquer momento e geralmente é passageira. A sensação calorenta gruda no corpo através da roupa. Ao contrário do ar condicionado presente e constante, além de necessário nos lugares fechados. Essa mistura de temperatura causa choque para quem não é familiarizado. Nada comparado com aquele provocado pelo anúncio de furacão a vista. Principalmente pelo último que vivenciei  o Irma, em setembro de 2017. Estoques vazios nos supermercados, estradas cheias, escolas fechadas. Medo e indecisão. Passagens aéreas? Impossível. E correr para onde? A cada minuto notícias da mudança de sua violenta rota. E ordem constante de evacuar. A preocupação maior não é a sua sobrevivência, mas querer a imprecisa segurança para as crianças, animais, idosos…Como enfrentar a estrada com minha neta, mais seu gato, e todos nós? Correr para Tampa? Orlando? Ficar em downtown Miami? Na casa de amigos? Shelter? Duas semanas antes de sua chegada já tínhamos traçado vários planos, com seus riscos. Um dia antes tudo estava confuso. Amigos que iriam ficar na cidade…fugiram. Começa aí o desespero! Verificar a segurança na escada de incêndio do prédio, pensar em subir 15 andares todos os dias depois de sua passagem por falta de energia, e portanto sem elevador, visitas desesperadas a abrigos, telefonemas para amigos ou fugir…E as ratazanas? Subiriam 15 andares para não nos deixar sozinhos e dividir nossa comida? Bem, chega o tão temido dia… A melhor escolha é ficar entre amigos, e nisto as pessoas se abraçam, de qualquer nacionalidade, quem dera os brasileiros. Rumo então para um lugar um pouco mais distante do mar. Fomos todos, cinco, mais gato. Nos trancamos e desfrutamos de aflições. Também de longas conversas e com outras pessoas.  O céu tão azul vira negro, as árvores balançam num som feito de vento que aumenta o seu volume, os pingos viram chuva intermitente, a energia acaba.

Resta dormir. Assim ficamos dois dias, muita angústia e falta de notícias. Como ele chegou, também se foi. A energia sim, ela demora semanas para voltar na maioria dos lugares. O ar condicionado também. Os enlatados substituem as frescas comidas nos primeiros dias…E lentamente os supermercados se abastecem. Lembranças boas da hospitalidade, tristeza compartilhada pelos estragos no jardim. Nos salvamos, resta agradecer! A corrente do bem para consertar telhados, janelas…vizinhos comemorando a vida, e limpando. Minha neta? Amou tudo! O acampamento, as brincadeiras, a atenção de todos,,, e como seu gato…querendo mais…Folia na sua ingenuidade. E muito love!! Com muita atenção de todos, sem nenhum celular a vista para atrapalhar o convívio. Simples assim…with love!!

Vovó Loira