Reforma na Educação? Será que os maiores especialistas em educação, e brasileiros, foram ouvidos?

Muito boa a entrevista do Pacheco, e finalmente alguém que pode falar sobre essa brincadeira de reforma na Educação. Com a palavra o Pacheco: “o Distrito Federal terá a primeira comunidade de aprendizagem do mundo. Será no Paranoá.”
“E agora vou para a Itália. Falar de quê? Dos projetos brasileiros inovadores. Agora é o Sul que está a informar o Norte. O Janine, a quem devo muita admiração, criou um grupo de trabalho que fez um levantamento de projetos inovadores no Brasil. São 178.”
“O ministério se comprometeu perante esses projetos a acompanhá-los e avaliá-los. Mas entrou o novo ministério e acabou tudo. A questão é essa. Desperdício.”
Ancora em Cotia: “Um rapaz diz que está faltando água na favela. Hoje, ele tem uma microempresa de produção de cisternas para colher água da chuva a partir do material do catador. Está livre do tráfico, potente na sua capacidade. Aprendeu ciências, física, hidráulica, português, matemática. O problema é que ao fim de algum tempo, deixam de fazer perguntas.”

A mudança proposta para o Ensino brasileiro feita pelo Governo atual: “Foi feita às pressas, sem debate, mas não me importa, porque é o comportamento comum, infelizmente, do poder público. É um disparate técnico, científico, pedagógico. Por quê? Porque, primeiro, ela é feita dentro do velho modelo, de uma escola sucateada, que justifica a existência do cursinho, que é da mesma natureza. Está condenada a não ter êxito. Já dão quatro dias de aulas de português e matemática e uma só de educação física. É o modelo educacional centrado na escola do século 19, que está errado. Eu não saio dessa. E as pessoas precisam entender que quando criticam o ministro… O ministro, coitado, ele não sabe nada de educação, não tem culpa. Está lá,”

Veja na integra a entrevista do educador português José Pacheco que está dando sopa no Brasil e o Ministério da Educação perde a oportunidade de ouvi-lo. Senhor Presidente do Brasil, é necessário ouvir as propostas do José Pacheco, que é toda baseada em conhecimento de estudiosos brasileiros. A solução está próxima, o Pacheco mora em Brasilia, é só chamá-lo para conversar.

José Pacheco: A educação do futuro irá do Sul para o Norte. Brasil – o berço do ensino moderno, a surgir.

Não canso de compartilhar as palestras do Pacheco. Esse português que adotou o Brasil para auxiliar, dentro do possível, na construção de uma nova Escola. Não deixe de assistir os vídeos.

O trabalho de José Pacheco no Brasil:

“Os projetos humanos contemporâneos não se coadunam com as práticas escolares que ainda temos, carecem de um novo sistema ético e de uma matriz axiológica clara, baseada no saber cuidar e conviver. Requerem que abandonemos estereótipos e preconceitos, exigem que se transforme uma escola obsoleta numa escola que a todos e a cada qual dê oportunidades de ser e de aprender.

Urge humanizar a educação, conceber novas construções sociais de aprendizagem, nas quais se concretize educação integral. Urge constituir redes de aprendizagem, que promovam desenvolvimento humano sustentável. Diz-nos Maturana que a educação acontece na convivência, de maneira recíproca entre os que convivem. Se a modernidade tende a remeter-nos para uma ética individualista, nunca será demais falar de convivência, diálogo e participação, enquanto condições de aprendizagem. Será oportuno falar de… comunidades de aprendizagem.

Mestre em Ciências da Educação pela Universidade do Porto e fundador da “Ecola da Ponte”, em Portugal, referência mundial em inovação pedagógica. É indutor de mais de 100 projetos para uma nova educação no Brasil e colaborador no Projeto Âncora, seguindo o mesmo modelo da Escola da Ponte. É ainda autor de inúmeros livros e artigos sobre educação.”

O momento, o agora, o novo, ser livre efetivamente.

Muito interessante este filme sobre Krishnamurti, um resumo com fatos marcantes e mensagens para serem vividas interiormente.

Ele, o verdadeiro, está em tudo, e tudo está em nós. Isso é liberdade, é viver livre, viver o momento – onde está a vida mesma.

Uma esperança, finalmente…

Chamou a minha atenção  nestes  dias 2 fatos. O primeiro, a grande notícia sobre educação: “procurando atualizar o sistema de ensino, que parece cada vez mais não dar conta das necessidades e da realidade contemporânea, e com isso estimular o estudo, duas escolas do Mato Grosso do Sul irão reformar radicalmente seus métodos. Inspirados pela Escola da Ponte, em Portugal – pioneira e referencia nos métodos de ensino experimentais – as escolas irão abolir a divisão por disciplinas, as provas, as lições expositivas, e transformar os professores em orientadores de estudo, auxiliando nas pesquisas e seus desdobramentos. A divisão por séries também será alterada: cada aluno avança de acordo com seu tempo de aprendizado, suas demandas e especificidades.”.

O segundo, sobre uma região de Campinas onde foram construídos 3 edifícios e um quarto abandonado – sem terminar, numa região totalmente contaminada por produtos químicos de responsabilidade de indústria química já desativada. Depois de construídos os primeiros prédios, em 2001, foi descoberto devido o odor que incomodava os moradores e vizinhos. É uma região onde foram erguidos inúmeros prédios. O problema maior é que essa poluição pode ter atingido o manancial hídrico da região.

O efetivo problema está nos terrenos onde os edifícios interditados foram construídos. Uma região com muitos estudantes por se localizar perto da Unicamp e PUC.

Antes de prosseguir pergunto: onde você reside alguém te entregou algum documento que garante não existir problema de poluição no local e proximidades?

Então, os alunos que estudam  nessas escolas, digamos sem um método arcaico de ensino, estarão mais abertos às causas ecológicas sendo orientados de modo moderno.

Atualmente os jovens não se preocupam, em sua maioria, com problemas ecológicos, estão caminhando em suas vidas unicamente preocupados em pouco estudar e enganados por uma falsa liberdade.

Outra pergunta: você alertaria a empresa onde trabalha sobre estar poluindo ou lançando dejetos onde não deveria? Ou, ficaria na moita para não perder o emprego? Ou, você não se preocupa com o planeta onde no futuro seus filhos viverão?

E mais, você compra um veículo para se locomover ou para se exibir? Você precisa de uma Ferrari ou outro carro beberrão, gastando combustível adoidado ou mesmo um carro diesel sem garantia de não poluir em demasia?

Se fosse governante lutaria por transporte público ecológico, economizaria recursos adotando novas modalidades de captação de energia? Puniria exemplarmente empresas que são multinacionais e poluem rios e o ar? Aplicaria recursos financeiros em projetos de despoluição de rios, etc. Incentivaria a produção de veículos eco?

Voltando para as atitudes pessoais, espera-se que nas escolas as crianças sejam orientadas a viver de bem com  a ecologia, começando por não jogar papéis nas ruas, manter suas casas limpas, orientar seus país e amigos a viverem em ambientes saudáveis.

É para ontem, que todos nós estejamos conscientizados sobre a importância de lutar por uma vida mais saudável e com  o menor nível de poluição possível.

Um exemplo que dou é que no porto da cidade de Gênova na Itália você sente a água limpa e sem poluição. E nós no Brasil aceitando a Baía da Guanabara/Lagoa Rodrigo de Freitas, Rios Tietê e Pinheiros totalmente poluídos nas 2 maiores cidades do País. E agora em agosto recebendo turistas do mundo todo. E veja os rios da sua cidade, as ruas sujas, o seu quintal e por aí vai.

Uma esperança surge. Pois tudo vem pelo ensino das crianças nas escolas, pois a maioria dos país não tem tempo para seus filhos e normalmente jogam lata de cerveja pela janela do seu carro  ou ônibus. Fumam e jogam os tocos de cigarro na rua.

E surgiu uma nova escola…

Os próprios alunos concluíram que algo não ia bem com o ensino em si, o que aflorou com o anuncio de uma reforma que não traria as mudanças significativas sonhadas. Constava do projeto transferência de alunos devido a desativação de várias escolas, entre elas algumas tradicionais – e resolveram ir a luta. Não houve uma discussão ampla sobre o assunto que envolvesse grandes especialistas e os próprios alunos e seus pais.

E surgiu uma nova escola…

As escolas estavam separadas das pessoas, famílias e alunos por muros e grades altas. E eis que as grades e muros foram retirados, deixando-se somente um trecho para que as pessoas se lembrassem de que existiu essa separação no passado. E certamente, não foi uma boa experiência separar as escolas das famílias, da população que residia nas suas imediações..

E os pais dos alunos, juntamente com as pessoas que moravam no bairro, começaram a cuidar dos jardins pequenos e feios que enfim estavam liberados para serem cuidados com o carinho que merecem. E onde não tinha jardim criaram áreas onde colocaram plantas floridas e vasos com lindos arranjos.

E quem permitia colocar os vasos, jardins, etc?

O conselho dos alunos que dirige a escola juntamente com o diretor formal da mesma. Nada é decidido sem o consentimento desse conselho diretivo executivo com jovens de todas as idades e classes  (renovado a cada 6 meses com nova eleição, não podendo haver reeleição). E um conselho de administração com participação dos alunos, pais e professores (que é usado quando algum problema mais grave acontece – o que é muito raro). Uma vez por mês tem uma reunião geral com os alunos de todas as classes e idades, onde são repassados os assuntos da semana para aprovação geral, e qualquer um pode dar sua opinião a respeito de algum item, independente da idade.

Na mesma escola estudam alunos de todas as idades? Não tem mais separação de pré-escola, 1º e 2º graus?

Interessante pergunta. Você sabe que as crianças pequenas são muito sabias e tem ideias fabulosas que são ouvidas pelos mais velhos? E que estes, com sua experiência garimpam as mesmas deixando-as  límpidas como a mais pura das águas?

Como os Pais se aproximam da Escola tudo está se modificando. Os inspetores de alunos e faxineiros não existe mais, eles agora fazem parte de um trabalho de aproximação das famílias com a escola, a comunidade unida numa causa nobre. Os pais da região onde fica a escola e outros moradores  mesmo sem filhos ajudam na manutenção da escola. Os pais apoiam seus filhos quando não estão na Escola. A secretaria da escola conta com o auxilio dos pais com essa especialização. Existem muitas palestras e cursos para os pais também.

A manutenção da Escola agora é responsabilidade dos alunos, assim como as faxinas. Mesmo os banheiros são limpos pelos alunos, o que resultou numa limpeza impecável dos mesmos. Existe um rodizio dos alunos nesses trabalhos de limpeza, todos tem a oportunidade de participar.

E como é a convivência entre os alunos de idades tão diferentes? Os mais velhos e com idade acima dos 15 anos podem ter pensamentos e atitudes delinquentes e vícios ligados ao sexo impostos pelos meios de entretenimento, com seus filmes e novelas?

Simples, os mais velhos se sentem responsáveis pelos pequenos e orientam os mesmos nos seus estudos e tiram dúvidas mais simples. Lembramos que as crianças até seus 7 anos ou um pouco mais tem uma pureza grande e fazem um bem danado para os mais velhos, e eles gostam dos mais velhos, acreditam neles e até os imitam. E isso aumenta a responsabilidade dos mais velhos. E para muitos desses jovens, finalmente alguém gostava e acreditava neles.

Mas como isso é possível?

Então, uma das mudanças realizadas é que os alunos tem agora atividades o dia todo e anteriormente estavam perdidos nas ruas, e acabavam aprontando por não ter como preencher seu tempo. Agora as atividades da escola os envolve com aulas de musica, artesanato, tecelagem e costura em geral, e esportes. Os professores de educação física são muito importantes pois ensinam a pratica de esportes olímpicos, todas as modalidades disputadas nas Olimpíadas. A única exceção são as lutas corporais pesadas, sendo permitido somente o judô e outras artes marciais antiviolência.

As refeições são preparadas pelos alunos orientados por profissionais.

Eles também tem encontros com profissionais dos esportes, da musica, professores universitários, grandes cientistas, músicos profissionais, empresários, executivos, etc.

A escola é a coisa mais importante do bairro (ou da cidade), a referência.

Nos finais de semana as famílias podem entrar livremente na escola e os próprios alunos fazem teatro e apresentações musicais. Muitos jogos entre a garotada e seus amigos, até de escolas particulares.

A Escola é muito bem cuidada e todos queriam ajudar. Acredite, até os políticos que passaram a ser eleitos por bairros saem dos bancos da Escola e seus mandatos duram somente 4 anos, não tem mais reeleição. Já foi politico, agora não será mais. E o próprio primeiro ministro.

E os professores?

Os professores começaram a se especializar mais e não ficam mais dando aquelas aulas repetitivas e chatas, não, agora é tudo livre, o aluno sabe a hora de aprender as matérias importantes. Os professores orientam. Sabe que até a Universidade mudou, no vestibular de exatas caem questões correlatas, sempre de acordo com a carreira escolhida.

Há muito diálogo entre os alunos e os professores, que sempre os apoiam. Qualquer dúvida, os professores ajudam, e sempre orientam os alunos sobre a importância das pesquisas e troca de ideias entre si. Fora a ajuda dos alunos mais velhos para os mais novos.

E esses alunos que são problema, só aprontam?

Eles aprontam por falta de amor e carinho, pois muitas vezes existem problemas de relacionamento na sua família e próximo deles. E como já dissemos, ficavam com muito tempo ocioso e acabavam se perdendo. Mas agora é diferente, eles são recebidos com muito carinho na Escola, não ficam mais trancados a sete chaves por determinado período e podem chegar atrasados. E pior, no sistema de ensino antigo eram obrigados a enfrentar aquelas provas que não levavam a nada. Finalmente os alunos tem liberdade de ir e vir e acabam sendo conquistados pela nova chance na vida, pela oportunidade que nunca tiveram, de fazer parte de um grupo de jovens estudantes com liberdade nos seus estudos, tendo como resultante o efetivo aprendizado.

Homens e mulheres que alcançaram sucesso estão sempre na Escola, pois as empresas também mudaram de paradigma e reservam horas livres para os funcionários que querem ajudar na Escola com palestras. Os alunos ficam contagiados quando percebem as oportunidades reais de sucesso em sua vida futura, não tem porta fechada para ninguém. As próprias empresas recebem alunos para visitá-las com frequência, onde aprendem os processos de fabricação de produtos, e mesmo ideias. Médicos falam sobre a saúde.

Em todas as escolas agora existem hortas que são cuidadas pelos alunos mais jovens e cuja produção é utilizada no almoço e até para venda – onde os valores arrecadados são convertidos para melhorias na própria escola.

E as provas e notas? Vem aquela pergunta do Prof. José Pacheco – prova para que? Aula para quê? O importante é o incentivo à pesquisa pelo próprio aluno. A prova não mede nada.

E as escola particulares? Olha, atualmente uma grande mudança ocorre, pois muitos pais com posses agora preferem colocar seus filhos na escola pública. Eles ficam com pés no chão, acompanhando a realidade da própria vida das pessoas mais simples e menos abastadas.

E a coordenação de todas as escolas? Agora as decisões são da direção da escola com os jovens alunos e moradores do bairro. Cada Escola toma suas decisões com propriedade e respaldo do bairro, da cidade. Os alunos e a população também são diretores, não existe mais separação. Os alunos que se formaram na escola continuam participando, quando podem, das atividades de final de semana.

A cidade ficou mais alegre e sem problemas de violência. Os moradores do bairro ou cidade trabalham nas empresas da redondeza, o que auxiliou muito no trânsito das grandes cidades.

Como acabar com a violência e drogas – todos nas ruas e bandidos nos seus lugares

Resgatamos  de Castro Alves que já dizia (reduzi o poema para deixar mais atual e mais visual):

O Povo ao Poder

Quando nas praças se eleva  – Do Povo a sublime voz…
Um raio ilumina a treva
A praça! A praça é do povo  – Como o céu é do condor
É o antro onde a liberdade  – Cria águias em seu calor!
Senhor!… pois quereis a praça? – Desgraçada a populaça
Só tem a rua seu…
Ninguém vos rouba os castelos
Deixai-nos soltar um grito – A palavra! Vós roubais-la
Aos lábios da multidão
Pois bem! Nós que caminhamos – Do futuro para a luz,
Que do presente no escuro  – Só temos fé no futuro,
Erguei as frontes altivas, Bebei torrentes de luz…
Ai! Soberba populaça,
Lançai um protesto, ó povo,  – Protesto que o mundo novo
Manda aos tronos e às nações.

E voltamos para o Blog e pergunto:

  • você sai nas ruas em Paz;
  • para seu carro e com certeza o encontrará na volta?
  • vai no Banco e precisa sacar uma grana, sai tranquilo da Agência?
  • passa num bairro isolado sem querer – e vai sair de lá vivo?
  • você está seguro em algum lugar?

Minha gente estamos sitiados em nossas casas. Temos que fazer o que disse Castro Alves e ir para as ruas, temos que tomar conta das ruas, não para protestar contra governos (que são sempre iguais), mas sim para ter dignidade e Paz. Os bandidos é que tem que sair das ruas. Chega! Chega!

Não podemos ter medo, as crianças já nascem com super proteção devido o medo dos Pais. Colocam os filhos para estudar em Colégios altamente vigiados e com seguranças para todo lado. Todos vão morar em Condomínios fechados e apartamentos com medo de ficar numa casa em plena rua. E quem não pode? Vive como?

Uma solução é ir caminhar nos parques, lotar as ruas de pessoas caminhando. Ninguém irá nos ajudar. Levar as crianças para caminhar, levar as crianças para a escola caminhando quando for possível, ajudar pessoas mais idosas nos bancos e outros lugares até acompanhando-os na saída do banco.

Como diz Caetano, a Praça Castro Alves é do povo! A praça é do povo. E as forças militares – guarda civil, policia militar, exército tem que tomar as ruas e dar proteção para a população. Não precisamos de um número enorme de deputados e sim um ou 2 por cidade muito bem escolhidos, cidades muito pequenas seriam atendidas por eleitos de cidades maiores próximas, cidades como São Paulo teria um por zona – norte, sul, leste, oeste. A grana que sobraria iria para a segurança com os gastos decididos pela população, participação da população no gerenciamento da Polícia e Exército. Os cidadão decidiriam onde a Polícia deveria atuar, regiões, etc.

Vamos para a rua sem medo. Como é bonito ver o Parque do Ibirapuera, Horto, do Carmo, da Independência, Vilas Lobos em São Paulo lotados nos finais de semana.

O Parque do Taquaral em Campinas no último domingo estava bem protegido e com muitas pessoas:

c1

c3

c2

e uma água de coco especial:

c4

 

Vê como um fogo brando funde um ferro duro
Vê como o asfalto é teu jardim se você crê
Que há sol nascente avermelhando o céu escuro
Chamando os homens pro seu tempo de viver

E que as crianças cantem livres sobre os muros