Sant Joan de Moró, Espanha – cerâmica Dune

 

a5

Nesta pequenina cidade da Espanha fica a sede de uma das maiores fabricantes de revestimentos com distribuição para muitos países.

Y viva España! Y viva España! Y viva España!

Espanha de um povo sofrido com uma crise que não acaba nunca. Com ocorrências que não eram comuns nesse pais – assaltos, etc.. Ai fica a pergunta, o que esses governantes fazem? A unica missão deles é fazer com que o povo viva com dignidade. E que o Brasil não siga pelo mesmo caminho, apesar de ser um gigante adormecido com seu povo e riquezas naturais infindáveis.

Com Rieu, o grito de um povo, o lamento e esperança, sofrimento e luta, e que venha a Paz.

Entre Flores, Fandanguillos y alegrias,
nacio en España la tierra del amor
Solo dios pudiera hacer tanta belleza,
y es imposible que puedan haber dos.
Y todo el mundo sabe que es verdad,
y lloran cuando tienen que marchar.
Por eso se oye este refrán
“Que Viva España”
Y siempre la recordarán
“Que Viva España”
La gente canta con ardor
“Que Viva España”
La vida tiene otro Sabor,
Y España es la Mejor
Es las tardes Soleadas de corrida,
la gente aclama al diestro con fervor
Y el saluda paseando a su cuadrilla,
con esa gracia de Hidalgo Español
La plaza por si sola vibra ya,
y empieza nuestra Fiesta Nacional
Por eso se oye este refrán
“Que Viva España”
Y siempre la recordarán
“Que Viva España”
La gente canta con ardor
“Que Viva España”
La vida tiene otro Sabor
Y España es la Mejor
Laralaralalarala
“Que Viva España”
Laralaralalarala
“Que Viva España”
La gente canta con ardor
“Que Viva España”
La vida tiene otro Sabor
Y España es lo Mejor
Que España es la Mejor!

Aurora Boreal

As auroras boreais são mais frequentemente vistas nas regiões da Lapônia, Finlândia, Suécia e Noruega, juntamente com a Islândia e a Groenlândia. Mas durante a alta atividade, as auroras são muitas vezes visíveis a partir de latitudes muito mais baixas, muitas vezes incluindo Escócia, Irlanda, Dinamarca, Estônia e muito mais.

Você poderá ter uma ajuda para ir ver a aurora com auxílio, localizado na cidade mais no norte da UE! Visite tours.aurora-service.eu para mais informações:

Bem-vindo ao Aurora Service Europe!

Previsões Northern Lights, Solar Wind Tools, News, Solar Activity e muito mais.

para caçadores de aurora …

Somos um serviço gratuito de informação sobre as luzes do norte baseado na Escandinávia. Somos administrados por voluntários que dão muito do seu tempo livre para criar e manter este site e ajudar as pessoas no norte da Europa a ver Northern Lights. Ao contrário de muitos outros sites de auroras, nós realmente somos observadores de auroras, e estamos regularmente de pé em um campo escuro no meio da noite. Como tal, o site (especialmente a página de previsão) foi projetado a partir de um ponto de vista de caça aurora, não queremos que ele seja preenchido com muitas informações que não precisamos. Mantivemos a simplicidade, tendo apenas as coisas que consideramos importantes quando visualizamos o site em seu tablet ou telefone. Colocamos milhares de horas (não pagas) no desenvolvimento do site desde os primeiros dias, mas tudo valeu a pena, porque agora é um ótimo recurso para caçadores de auroras de toda a Europa (e, de fato, do mundo) e temos dezenas de milhares de pessoas visitando o site.

16938883_1...

Medidores de vento solares

Esses indicadores são do próprio sistema, eles são atualizados a cada 60 segundos diretamente dos dados da nave espacial ACE da NASA. Os dados que você vê no site da Aurora Boreal são o que a nave espacial ACE monitorou há apenas alguns momentos. Esses 3 componentes são os componentes mais importantes do vento solar (quando se trata de Aurora Borealis).

Muito legal as informações da Aurora Service.

Passo estas informações a partir de artigo de Willian Von Sohsten, onde dá a dica do My Aurora Forecast, publicado na Revista Viagem da Editora Abril, edição de junho 2017.

Virgin, um grupo vegetariano como o fundador?

Richard Branson, vegetariano, é o fundador do Virgin Group com mais de 100 companhias no mundo todo, com 60.000 funcionários em mais de 50 países. Segundo noticiado na imprensa mundial, todas as suas empresas adotaram a alimentação vegetariana como referência.

Principais empresas na área de transportes: Virgin Trains (empresa privada de estrada de ferro, Reino Unido), Virgin America (companhia aérea low cost, Estados Unidos), Virgin Atlantic Airways (companhia aérea de voos intercontinentais, Reino Unido), Virgin Blue (companhia aérea low cost, Austrália e Nova Zelândia), Virgin Express (companhia aérea low cost, Bélgica), Virgin Nigeria (companhia aérea, Nigéria).

A foto acima saiu na VegNews em 2015: “Em uma decisão surpreendente e que chocou o setor aéreo, o fundador da Virgin, Richard Branson, apresentou a Vegan America.” Em abril de 2015, Colleen Holland escreveu na VegNews: “No que pode ser a maior notícia de 2015, Richard Branson fez um anúncio impressionante ontem na sede da Virgin America, em San Francisco. O magnata da companhia aérea disse que em 1 de janeiro de 2016, uma nova frota de aviões da Virgin America seria lançada – “inovação mais importante até esta data”. Enquanto hospedava um fim de semana do CEO em Necker Island (Retiro privado do Caribe de Branson), ele e os amigos Bill Gates, Al Gore e o investidor chinês Li Ka-shing saíram para um passeio de balão. De acordo com Branson, foi durante esse passeio que ele finalmente fez a conexão entre a agricultura industrial e a destruição ambiental. “Há muito tempo estou procurando soluções para combater o aquecimento global, um problema que é muito próximo ao meu coração. Quando Bill e Al me contaram quantos galões de água era necessário para criar um único hambúrguer, fiquei espantado. Eu sabia naquele momento que não só eu desistiria da carne, mas precisava fazer a diferença através dos negócios. Vegan America é o resultado dessa revelação “. Branson disse mais tarde ao New York Times que o investidor Ka-shing – que arrecadou US $ 23 milhões para a companha de alimentos veganos, Hampton Creek, em 2014 – ainda o convenceu de que uma dieta baseada em plantas é o futuro. “Sr. Li tem um histórico exemplar de previsão de mudanças culturais, e é por isso que ele é o homem mais rico da Ásia. Quando o sol se pôs naquele passeio de balão em torno de Necker, ele me olhou nos olhos e disse: “Não se engane. O fim da carne está a apenas alguns anos de distância. Em 2050, o mundo será vegano. Imediatamente após a conferência de imprensa, Branson foi levado num Tesla para a Baía de São Francisco, onde nadou da Golden Gate Bridge para Alcatraz. Com um grupo de golfinhos a reboque, é claro. A co-fundadora da VegNews, Colleen Holland, participou da histórica conferência de imprensa em San Francisco ontem e falou com Richard Branson sobre como se tornar a revista oficial da frota Vegan America.”

Noticiado na revista Exame e na edição de julho da revista Vegetarianos sobre os trabalhos do Branson. E ele esteve em São Paulo num evento da Natura em maio deste ano. Na reportagem da Exame lemos: “É um pecado saber da mudança climática que ameaça a existência do Planeta sem defender a preservação da Floresta Amazônica”, (comentou ele ao lado de um dos fundadores da Natura, Guilherme Leal). 

Alem da alimentação vegetariana em todas suas empresas, se alguém pedir pratos carnívoros eles atendem.

Um outro lado de Branson é que após uma visita a uma prisão de alta segurança na Austrália e um encontro com uma empresa de transporte australiana que empregava ex-prisioneiros há alguns anos que persuadiram Richard Branson dos méritos de empregar ex-infratores. Em outubro de 2011, com uma série de outros executivos-chefe de alto perfil, ele pediu a mais empresas do Reino Unido que empregassem pessoas com convicções criminais. As prisões, disse a carta ao Financial Times, abrigavam “um grande número de pessoas com potenciais que são ignorados pelos empregadores por causa de seu registro criminal. Faz sentido para as empresas do Reino Unido recrutar esses indivíduos e fazer uso de suas habilidades e entusiasmo “. Na época, Branson disse que estava determinado que as empresas Virgin buscariam ativamente empregar entre os candidatos ex-criminosos. Quatro anos e meio depois, o programa de emprego Virgin Trains West Coast para ex-infratores treinou e colocou 25 candidatos em empregos de tempo integral com a empresa (cinco outros abandonaram depois de decidir que eles “não se encaixavam”). “Trata-se de dar às pessoas a dignidade do trabalho“, explica Branson quando nos encontramos em um de seus trens na estação de Londres Euston, disse o repórter Erwin James.

A Virgin East Coast train at King’s Cross station in London.

Virgin Hotels

 

 

Inuit – aborigines no Canadá

John Dee investiu nas viagens de Martin Frobisher em 1576-7, durante o qual a Ilha de Baffin (agora parte do Canadá) foi “descoberta” dentro do seu projeto de levar a boa nova para todos os rincões do planeta. Seu projeto não era dominar tudo num único sentido de posse, e sim um trabalho mais amplo e possibilitasse o despertar o coração das pessoas para um trabalho interior e necessário no caminho da verdade. Interessante que no Canadá cinco de seus homens foram levados cativos pelos Inuit que lá viviam. E como não era o próprio John Deee e sim outros seres humanos que lá chegaram, sabe-se lá que fim levou esse relacionamento.

Existem algumas informações no site Brasil.gc.ca (Governo do Canadá) sobre os Inuit:

Os Inuit

Inuksuit were stone cairns erected by the Inuit to serve as landmarks. (Corel Professional Photos).

Durante séculos, os Inuit sempre foram chamados de “esquimós” por aqueles que não são Inuit. Os Inuit não mais consideram este termo aceitável. Preferem o nome pelo qual eles próprios sempre se identificaram, Inuit, que significa “povo” em seu próprio idioma, o inuktitut. Os Inuit habitam vastas áreas em Nunavut, nos Territórios do Noroeste, na costa norte de Labrador e em aproximadamente 25% do norte de Québec. Tradicionalmente, eles habitavam acima da área arborizada na região onde se encontra a fronteira com o Alasca, no oeste, a costa de Labrador à leste, a ponta sul da Baía de Hudson ao sul e as ilhas do alto Ártico ao norte. Cerca de 55.700 Inuit vivem em 53 comunidades em todo o norte canadense. A população Inuit cresceu rapidamente nas últimas décadas. De acordo com a agência governamental de estatísticas “Statistics Canada”, se a tendência continuar, haverá cerca de 84.600 Inuit no norte canadense por volta de 2016. Os Inuit são um dos três povos aborígines do Canadá, conforme definido pela constituição canadense. Os outros dois povos aborígines são denominados “Primeiras Nações (Índios)” e “Métis”.

Existem oito grupos étnicos inuit principais: o Labradormiut (Labrador), Nunavimmiut (Ungava), Ilha de Baffin, Igluling (Iglulik), Kivallirmiut (Caribou), Netsilingmiut (Netsilik), Inuinnait (Copper) e Invialuit ou Western Inuit Ártico.

Inuktitut – a língua inuit.

As origens dos Inuit no Canadá datam de pelo menos 4.000 anos atrás. Sua cultura é profundamente enraizada na vasta terra em que habitam. Por milhares de anos, os Inuit observaram atentamente o clima, as paisagens terrestres e marítimas, e os sistemas ecológicos de sua vasta pátria. Com base nesse conhecimento íntimo da terra e de suas formas de vida, os Inuit desenvolveram habilidades e tecnologias peculiares e adaptadas a um dos ambientes mais inóspitos e exigentes do planeta.

Os Inuit tratavam com o mesmo respeito os seres humanos, a terra, os animais e as plantas. Hoje, continuam tentando manter este relacionamento harmonioso. Tentam utilizar os recursos da terra e do mar com sabedoria para preservá-los para as gerações futuras. Na caça, seguem tradições e regras rigorosas para ajudar a manter este equilíbrio. Para os Inuit de Labrador, por exemplo, é proibido matar qualquer animal em sua época de reprodução.

Antes da criação das colônias permanentes nas décadas de 1940 e 1950, os Inuit migravam conforme as estações. Eles estabeleciam acampamentos de verão e de inverno, aos quais retornavam anualmente. Estes campos sazonais permitiam que os Inuit usassem os recursos da terra e do mar nas épocas do ano em que eram mais abundantes.

Eram transmitidos de geração a geração os conhecimentos tradicionais sobre a história dos Inuit, suas terras e plantas, e sobre os animais selvagens.A família é o centro da cultura Inuit, e cooperação e compartilhamento são princípios básicos na sociedade Inuit. Eles compartilham os alimentos que trazem da caça, e cada um faz a sua parte para ajudar aos necessitados.

A cultura Inuit foi exposta a muitas influências externas durante o último século. Entretanto, os Inuit conseguiram reter seus valores e cultura.O inuktitut ainda é falado em todas as comunidades Inuit. Ele é também o principal idioma utilizado em programas de rádio e televisão originados no norte canadense, e faz parte do currículo escolar. Muitas comunidades Inuit continuam a praticar as danças e canções tradicionais, que incluem dança de tambores e canto gutural (canto tradicionalmente executado por mulheres Inuit, que produzem sons guturais). A tradição oral e a narração de estórias ainda permanecem bem vivas na cultura Inuit, com lendas passadas entre as gerações ao longo dos séculos. Tais estórias freqüentemente falam de espíritos poderosos que habitam a terra e o mar, e têm sido uma contínua fonte de inspiração para artistas Inuit, cujas gravuras e esculturas são apreciadas por colecionadores e galerias de arte em todo o mundo.

O governo encorajou os Inuit a morar em colônias permanentes, ao invés de acampamentos sazonais. As colônias logo começaram a serem apoiadas por destacamentos da Polícia Montada do Canadá (RCMP, Royal Canadian Mounted Police), por serviços de saúde e de assistência social, e por um programa habitacional. Na década de 1960, os Inuit começaram a formar cooperativas de mercado para facilitar a venda de produtos locais, incluindo gravuras artísticas e esculturas entalhadas que se tornariam famosas em todo o mundo.

As escolas Inuit de hoje oferecem um sistema educacional moderno que inclui matérias culturais, como o ensino do idioma inuktitut.

Foram feitos acordos sobre as terras ocupadas. O pacote de colonização inclui compensação financeira, direitos às terras, direitos de caça e oportunidades de desenvolvimento econômico. No Acordo de Reivindicações de Terras de Nunavut o governo federal também se comprometeu com a divisão dos Territórios do Nordeste e a criação do território de Nunavut em 1o de abril de 1999.

A empresa Makivik, que representa os Inuit do norte de Québec, rubricou o Acordo de Reivindicações de Terras Inuit de Nunavik com o governo de Nunavut e o governo do Canadá.

“Nós não temos uma religião. Temos um modo de vida. Está embutido no nosso cotidiano. ”

“Você não pode colocá-lo em uma caixa e dizer, isso é espiritualidade”.

“A espiritualidade indígena é um fenômeno mais complexo do que o termo” espiritualidade “, como geralmente entendido, implica. A espiritualidade está intimamente ligada à cultura e às formas de viver nas comunidades indígenas e exige uma abordagem mais holística ou abrangente …

Penedo – Finlândia

A Finlândia é um país desenvolvido com alto nível de desenvolvimento humano, refletido pelo país possuir alguns dos melhores índices de qualidade de vida, educação pública, transparência política, segurança pública, expectativa de vida, bem estar social, prosperidade, saúde, paz, democracia e liberdade de imprensa. Suas cidades estão classificadas entre as mais limpas, seguras e com organização impecável. Interessante é que no passado muitos finlandeses saíram de seu País levando o pensamento que iniciava a passos lentos a transformação futura da Finlândia para outras terras.

O trabalho desenvolvido por Sergio Moraes Rego Fagerlande intitulado A UTOPIA E A FORMAÇÃO URBANA DE PENEDO trata da criação, em 1929, e o desenvolvimento de uma colônia utópica finlandesa no estado do Rio de Janeiro. Apresentado no Programa de Pós Graduação em Urbanismo, PROURB, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos para a obtenção do Grau de Mestre em Urbanismo.

Tudo um dia muda e segundo o trabalho do Sergio a antiga fazenda foi vendida. E mesmo com o final da utopia urbana sonhada, a comunidade manteve alguns ideais, como a importância da ecologia prevista ainda em seu projeto inicial, simbolizada pelas matas plantadas pelos imigrantes. Penedo existe até os dias de hoje, como um pacato lugarejo, onde a natureza e as tradições finlandesas são preservadas, atraindo grande número de turistas. Transformaram a paisagem da fazenda (origem de Penedo) – de um local já sem vegetação num lugar agradável, com florestas e muito verde.

E como foi todo esse trabalho, segundo Sergio:

 “Neste trabalho se pretende estudar a formação da colônia finlandesa de Penedo, localizada em Itatiaia, sul do estado do Rio de Janeiro, que foi fundada em 1929 por um grupo de jovens vegetarianos liderados por Toivo Uuskallio. A dissertação tem por objetivo resgatar o estudo do pensamento utópico no campo do urbanismo no início do século XX e sua transposição para o Brasil através da formação da colônia finlandesa.

Resultado de imagem para fotos penedo, rj

Havia a preocupação de Uuskallio com a natureza, não somente com relação aos hábitos vegetarianos, mas também com relação à poluição dos rios e preservação das matas, como demonstra o Projeto Habitacional. Outro ponto importante com relação ao projeto urbano é a intenção de fazer uma grande via em forma de reta, substituindo o antigo caminho de acesso à sede da fazenda sobre os morros, indo do pátio defronte ao Casarão até a Estação de Estrada de Ferro de Marechal Jardim, existente junto ao Rio Paraíba. Essa via marcou definitivamente a implantação urbana de Penedo, mesmo não tendo sido completada, e atualmente parte dela é a principal artéria viária de Penedo, a Avenida das Mangueiras. Nesse período de vida comunitária, de 1929 a 1942, foram construídas as fundações de seis casas, dentro desse Projeto Habitacional, todas de acordo com o projeto de Uuskallio, A partir da leitura de outros autores finlandeses, em especial Teuvo Peltoniemi (1986) com seu livro Kohti parempaa maailmaa (Em direção a um mundo melhor), e seus textos sobre emigração finlandesa para o Canadá e Estados Unidos (PELTONIEMI, 1987), e especialmente a partir de seus textos da exposição sobre as colônias utópicas finlandesas, foi possível constatar alguns fatos importantes, como o de que Penedo não era um caso isolado.

A questão da emigração dos finlandeses adquiriu relevância e, em 1902, o número de emigrantes para a América do Norte foi de 23.152, formando uma onda migratória que levaria 271.120 pessoas para os EUA e Canadá entre os anos de 1893 e 1919, um número significativo para um pequeno país (ENGELBERG, 1942). Em termos de movimentos culturais a Finlândia, mesmo sendo um país periférico da Europa, sempre teve muito contato com os centros europeus. A Suécia era um país bastante importante da Europa, especialmente até o século XVIII, e a criação de uma universidade em Turku, Finlândia, ainda no século XVII, demonstra a importância dada à cultura.

A música, com Jean Sibelius, pintura e especialmente arquitetura foram parte de um movimento bastante importante que renderia expoentes da arquitetura mundial, como Alvar Aalto, Eliel e Eero Saarinen. Uma experiência precursora de Penedo, pois seria realizada por alguns de seus futuros fundadores, foi a da Sociedade Paradiso em 1925, empreendimento vegetariano na Riviera Francesa, que não foi adiante por problemas financeiros (PELTONIEMI, 1986). Essa experiência, ainda situada na Europa, é mais uma prova desse movimento em busca de lugares ao sul. Era muito grande, naquele momento, o interesse dessas pessoas por alternativas de vida, na Finlândia. Os ideais variavam de socialismo, nacionalismo, cristianismo, teosofia, vegetarianismo e também quem buscasse por fortuna ou novas chances de trabalho.

No livro escrito por Toivo Uuskallio, o fundador de Penedo, chamado de Na viagem em direção à magia do trópico, nome que simboliza essa procura (FAGERLANDE, 1998a). Durante esse período os finlandeses patrocinaram algumas outras experiências comunitárias, especialmente nos EUA, como a de Redwood Valley, com The Finnish Colony Inc., que durou de 1913 a 1922. Eram fazendas que, a exemplo de Penedo, tinham projetos de uma comunidade idealizada, mas que não foram adiante. A última experiência conhecida de colônia utópica finlandesa é a criação de um kibbutz em Israel, fundado por cristãos finlandeses em 1971, por um finlandês que havia participado da experiência de Penedo, Martti Kurki (PELTONIEMI, 1986). Dentre as muitas experiências utópicas, Koivukangas e Peltoniemi consideram as mais importantes as de Sointula, no Canadá, Colônia Finlandesa na Argentina e Penedo, no Brasil, sendo a de Penedo a que permanece até os dias de hoje com presença finlandesa.

A alimentação inicial de Uuskallio e Suni era composta basicamente de feijão e arroz, depois acrescentando legumes e verduras cozidas. Não se comia carne em hipótese alguma, e os finlandeses sentiam falta de batatas, tão comuns naquele país. Em seu lugar comiam às vezes batata doce, milho, aipim, tomates e as verduras que vinham da horta, como alface, repolho, cenoura, sem temperos, como limão ou azeite (VALTONEN, 1998). Segundo Melkas (1999) havia sempre feijão, arroz, gordura de coco e mingau de milho. Faziam pão de milho, na falta de outra coisa, e as frutas disponíveis eram bananas, pois as demais ainda não eram cultivadas na fazenda, e muito caras para serem compradas. Todos sentiam falta de frutas e pão, e mesmo sendo vegetarianos, de manteiga, queijo ou leite. O leite e seus derivados não existiam devido à rigidez de Uuskallio, que tinha mandado embora as vacas na compra da fazenda, pois segundo ele, leite não fazia bem à saúde dos seres humanos. Falava da necessidade de se comer comida vegetariana, pois seriam os alimentos vindo diretamente da natureza, não havendo necessidade de se matar nenhum ser vivo.

 Criaram o Clube Finlandês onde se dançava antigas danças finlandesas como polka, jenka, humppa e também valsas e tangos.

A influência dessa liberdade na formação urbana de Penedo pode ser verificada ao se perceber que, apesar de terem um vinculo religioso, num sentido mais amplo e filosófico, não fazia parte do plano urbano de Penedo a construção de templos”

E com Penedo está ligado em sua origem à Finlândia, tem um lugar agradável chamado a Casa do Papai Noel:

Casa das Pedras no centro de Penedo:

Penedo é um bairro da cidade Itatiaia. Você pode ir passear no Parque Nacional de Itatiaia, que é muito perto. Foi o primeiro Parque Nacional criado no Brasil. A estrada está razoável. Outra opção é ficar hospedado dentro do Parque Nacional (O que está melhor localizado é o Hotel Ypê Amarelo). A estrutura de Penedo é melhor para se ficar.

Mais informações você encontrará no site Penedo.org: O Sonho de Toivo Uuskallio.

Blue Tree Towers Penedo, para atender toda a região.

A Blue Tree Hotels, presidida pela empresária Chieko Aoki, inaugurará no primeiro semestre de 2018 mais um novo projeto inovador: o Blue Tree Towers Penedo, no sul do Estado do Rio de Janeiro. Fruto de parceria com a Somah Construção e Incorporação, com a participação da Prime Capital, o hotel terá 160 apartamentos, 5 mil m² de área de lazer e espaço de eventos para até 100 pessoas.
Valorizando a identidade cultural da região, o hotel terá arquitetura típica do vilarejo, com influência finlandesa.
O objetivo será atender ao público executivo das montadoras instaladas na região durante a semana – a distância é de menos de 15 minutos –, e receber pessoas que buscam lazer aos finais de semana e férias.
O interior do Estado do Rio de Janeiro é o responsável por bilhões em investimentos no setor automotivo, com destaque para ao menos três cidades do eixo das Agulhas Negras: Resende, Porto Real e Itatiaia. As montadoras instaladas ou em fase de início de produção no Rio garantem investimentos acima de R$ 12 bilhões, gerando mais de 7 mil empregos. Na região estão as montadoras Nissan do Brasil e MAN Latin America (Resende), Jaguar – Land Rover e Hyundai Heavy Industries (Itatiaia), PSA Peugeot-Citröen (Porto Real).
E como Porto Real ainda não se desenvolveu como uma cidade capaz de receber novos moradores e congressos, e também não tendo motivo pois a 15 minutos do local se encontra a charmosa Penedo. É morar em Penedo e ir trabalhar em Porto Real, Itatiaia e Resende, por que não?
Resultado de imagem

“A região tem um ótimo potencial turístico: desde o clima e abundância de atrações naturais, passando pelo charme das construções até a saborosa gastronomia. Tudo muito aconchegante para momentos de descanso e, claro, muito bem localizado, em um ponto estratégico próximo ao polo automobilístico entre as cidades de Itatiaia, Resende e Porto Real. Com esta nova empreitada, esperamos contribuir para o desenvolvimento e o crescimento da região. O Blue Tree Towers Penedo será uma referência em serviços, estrutura e conforto, incorporando nosso DNA de inovação e qualidade”, explica Chieko Aoki, Presidente da Blue Tree Hotels.

Resultado de imagem para blue tree penedo, rj

Faça um curso de tecelagem manual em Penedo com O tecelão Rodrigo

Iniciamos nossos posts sobre a Finlândia falando sobre O Tecelão Rodrigo que fincou raízes na cidade de Penedo, tendo contato com finlandeses que praticamente fundaram essa cidade brasileira (para dizer a verdade – atualmente é um bairro da cidade de Itatiaia) no tocante a Tecelagem manual.

Exibindo P_20170704_102606.jpg

 

Fizemos uma visita ao Rodrigo para conhecer de perto o trabalho impar que realiza, seja dando cursos locais e à distância, até colaborações com trabalhos sociais. Ainda mais, você poderá encomendar um trabalho produzido na tecelagem manual – o que lhe confere uma beleza impar e nos remete a tempos remotos, desde quando se cruzou os primeiros fios do urdume e trama.

Primeiro tear construído pelo próprio Rodrigo, com auxílio de um finlandês autentico especializado nessa área – com diz o Rodrigo em seu Blog – Niilo Valtonen, o primeiro fabricante de teares manuais do Brasil:

Rodrigo tecendo no Tear Finlandês:

A montagem do urdume é trabalhosa, mas vale a pena:

Diz Rodrigo em outro Blog de sua autoria:  “Quando os Finlandêses chegaram aqui em 1929, ficaram encantados com a variedade de fibras naturais e começaram a tecer com todos os materiais que encontravam na natureza: Cipós, palhas de Taboa, hastes de Capituva e a Bucha, que veio a se tornar uma marca registrada do artesanato de Penedo. Era muito comum encontrar os bonés, as sandálias e os tapetes de sauna, tecidos com bucha, num processo muito curioso, pois era necessário tecer com a bucha molhada e macia, e a cada batida do pente espirrava água para todos os lados, os teares ficavam encharcados e as varandas molhadas. Coisas de finlandês vivendo no calor tropical!
Com os outros materiais, eram tecidos jogos americanos, luminárias, descansos de panelas e centros de mesa, que eu continuo tecendo até hoje e são o carro chefe de minha produção”.

Exibindo P_20170704_102659.jpg

E qual a dica que damos? Ir fazer um curso com O Tecelão Rodrigo em Penedo, RJ. Você marca o curso e poderá ficar hospedado(a) na Pousada Rainha da Mata que fica em Penedo e numa alegre caminhada poderá ir a pé até O Tecelão:

Exibindo P_20170704_113725.jpg

É uma pousada nova e alegremente decorada. O café da manhã é muito bom e com pães feitos na própria pousada.

Exibindo P_20170704_113801.jpg

Exibindo P_20170704_082429.jpg

E para almoçar existem várias opções na cidade. Tem um restaurante em que a nutricionalista supervisiona de perto os pratos, sempre no caminho de atender bem. Existem vários pratos disponíveis com carnes e peixes, mas ganha destaque suas opções vegetarianas (lembrando que quando os Finlandeses chegaram, eram vegetarianos – isso em 1925). Pratos com cogumelos frescos e a novidade do nhoque de Inhame.

Restaurante Petit Gourmet:

Mix de cogumelos com verduras orgânicas:

A imagem pode conter: comida

Bom curso, bom passeio e boa comida.

Finlândia – Doukhobors – cidade de Penedo, RJ

Falamos em posts recentes sobre os Doukhobors, que foram da Russia para Finlândia e Canadá. Mas a movimentação que ocorreu foi grande com Finlandeses na argentina, em Penedo no Brasil e outros locais. Isso nas proximidades dos 1900. E esses finlandeses também tinham como base a alimentação vegetariana, etc. Sua influência foi muito grande na alimentação (agricultura, educação, etc.).

Vamos falar sobre isso nos próximos posts. Encontramos também um trabalho de Pós-Graduação da UFRJ chamado “desenvolvimento de uma colônia utópica finlandesa no estado do Rio de Janeiro” E tem muitas informações que iremos resumir.

Interessante que na cidade de Penedo (o certo é um bairro da cidade de Itatiaia, anteriormente pertencente a Resende) se você observar não foi construída ao redor de uma Igreja católica.

E também da situação da Finlândia como País muito interessante e moderno – com destaque na área da Educação.

Vamos ver em seguida.

Teva, opção vegana de alimentação – alta qualidade

Neste post quero falar sobre um empreendimento dentro do movimento que cresce exponencialmente a nível mundial: alimentação vegana e preferencialmente com produtos orgânicos.

E no Rio de Janeiro existe uma proposta fantástica na área de restaurante e bar vegano: Teva, localizado na divisa dos bairros do Leblon e Ipanema, Rio de janeiro.

O chef Daniel Biron, é conhecido e reconhecido em vários países. Posso dizer que o cara é fera em alimentação orgânica-vegana. Fui conferir e digo que nunca vi algo tão diferenciado. Ele consegue deixar o queijo de soja delicioso, sobre uma fatia de pão tostada no azeite e mais ingredientes.

Mesmo quem não é vegetariano, tem que conhecer o Teva, aproximadamente 200 metros da novíssima estação do Metrô Jardim de Alah no Leblon.

Ai vai uma dica, com certeza tem tudo para virar uma franquia de sucesso a nível internacional. Você que pretende montar um negócio fique esperto, assim que for possível e se virar franquia: Teva. Poderá ser montada em Campinas, São Paulo, e várias cidades de nosso País. Tem tudo para ser sucesso. Sempre que estiver no Rio já sei onde jantar à luz de vela numa boa companhia. Atendimento nota 10.