Direção hidráulica de série

Não dá para acreditar que ainda se vende automóvel sem direção hidráulica. Mesmo os carros populares deveriam trazer de série este equipamento. O carro tem que oferecer um conforto mínimo para os usuários.

O maior problema é fazer manobra sem direção hidráulica, pois demanda um esforço muito grande. Com a falta de vagas para estacionar, a direção deve ser leve e precisa.

Existe um mito de que direção hidráulica é perigosa em estradas devido a velocidade mais elevada. É balela. O problema seria virar a direção bruscamente e sem necessidade.

http://www.omecanico.com.br/modules/revista.php?recid=24&edid=3

E por falar em direção, é sempre bom lembrar que quando o carro passa por uma poça d’água às vezes ocorre aquaplanagem e lembre-se bem, não vire a direção, mantenha-a na posição com firmeza. Se virar a direção, quando o carro sair da poça irá rodar com certeza.

Outra situação muito mais perigosa é quando somente as rodas do lado esquerdo (ou direito) passam na poça e ocorre aquaplanagem. O mínimo a fazer é não virar a direção e aguardar a reação do carro.

Sobre o estado dos pneus preciso acrescentar mais alguma coisa?

A traseira do veículo é importante?

Selecionei 4 veículos que estão à venda no mercado brasileiro. Na minha modesta opinião o design dos veículos deixa a desejar, veja como ficaram esquisitas.

Novo Vectra, da GM:

traseira1.jpg

O SW 206 da Renault:

traseira2.jpg

A Citroen criou algo muito estranho no C4:

traseira31.jpg

A Pálio Weekend (tive 3 delas):

traseira4.png

Eu não sei qual escolher para levar o título.

Viagem para Saquarema, RJ

Fiz uma viagem para Estado do Rio de Janeiro entre 25 e 27 de janeiro. Só de pedágio gastei R$ 56,30 (Dutra/ Carvalho Pinto/ Airton Senna) + R$ 3,50 (Ponte Rio-Niterói).

O carro utilizado foi um Fiesta Trail 1.0 com ar. A àlcool na ida fez 8,5 km/l e com gasolina comum na volta fez 9,5km/l. O consumo está muito alto para um carro 1.0. Haja visto, que o Corolla 1.6 faz 13,50 km/l e o 1.8 faz 11,80km/l (sempre com gasolina e ar). Realmente é preciso avaliar bem se vale a pena comprar 1.0. É claro, que tem o valor dos carros, um bem mais caro.

Ainda sobre o carro, creio que exista um erro grave no projeto do banco. Você não consegue encostar a cabeça no encosto de cabeça, ele está posicionado um pouco para trás. É totalmente desconfortável.

A Dutra está sendo totalmente recuperada e diria que não existe um buraco no trecho entre Taubaté e Rio de Janeiro. Está muito boa.

No Rio de Janeiro estão recomendando não pegar a linha Amarela ou a Vermelha. O risco de bala perdida é enorme. Mesmo na Avenida Brasil é bom tomar cuidado. Assim, você deve atravessar estas avenidas durante o dia. À noite evite-as.

Não acredito estarmos passando por uma situação tão caótica, principalmente em todo o Rio de Janeiro e alguns locais da cidade de São Paulo e para falar a verdade em todas as cidades existentes.

Não podemos mais sair de casa? Perdemos a liberdade de ir e vir? Quem garante o ir e vir? Se sairmos de casa não dá para saber se na volta encontraremos nossos pertences. Permanecendo em casa ficaremos à mercê do medo e poderemos sofrer sequelas.

Saquarema é um local muito bonito e ainda é possível passear sem preocupação. A calmaria reina na cidade.

Grupo Fiat

O Grupo Fiat sobrevive graças ao design avançado e implementação de tecnologia de ponta em seus veículos. O Grupo foi absorvendo outras empresas italianas como Ferrari, Alfa Romeo, Maserati, Lancia.

Os italianos entendem de cadeira. As cadeiras mais confortáveis e ergonomicas são as italianas. Com todo esse conhecimento, os bancos dos carros do Grupo Fiat, obviamente, são confortáveis ao extremo.

O Dr. Tanajura comprou vários carros Fiat e nunca teve problema com a qualidade dos mesmos (Fiat 147, Uno, 3 Pálios Weekend) e foram os bancos mais confortáveis para se viajar.

Fiat

Línea 2008

afiat16.jpg

afiat15.jpg

afiat14.jpg

afiat13.jpg

Fiat 500 2008 (a volta ao passado com simplicidade)

afiat12.jpg

Alfa Romeo 2008

afiat11.jpg

afiat10.jpg

afiat9.jpg

Lancia 2008

afiat8.jpg

afiat7.jpg

Ferrari 2008

afiat6.jpg

Maserati 2008

Interior da linha esportiva

afiat5.jpg

O clássico

afiat4.jpg

afiat3.jpg

afiat2.jpg

Iveco

afiat1.jpg

Algo mais sobre câmbio automático

A principal função da transmissão automática (e manual) é permitir que o motor funcione numa gama de velocidades, visando aliviar o motor e economizar combustível. Traduzindo, a transmissão utiliza engrenagens para tornar mais eficaz a distribuição do torque do motor.

Características de uma transmissão automática:

  •  Se o carro está em overdrive a transmissão selecionará automaticamente a marcha baseada na velocidade e posição do acelerador;
  •  Acelerando suavemente, o carro irá seguir em velocidades mais baixas do que se acelerar plenamente;
  •  Se diminuir a aceleração, a transmissão cairá para uma marcha inferior (downshift);
  •  Movendo a alavanca para a posição 2 ou 1, o carro andará numa velocidade menor. Já na mudança automática pisando menos no acelerador, a transmissão fará o downshift. Se o veículo está correndo muito, somente quando ficar mais lento haverá o downshift;
  •  Se a transmissão ficar no 2, ele não fará downshift ou upshift, mesmo parando o veículo, a menos que você mova a mudança alavanca.

Entre os maiores fabricantes de transmissão automática, está a Aisin, que produz uma gama imensa de produtos para todas as áreas. No Brasil, por exemplo, já fez no passado câmbio automático para o Marea da Fiat e Vectra da GM.

A Volkswagen na versão 2.0 do Golf, oferecia transmissão automática de 4 marchas que foi substituida por uma nova de 6 marchas, fabricada pela Aisin. O problema é que o motor 2.0 é fraco para a transmissão de 6 marchas automático, acelera de 0 a 100 km/h em 11,7 segundos e atinge 192 km/h de velocidade máxima. A 6ª marcha serve para economia de combustível e um rodar mais confortável. Se colocar no “D” funciona normalmente e no modo esportivo “S” as trocas são feitas em regimes de rotação mais elevados e a 6ª é suprimida. A 120 km/h o conta-giros marca 3.100 giros. A Volkswagen acaba de anunciar o câmbio de 7 marchas para o Golf.

O câmbio automático do Mercedes-Benz 7G-tronic é considerada uma transmissão automática com maior número de relações.

Mercedes Benz 2008 S550 Sedan:
Driver-adaptativo 7-velocidade transmissão automática. É um 5.5L 32-válvula V-8 motor – 382 hp @ 6000 rpm.

BMW M5 sedan:
A M5’s 7-velocidades SMG Drivelogic apresenta teclas no volante e uma selecção de alavanca sobre o console central. As mudanças são automáticas em milissegundos e garante que a velocidade é mantida em toda a gama de mudanças.

A Ford da Espanha anunciou a inclusão de um novo câmbio automático de seis velocidades Durashift 6-Tronic para os motores 2.0TDCi 130cv com DPF e no Duratec 2.3 161 CV Diesel. Esta caixa de câmbio é fruto da parceria com a japonesa Aisin AW.

A primeira empresa a apresentar um sistema automático de oito marchas foi a japonesa Aisin, para o Lexus 460. O objetivo visava o aumento do desempenho, exigência dos potenciais compradores do veículo. A economia veio como benefício secundário.

A alemã ZF também desenvolveu um câmbio automático com oito marchas (apresentando seu sistema seis meses depois da Aisin), pensou em obter vantagens em relação ao consumo, mas só decidiu aumentar o número de marchas em um segundo momento. “Nossa intenção era colaborar na redução do consumo e das emissões”, diz o engenheiro Michel Paul, vice-presidente de tecnologia da ZF. “O número de marchas de que precisaríamos para isso não era nossa principal preocupação”, afirma. Durante o trabalho, os alemães perceberam que, ao longo da história, cada vez que se acrescentava uma marcha aos sistemas de câmbio automáticos, conseguia-se uma redução no consumo.

Aumentar o número de marchas na caixa não é uma operação simples. O acréscimo de peças pode aumentar o peso e também as perdas mecânicas da transmissão. Mas o resultado obtido pela Aisin e pela ZF deixou todos otimistas, o que leva a acreditar que, se a tecnologia permitir, mais marchas ainda poderão ser acrescentadas às caixas automáticas.

Economia prevista pelos fabricantes com o aumento de marchas:
5 marchas – 8%
6 marchas – 13%
7 marchas – 16%
8 marchas – 21%

Interessante é a presença da Aisin, altamente especializada em câmbios automáticos. A Aisin construíu uma fábrica nos Estados Unidos da América em 1986, iníco da produção em1989. Está localizada em Seymour, Indiana e desde então fornece componentes para Honda, General Motors, Mitsubishi Motors, Nissan e Toyota. A empresa também opera em Marion, Illinois.

Você já ouviu falar sobre a Aisin Seiki, que foi fundada em 1949. Ela faz parte do grupo Toyota.

A Toyota Group é um grupo de empresas que trabalham juntas. As principais empresas do grupo são Toyota Industries Corporation e a Toyota Motor Corporation.

* Toyota Industries Corporation (1926)
* JTEKT Corporation (1935)
* Toyota Motor Corporation (1937)
* Toyota Auto Body, Co. Ltd. (1940)
* Aichi Steel Corporation (1940)
* Kanto Auto Works, Ltd. (1945)
* Toyota Tsusho Corporation (1946)
* Aisin Seiki Co., Ltd. (1949)
* Toyoda Gosei Co., Ltd. (1949)
* Denso Corporation (1949)
* Toyota Boshoku Corporation (1950)
* Towa Real Estate Co., Ltd. (1953)
* Toyota Central R & D Labs., Inc. (1960)
* Daihatsu Motor Co (1907; Toyota detém 51% da empresa desde 1999.)
* Hino Motors (diesel caminhões e ônibus. Toyota detém 50,5% da empresa desde 2001.)

Afiliadas:

* Kyoho kai grupo – Auto peças empresa – 211 empresas.
* Kyouei kai grupo – Logística / facilidade empresa – 123 empresas.
* Fuji Heavy Industries, Ltd., fabricante dos automóveis Subaru. (Toyota detém 8,7% da empresa.)
* Isuzu Motors Ltd. (Toyota detém 5,9% da empresa.)
* Misawa Homes Holdings, Inc. (Toyota detém 13,4% da empresa.)

Aisin Seiki Co., Ltd., também conhecida como Aisin TYO: 7259, um membro da Toyota Group, é uma empresa que desenvolve e produz componentes e sistemas para a indústria automotiva e outras áreas interessantes. A Aisin é uma empresa relacionada no Fortune Global 500, ocupando a posição 347 em 2007.

Garantia do veículo zero km e usado?

Carros usados
As lojas que revendem carros usados deveriam oferecer garantia, principalmente para câmbio e motor. Como já dissemos em outro artigo, existem empresas que fazem o checkup do veículo, garantido por emissão de documento comprobatório. Muitos compradores não conhecem veículos, não conseguem diferenciar se o carro está bom ou não. Os lojistas aproveitam a situação para empurrar carros em péssimo estado de conservação. Exija garantia de pelo menos 6 meses, com claúsula que permita devolução do carro caso apresente problemas. Tenho um exemplo prático. De todos os carros usados que comprei até hoje, consegui uma vez garantia de 3 meses para motor e câmbio e recentemente na compra de um Corolla, a Sun North deu garantia de 1 ano.

Carros zero km
Atualmente a Hyundai no Brasil (CAOA) oferece garantia de 5 anos. Quem garante é o consórcio formado entre a CAOA e a Hyundai. A Toyota há muito tempo dá 3 anos de garantia. Uma novidade são as garantias de alguns carros lançados pela Renault no Brasil. O recém lançado Sandero (gostei do carro: espaçoso, bonito e com acabamento simplificado tem um bom preço) oferece garantia de 3 anos.

Entenda bem: a garantia cobre peças mecânicas que possam apresentar problema. E sua efetividade é garantida quando o comprador faz todas as revisões nas Concessionárias autorizadas. E dentro dos períodos indicados, de quilometragem e tempo. Siga à risca todas as determinações constantes do Manual do Proprietário, entregue quando retiramos o veículo da concessionária. Não deixe de ler o manual.
O problema é que na produção de veículos sempre poderá ocorrer problemas em algumas unidades. Existe até um número de veículos que poderão ter problema dentre uma quantidade produzida. Normalmente, são pequenos defeitos corrigidos nas revisões. Também existem alguns que ocorrerão antes da primeira revisão.

As indústrias automobilisticas criam mecanismos para evitar que este problema ocorra. Com a produção terceirizada da maioria das peças dos veículos, não é fácil o controle total da qualidade.

Conversando certa feita com um cliente, ele me informou que as empresas procuram diminuir sempre o número de defeitos que poderão ocorrer. Elas acompanham os números. Por exemplo, de cada 1000 veículos produzidos 5 têm defeitos (como disse, resolvidos em sua maioria nas próprias revisões por não oferecerem problemas aos motoristas compradores). Esses números são contabilizados. Não sei ao certo, mas no Brasil quem apresentava menos defeitos era a Toyota, depois a Honda, depois Volkswagen. Não lembro bem.

A Toyota pelo que sei tem a fábrica mais moderna dentre todas as outras, inclusive com maior automação. Mesmo seus fornecedores de peças utilizam moldes e outros itens preparados pela própria equipe da Toyota.

Às vezes peças importantes apresentam problemas de fadiga ou defeito de fabricação, que são corrigidos em recalls convocados pelas indústrias.
O difícil, quase impossível é você conseguir devolver um veículo que veio defeituoso. Existem pessoas que compraram um carro novo para evitar problemas e o mesmo fica parado na concessionária aguardando uma solução. Neste caso, deveria ser obrigatório trocar o veículo sem perda de tempo.

Recuperação e conservação de carros antigos.

Devemos agradecer aos apaixonados por carros antigos e algumas empresas que conservam seu primeiro carro (o que é defícil, pois o objetivo sempre é fazer carro para ganhar dinheiro). Muitas o fazem para chamar a atenção, apelo publicitário.

Às vezes vemos carros antigos desfilando nas ruas (é lindo de se ver e todos param para olhar) ou sendo exibidos em Salões e Museus. No fundo são as pessoas apaixonadas que conservam os carros.

Até as fotos dos carros é dificil de se encontrar. Procure fotos por exemplo do Doginho 1800 fabricado no Brasil, não se acha. E foi um carro que causou discórdia, quem não tinha criticava e quem comprava não queria outro carro.

Incrível é que existe uma indústria que possibilita a restauração dos carros. No Brasil são poucos os profissionais que fazem o trabalho direitinho. Recuperam até a pintura original do ano de fabricação, ou melhor, como sairam da fábrica na época.

Veja este site especializado em tintas para carros antigos, é incrivel:

Tintas

Veja este modelo Chrysler 1955:

restauro1.jpgrestauro2.jpg

A Chrysler tem que se recuperar, veja os carros que já fez no site abaixo:

http://www.carnut.com/photo/list/chry/chry55.html

Outro site interessante: http://www.centralvalleyclassics.com/restore.html

Você quer recuperar o estado original do seu veículo antigo e que está encostado? É possível. Os fabricantes deveriam manter um museu com todos os modelos já fabricados.

Violência no trânsito?

A humanidade está atravessando um período muito interessante, onde tudo é relevado, nada mais fica oculto. E se ficar oculto não será por muito tempo. Tudo está sendo colocado às claras para quem enxerga profundamente. Nossa consciência está mais aberta a influências. Cabe a nós filtrá-las.

O que é importante é sempre mantermos a calma, não reagir, mas sim ouvir. A paz deve estar em nosso coração.

Hoje na Praça João Mendes, no centro de São Paulo, ví uma cena muito triste. Um ônibus e um taxi estavam se estranhando e o ônibus parou atrás do taxi no sinal. Houve um sério desentendimento. No frigir dos ovos, o motorista do ônibus deu um murro no taxista e este foi ao seu carro pegou alguma coisa e correu atrás do motorista do ônibus. Meu ônibus foi para a frente e não vi o final da confusão.

Veja, que coisa triste. Alguém busina em nossa traseira e já queremos xingar e brigar. O motoqueiro passa como um louco entre 2 carros e quase acerta nosso carro já xingamos.

Concordo que não é fácil. A provocação surge à nossa frente a todo instante. Basta não nos ligarmos nela.