RIVER AT THE HEART OF THE WORLD

by Arati Kumar-Rao

Fizemos uma reduçâo deste trabalho que está na integra neste link: https://emergencemagazine.org/essay/river-at-the-heart-of-the-world/

“Enquanto fazemos nosso caminho ao redor de Devakota, completando o kora, subindo e descendo e subindo e descendo novamente, eu sigo com meus pés os ritmos antigos deste coração ainda pulsante do mundo budista. A cada passo, há uma sensação de reverência; a cada passo, há uma sensação de perda iminente, pois me pergunto quanto tempo ainda antes que isso também desapareça na boca do progresso”.

Arati Kumar-Rao se aventura em um desfiladeiro de rio florestado na terra oculta de Pemakö, que existe bem no coração do sistema de crenças budista tibetano. Considerada por muito tempo impenetrável, a voracidade da indústria agora ameaça esta profetizada “terra prometida”.

No planalto tibetano perto da ponta noroeste do Nepal – próximo ao sagrado Monte Kailash, venerado como a morada do deus hindu Shiva – existe uma língua da geleira Angsi.

Da língua dessa geleira flui um fio d’água que leva o nome de Tamchok Khambab, um nome dado no livro sagrado tibetano Kangri Karchok que se traduz livremente como “o rio com uma boca como a orelha de um cavalo”. Este rio é diferente de qualquer outro na Terra.

Cerúleo às vezes, esmeralda em outras, envolvendo em sua dobra vários outros filetes, coletando sedimentos e cascalho ao longo de seu curso, crescendo e crescendo, este rio assume muitos nomes, e tantas personalidades, à medida que segue seu longo caminho de volta para casa desde o alto planalto do Tibete até a Baía de Bengala, que faz fronteira com a Índia peninsular.

Quando atinge o lado sul da capital tibetana, Lhasa, o fio que era o Tamchok Khambab aumenta para se tornar Yarlung Tsangpo, “O Grande Rio”. Ele empurra para o leste por quase 1.625 quilômetros, então faz uma curva fechada e desaparece em um desfiladeiro profundo que se estende pela fronteira entre a Região Autônoma do Tibete (TAR) da China e a Índia. Em seguida, reaparece no lado indiano como o rio Siang.

Guru Padmasambhava (Guru Rinpoche), a quem se atribui a introdução do budismo tântrico no Tibete no século VIII, ocultou esses locais durante sua vida e decretou que eles só poderiam ser revelados a budistas tibetanos que fugiam de conflitos políticos e buscavam refúgio. Ele decretou ainda que apenas quem fosse digno poderia “revelar” uma terra tão oculta e torná-la acessível aos necessitados.

 Guru Rinpoche havia providenciado um decreto, aquele que era “digno” chegou na forma de Dudjom Drakgnak Lingpa, um tertön (revelador de tesouros), que abriu para o povo oprimido da região de Kham a terra anteriormente escondida de Pemakö. “A extremidade superior do vale”, escreveu Lingpa em seu guia, “é íngreme e estreita, enquanto a extremidade inferior é larga. Os picos e vales das montanhas juntos formam as pétalas de um lótus aberto, e o som das águas do rio pode ser ouvido constantemente. ”

Aqui, o arco-íris brilhava continuamente através de densas florestas cheias de plantas medicinais, e as plantações cresciam em abundância. Mais importante ainda, esse beyul era indestrutível. “Nenhuma força hostil”, escreve Lingpa, “pode destruir este vale que parece uma fortaleza. É o incomparável Corpo de Prazer, Sambhogakāya, o reino externo, interno, secreto e mais secreto supremo. ”

Foi nesta região lendária, abrangendo a fronteira da Índia com o TAR da China, que os Khampas em fuga, conhecidos na Índia como Khambas, se estabeleceram e, com o tempo, cresceram no que agora está entre os maiores grupos étnicos na região de baixo Pemakö.

“Katon desliga o motor e nós sentamos no carro estacionado, observando o raptor enquanto ela apanha uma térmica e sobe. O sol do fim do inverno cintila em suas costas; por um breve momento ela brilha como dourada, então desaparece atrás de uma maciça árvore de ficus. O sol queima o nevoeiro ao levantar nuvens para revelar o Siang, aqui azul-petróleo colorido, passando por pedras e ao redor de rochas de rio em seu caminho para as planícies. Eu me emociono com uma visão que nunca me canso de ver.

“Siang é uma contração das palavras Adi”, diz Katon. Asi em Adi significa “água” e àpì-ang significa “coração”. Si-ang, na linguagem do povo Adi que habita este vale, significa “o rio que corre em nosso coração”.

Uma frase do Sand County Almanac de Aldo Leopold vem espontaneamente à minha mente. “A civilização”, escreveu Leopold, “confundiu tanto essa relação elementar homem-terra com dispositivos e intermediários que a consciência disso está diminuindo. Imaginamos que a indústria nos apóia, esquecendo o que apóia a indústria ”.

Relações objetais

Em termos psicanalíticos, as relações objetais referem-se às relações emocionais entre sujeito e objeto amado que, através de um processo de identificação comum, contribuem para o desenvolvimento do ego. Entende-se por “objeto” uma pessoa, ou a sua representação, com a qual o sujeito forma uma relação emocional intensa, que lhe possibilita a tal identificação com o outro. Este tipo de relações foram definidas em 1924 por Karl Abraham, que desenvolveu as ideias de Freud acerca da sexualidade infantil e do desenvolvimento da libido. A teoria das relações objetais tem-se tornado um dos temas centrais da psicanálise pós-freudiana, em especial com os psicanalistas Melanie Klein e Donald Winnicott. Apesar de as teorias de cada um serem complementares, fizeram diferentes abordagens de análise, que contribuíram para as teorias do desenvolvimento baseadas nas relações parentais precoces. Assim, as relações objetais seriam as ligações que a criança estabelece com as figuras parentais e a forma como estas delineiam a atividade da criança. Para Klein, ao longo do desenvolvimento, a mesma figura parental tem aspetos positivos e negativos que a criança terá de introjectar. Apesar do sentido negativo que se dá ao “mau” objeto, o bom desenvolvimento da criança necessita de ambos, mas deve sempre predominar a presença do “bom” objeto.

Tiokasin Ghosthorse

“A Amazônia é um lugar sagrado. Os seres humanos não fazem lugares sagrados, eles os reconhecem, reconhecem e os sustentam sem desenvolvê-los. Nós os honramos com línguas ensinadas a nós pela própria Terra. As nações originais do hemisfério ocidental entendem os lugares sagrados para os quais a Terra direcionou sua sensibilidade para que a energia pura estivesse no lugar. Essa física quântica multidimensional das línguas terrestres dos povos originais também faz parte dos lugares sagrados. Eles fazem parte da Cura Da Terra.”

As línguas da Terra não são mentiras ou manipulação para servir a racionalizações políticas, religiosas, econômicas ou científicas. Eles não são invocados, confiados ou oferecidos para serem colocados em caixas lineares de dados. Eles são falados a cada momento como curas, onde todos os elogios vão para a Terra. As linguagens conscientes não exigem uma lógica de crença, mas sim uma transcendência de saber que a Terra não mente e só fala a verdade com respeito consciente por todos os seres. Cabe a nós aprender a ouvir como a Terra que nos ouve ensinou aos povos indígenas.

Uma memória já é algo morto?

Como é bom neste finalzinho de ano regletir sobre a vida, claro, tomando o cuidando de deixar acontecer a reflexâo, sem buscar amor, libertação, etc. – pois o óbvio e que já é – não se procura.

E mais uma vez recorro ao Hamed Ali um pensador atual e que vive nesta época, presente como nós:

“Quando digo que o mundo é velho, ou que o que nós vemos é velho, não quero dizer velho no sentido de que cresceu com o tempo. Quero dizer velho no sentido de que parou de crescer. Ele está morto em sua forma antiga, do jeito que você o construiu anos e anos atrás. A mente perpetua fantasmas, coisas mortas; não há vida neles. Eles não são leves – são pesados, escuros, úmidos, velhos e bolorentos. Eles estão velhos. Nesse mundo escuro, velho e úmido, você sofre. O sofrimento é sentido principalmente porque ainda acreditamos que aquele mundo velho, escuro e morto seja a realidade, e vivemos como se fosse a realidade, querendo uma parte dele, não querendo outra parte, colocando parte dele contra outra parte. Você está colocando este cadáver contra outro cadáver, não gostando dessa coisa morta, gostando da outra coisa morta. Quando você deseja algo porque experimentou no passado, o que você deseja é um cadáver. Já está morto. Se você pensa que o que lhe dará felicidade e alívio é algo que você conhece, então o que você está procurando é um cadáver, uma coisa morta. Você nunca pode saber em sua mente o que você realmente deseja, o que irá lhe dar liberdade. Você só pode trabalhar para se desapegar, para se livrar do universo que conhece, da totalidade de sua mente. Você não pode sair por aí procurando a realidade procurando por Algo que você conhece, porque o que você conhece é uma memória do que você percebeu no passado. Uma memória já é algo morto. E já que você está se lembrando disso, mesmo que esteja se lembrando de alguma experiência da realidade, a memória não é a realidade. A própria realidade é a incineração dessas idéias e conceitos, então como você poderia se lembrar dela?”

Essência é apenas Ser

Essência é apenas Ser, você é. O que você é nada tem a ver com o que você quer, o que você não quer, o que você faz ou não faz. Simplesmente está lá. Você pode estar fazendo qualquer coisa, e o Ser está aí, e esse é você. Alguns de vocês experimentaram sua essência e sua sonoridade para saber o que é o amor. Se você não experimentou a essência, você não pode saber realmente o que é o amor, ou ficará confuso sobre o amor. Mesmo que tenha sentido o amor, não foi capaz de separá-lo das necessidades e emoções. Conhecer a sua essência é a condição primária e básica. É possível experimentar o amor ou a essência enquanto a personalidade está presente, mas se você nunca reconhecer a essência, você não será capaz de separar o que é real do que não é. Não diga o que muitos outros professores dizem, que enquanto a personalidade estiver presente, não haverá amor. O amor pode estar presente quando a personalidade está presente. No entanto, se você não sabe o que é essência e personalidade, não será capaz de ver o elemento puro do amor. Hamed Ali. #amorverdadeiro #puroamor #essência #tudoenada

Desenvolvimento da pérola

Este processo de clarificação – que é o esclarecimento da alma – é o desenvolvimento da Essência Pessoal, o que chamamos de Pérola.

O desenvolvimento da Pérola é um processo que continua avançando em direção a um maior clareamento até que se torne a Suprema Essência Pessoal. Cada estado essencial tornou-se personalizado, à medida que a personalidade se tornou mais clara, à medida que cada aspecto essencial se tornou você.

Você mesmo se torna a realidade pessoal essencial e, portanto, essa realidade pode ser integrada no nível da Pérola. Quando você experimenta a Compaixão, essa Compaixão se torna você. “Eu, pessoalmente, sou Compaixão. Eu sou valor, eu sou a verdade. ” Quando você o possui, não é mais você o experimentando, mas você sabe que é isso.
A personalidade se torna tão permeável que se funde completamente com o aspecto. Isso é o que chamo de personalização do estado essencial. À medida que os aspectos essenciais são personalizados – compaixão, fusão de amor, vontade, paz, valor, identidade e assim por diante – você alcançará uma personalização ainda mais ilimitada, que é a personalização do Supremo. A surpresa é que você sempre foi assim.

Nunca foi diferente. Você sempre foi a pessoa suprema, o tempo todo, em sua própria substância, incluindo a substância da personalidade. É por isso que você sempre se identificou com ele, é por isso que você não pode se desidentificar: é você.

Como você pode se desidentificar disso? Como você pode se livrar disso? Em última análise, é você. Aqui vemos que tentar desidentificar-se da personalidade e viver de uma identidade transcendente é deixar o próprio terreno da realidade que nunca foi verdadeiramente separado da personalidade.
-A.H. Almaas, Diamond Heart Book Four, pág. 13

Beyond burguer no Brasil

Beyond burguer no Brasil – este hambúrguer plant-based é único, e com méritos presente nas bolsas – sucesso absoluto. São 4 minutos de cada lado na frigideira e uma explosão de sabor. Não solta muito óleo como outros do mercado brasileiro. Compramos hoje no St. Marche Ricardo Jafet – R$ 54,90 pelo aplicativo do supermercado (desconto no caixa). São 2 em cada embalagem. Preço salgado, mas vale a pena comprar para conhecer e saborear.

hamburguerplantbased #veganfoods #veganburguer #plantbased #melhorveganburguer #GoVegan

veganosempre #soyvegano #souvegano