Wilhelm Reich e a formação das Crianças do Futuro

Este resumo, que fiz, foi sobre o excelente trabalho de Cynthia Cavalcanti Moura de Melo Faria –USP-Psicologia 

Wilhelm Reich e a formação das Crianças do Futuro – Encouraçamento numa criança recém-nascida. 

A meta do Crianças do Futuro, assim como a da maioria das propostas reichianas era a busca da melhoria da condição de vida humana. A base dessa atividade era a esperança de um futuro melhor, que se tornaria possível se o fluxo do desenvolvimento natural fosse respeitado. Nesse caso específico, Reich almejava tentar manter uma criança relativamente saudável em meio a todo o contexto patológico da época. Ele acreditava que, se isso fosse possível, então poderia se apostar em um amanhã melhor. 

Em 1949, Reich fundou o Orgonomic Infant Research Center, órgão voltado a colocar em prática as ideias do Crianças do Futuro, que serviria como um local de pesquisas a respeito da saúde infantil.  

A ideia do Centro era atender casos que ajudassem a elucidar as questões de interesse da investigação. Para tanto, planejou-se que o trabalho deveria ser focado desde a gravidez até o quinto ou sexto ano de vida da criança, idade em que sua estrutura básica se forma. Seguindo essa proposta, estabeleceram-se quatro focos de atuação: 

O primeiro foco seria desenvolver cuidados pré-natais com grávidas consideradas saudáveis, com o intuito de conhecer a influência das vivências intrauterinas para o desenvolvimento do bebê. A proposta era aconselhar os pais durante a gestação sobre como eles deviam proceder e tentar que esse momento se desenvolvesse da forma mais saudável possível.  

O segundo foco de trabalho aconteceria durante o nascimento e os primeiros dias de vida do recém-nascido. Nesse momento buscariam compreender as expressões naturais do bebê e remover qualquer obstáculo em seu caminho.  

O terceiro tratava-se da prevenção do encouraçamento durante os cinco ou seis primeiros anos da criança.  

A última ação era voltada para o registro do desenvolvimento dessas crianças até muito tempo depois da puberdade.  

A ideia não era tratar crianças doentes nem se dedicar ao aconselhamento sexual e matrimonial de casais, a não ser que tais medidas contribuíssem para a pesquisa do OIRC.  

Uma dessas colaborações importantíssimas dadas por Reich com o projeto Crianças do Futuro foi o aprofundamento no tema do contato orgonótico, o que, a nosso ver, significa um vínculo de extrema qualidade entre a criança e o seu cuidador. Para o orgonomista, o estabelecimento do contato seria a melhor coisa que poderia ser proporcionada para a criança e o destino dela dependeria disso. Se trataria do elemento mais essencial na interação entre a mãe e o bebê. Para preservar a saúde, seria imprescindível a presença desse tipo de vínculo. 

Desde que nasce, o bebê tem suas demandas. Como a fala só surge por volta do primeiro ou segundo ano de vida, é claro que antes disso não se pode compreender as necessidades infantis pelo meio verbal. Na visão reichiana, a única forma de entender a expressão da criança nesse estágio do desenvolvimento é a partir do estabelecimento do contato orgonótico. Para que isso seja possível, o adulto precisa estar disponível, sintonizado, implicado, envolvido, atento, ligado, conectado, entregue etc. 

 Mesmo depois que a fala se faz presente, ela nem sempre explicita o que realmente se quer. Para Reich, a expressão verbal tem suas limitações, muitas vezes não consegue expor as sutilezas do organismo. Em alguns momentos, até consegue ser fiel às sensações corporais, mas isso não acontece o tempo todo. Por isso, o estabelecimento de um vínculo de qualidade continuaria a ser de extrema importância, independente, da idade do sujeito. Estando em contato é possível reconhecer o que o indivíduo precisa e consequentemente lidar com essa demanda. 

Nos textos reichianos, fica claro que ele busca atender ao pedido da criança de forma criativa. É nítido que não há um modelo de como a educação deve ser. Cuidados mecânicos não servem. Sendo cada criança única, o importante seria descobrir na relação o que é bom e o que não é para cada indivíduo. Trata-se sempre de um vínculo sensível e profundo. 

Segundo Reich, o que acontece é que os educadores raramente conseguem compreender a demanda infantil. A criança, por sua vez, solicita o contato até esgotar-se e desistir. A consequência posterior é ficar paralisada, anestesiada e interiormente morta. Em sua compreensão, muitas das patologias adultas são oriundas de uma infância carente de contato orgonótico. 

O orgonomista deixa claro que não é preciso nem possível manter o vínculo de qualidade o tempo todo. Mas o mais importante era perceber quando se perde o contato para então tentar reestabelecer o vínculo perdido. 

Outra contribuição importante foi o conceito de primeiros socorros orgonômicos. Tais medidas estavam baseadas na ideia de que após uma vivência traumática, o corpo se contrai. Das primeiras vezes, cria-se um bloqueio ainda maleável. Isso significa que o mesmo pode ser dissolvido. 

Porém, não era o que vinha acontecendo de forma geral, pois os adultos não tinham conhecimento sequer da existência dessas limitações e menos ainda sabiam como excluir as mesmas. Por não serem desfeitos, esses bloqueios iniciais se transformariam em couraças crônicas irreversíveis. Em outras palavras, os pequenos bloqueios, que apareciam na estrutura humana desde os primeiros dias de vida, se cronificariam caso medidas adequadas não fossem adotadas.  

Essas mazelas, se não fossem desfeitas, acabariam sendo ciclicamente transmitidas a cada geração de modo automático. A única saída seria que os adultos aprendessem a remover os bloqueios assim que eles se fixassem.  

Para Reich, via de regra, quando o indivíduo se desenvolve numa condição saudável, ele não estabelece uma base adoecida onde as patologias futuras possam se fixar, por isso, é pouco provável que os sintomas neuróticos consigam se enraizar em sua estrutura. Em outras palavras, sem encouraçamento os sintomas biopáticos não se ancoram. Por outro lado, quando existe uma distorção na estrutura bioenergética, as patologias terão a base para fincar suas raízes e futuramente se tornarão traços de caráter biopáticos. O orgonomista compreende que as chamadas “doenças crônicas” nada mais são do que patologias apoiadas em bloqueios do funcionamento bioenergético criados durante a primeira infância. Segundo ele, as biopatias graves que surgem posteriormente têm suas raízes nos ignorados problemas ‘normais’ das crianças pequenas. 

De qualquer forma, a melhor maneira de tentar prevenir as patologias seria por meio de um desenvolvimento não estagnado da primeira infância. 

Para ele, saúde não seria sinônimo de ausência de doenças ou de nunca ficar infeliz ou de estar sempre saudável. A saúde estaria na flexibilidade, na possibilidade de sair desses estados, sem a pessoa ter que permanecer eternamente presa aos mesmos. Ele é bastante enfático ao afirmar que devemos deixar de lado os ideais de saúde absoluta.  

Meses antes de sua morte, no dia 08 de março de 1957, Reich redigiu seu testamento, o qual intitulou Last will and testament of Wilhelm Reich: Ele determinou que nada deveria ser alterado nos seus textos e que os mesmos tinham que ser guardados por cinquenta anos após sua morte, para garantir que não fossem deturpados. A justificativa dada por ele foi a seguinte: “Esses documentos são de crucial importância para o futuro das gerações dos que acabam de nascer” (Matthiesen, 2001). Além disso, deixou 80% da renda relativa a ele para o cuidado com bebês, crianças e adolescentes.

Escolas democráticas: Sudbury Valley School

Preservar a luz interior, a essência das crianças deve ser a meta principal dos Pais e seus auxiliares: Escolas e Professores.

A criança deve fazer seus estudos da forma mais flexível que for possível. Não podemos tomar todo o tempo das crianças com conceitos, etc.

E temos que nos alegrar pelas várias inciativas nesse sentido. Wilhelm Reich sempre alertou sobre a importância de proteger essa essência, que ele referia como Cristo dentro da criança. Seu livro sobre isso foi queimado no estado de Maine (EUA) ????? e faleceu na cidade de Portland, Maine – misteriosamente na prisão. E também seus trabalhos sobre curas. Mas deixou um legado, que é a necessidade de atravessarmos as nervuras criadas em nosso ser desde a gestação para um caminho espiritual. E a Escola está inserida.

“Onde você trabalha?”

“Na Escola de Sudbury Valley.”

“O que você faz?”

“Nada.”

“Não fazer nada em Sudbury Valley requer muita energia e disciplina, além de muitos anos de experiência. Eu fico melhor nisso a cada ano, e me diverte ver como eu e outras pessoas lutamos com o conflito interno que surge em nós, inevitavelmente. O conflito é entre querer fazer coisas pelas pessoas, transmitir seu conhecimento e passar adiante sua sabedoria arduamente conquistada, e a compreensão de que as crianças devem aprender por conta própria e em seu próprio ritmo. O uso que fazem de nós é ditado pelos desejos deles, não pelos nossos. Temos que estar presentes quando solicitados, não quando decidimos que devemos estar.

Sudbury School moves to Mount Washington - Baltimore Sun

Ensinar, inspirar e dar conselhos são atividades naturais que os adultos de todas as culturas e lugares parecem praticar quando estão perto das crianças. Sem essas atividades, cada geração teria que inventar tudo de novo, da roda aos dez mandamentos, da metalurgia à agricultura. O homem passa conhecimento aos jovens de geração em geração, em casa, na comunidade, no local de trabalho – e, supostamente, na escola. Infelizmente, quanto mais as escolas de hoje se esforçam para orientar os alunos individualmente, mais elas prejudicam as crianças. Essa afirmação exige explicação, pois parece contradizer o que acabo de dizer, a saber, que os adultos sempre ajudam as crianças a aprender como entrar no mundo e a se tornar úteis nele. O que aprendi, muito lenta e dolorosamente ao longo dos anos, é que as crianças tomam decisões vitais por si mesmas de maneiras que nenhum adulto poderia ter previsto ou mesmo imaginado.

Rijckenborgh School

Na educação infantil a preocupação é com a formação do Ser, considerando a superfície do Ser, a partir de conceitos estabelecidos, em número cada vez maior, desde os primórdios da civilização, que no entender de Wilhelm Reich aprisionam o Ser essencial da criança, a verdadeira natureza – que desperta daria um equilíbrio ao Ser em formação, no caminho da liberdade interior. Nesse sentido estamos sempre falando e evidenciando projetos educacionais modernos e coerentes com a era de Aquarius.

A Rijckenborghschool é uma pequena escola primária onde ‘Aprender com o Coração, a Cabeça e as Mãos’ é o ponto de partida. Além das disciplinas cognitivas, como linguagem e aritmética, projetos e a criatividade desempenham um papel importante na educação.

As crianças ainda estão naturalmente em contato com seu núcleo espiritual.  A criança precisa de um ambiente propicio para manter essa abertura natural, um ambiente no qual reconhecer e sentir os impulsos de sua alma. A escola quer oferecer um clima seguro e harmonioso, no qual a criança possa manter sua abertura interior natural e se desenvolver a partir da conexão com seu núcleo espiritual. Esse núcleo divino é chamado de “átomo primordial” ou “Rosa do coração”. Este núcleo divino ou luz quer se desenvolver, mas é limitado pela personalidade que persegue seus próprios desejos e conceitos.

Jan van Rijckenborgh fundou a Escola em 1962. Ele queria uma escola onde todas as crianças fossem bem-vindas, porque cada criança, independentemente da origem, cultura ou fé, tem a mesma curiosidade inata, uma abertura ao divino.

No momento, 10% das famílias são integrantes da Rosacruz e as crianças são, em sua maioria, do bairro ou da própria cidade.

As crianças começam cada dia com a leitura de uma história, que de uma forma ou de outra, se refere às três questões da vida. Contos de fadas e numerosos livros infantis cumprem esse objetivo. Após a história, uma música é cantada do cancioneiro escrito para os jovens da Rosacruz.

No desenvolvimento da expressão criativa e percepção espacial, a escola considera ações físicas concretas e a manipulação de materiais. A disciplina de teatro é ministrada a todos os grupos por professor da disciplina de teatro, onde nas histórias as crianças desenvolvem e brincam com ela.

As crianças aprendem a trabalhar e cooperar de forma independente. Eles aprendem a pedir ajuda e ajudar. 
A participação dos pais é primordial: orientações, cozinha, costura, excursões ou acampamentos escolares, ajuda nas festas, limpeza das salas de aula, manutenção do jardim, relações públicas, etc.

#nova escola #comenius #didactamagna #escolademocratica  #escolademocrática #ascrianças #liberdade #essenciainterior #naturalinnerpath #novaeducação #educaçãoséculoXXI #núceloespiritual #escolacomotemqueser #liberdade #forçainterior

Summerhill School – 1921 – 2021

MiamiLogoly parabeniza a Summerhill School pelo seu centenário. A primeira Escola Democrática.

“Summerhill School oferece um ambiente onde as crianças podem crescer felizes, livres de muitas ansiedades e neuroses do mundo exterior. Eles podem fazer parte de uma comunidade atenciosa e ativa e assumir responsabilidades reais à medida que aprendem mais e mais sobre o funcionamento de sua escola. Existem aulas de boa qualidade para as crianças irem se quiserem, mas a verdadeira força da escola é que essas aulas não são a preocupação central.

O currículo da Summerhill School abrange tudo o que acontece aqui: nem sempre há uma linha clara entre o aprendizado dentro e fora da sala de aula. Summerhill acredita fortemente que muito do aprendizado importante ocorre fora da sala de aula e é de natureza mais casual do que o permitido pela maioria das escolas. Portanto, consideraríamos o tempo que um grupo de adolescentes passa sentados juntos e discutindo tópicos de sua escolha como uma valiosa experiência de aprendizado. Apenas fazer parte da comunidade democrática Summerhill, viver com outras pessoas neste ambiente exclusivamente livre e ajudar uns aos outros é uma experiência de aprendizado inestimável.

A liberdade de assistir às aulas formais ou não na escola é uma característica central da filosofia da escola. As crianças têm a oportunidade de brincar sem limites, o que acreditamos ser bom para a sua saúde física e mental. As crianças podem preencher seu tempo com ações escolhidas livremente. Isso permite que eles se desenvolvam em seu próprio ritmo, apreciem o que fazem e alcancem os resultados que desejam alcançar. A responsabilidade individual na aprendizagem significa que as crianças podem continuar a trabalhar e a usar os espaços, estando ou não um adulto presente. Aulas com aprendizagem estruturada estão disponíveis para todas as crianças e organizadas em formato de horário com conteúdo flexível e atenção às necessidades e níveis de aprendizagem individuais. Também há aulas organizadas para que as crianças possam entrar e acessar materiais e recursos para realizar atividades e projetos individuais. Não há limites para as conquistas na aprendizagem independente: as crianças podem fazer o que quiserem, tanto quanto quiserem.

Ensinar em Summerhill é um desafio criativo. Queremos que os funcionários sejam pessoas em primeiro lugar e membros ativos da comunidade democrática. No entanto Summerhill é uma escola, com salas de aula e professores. As crianças não precisam vir para as aulas, mas como professor, sua responsabilidade é oferecer um excelente programa para aquelas crianças que desejam frequentar, permanecer neutras em relação às que não querem e ser encorajador com os alunos que desejam começar a aprender.

O humor pode ser um elemento importante na sala de aula, e uma abordagem descontraída e amigável é a melhor. Isso não significa, porém, que as aulas não possam ser precisas e bem organizadas!

Não há nada de errado em os alunos do exame saberem que algum trabalho de aula fora da classe pode ser útil para eles, mas suas aulas não devem depender da conclusão do dever de casa.

#SummerhillSchool #escolademocratica  #escolademocrática #ascrianças #liberdade #essenciainterior #naturalinnerpath #Summerhill #asniell #asneillsummerhill #asneillsummerhillschool #summerhillschool #100yearsofsummerhill #schoolincovidtimes #education

Desenvolvimento natural do Ser Real, da Essência Pessoal

Muito se fala sobre o autoconhecimento e sua importância no caminho para o Mundo Real, que já faz parte de nosso ser. Autoconhecimento seria alcançar a plena consciência de que o Ser real está em nós, e dar voz a ele? Autoconhecimento também poderíamos utilizar para que nos conheçamos a partir do Ser muito especial que habita em nós, no fundo, o verdadeiro ser? Podemos também abranger mais e dizer que o autoconhecimento vai por toda nossa vida nesta parte tridimensional – sempre abrindo caminho, se abrirmos realmente nossos olhos, para que a quarta dimensão tenha prevalência em nosso ser.

Considero muito os ensinamentos de Wilhelm Reich quando fala das tensões musculares que se formam em nosso corpo ao longo do tempo de nossa vida. Veja, que Reich indica que as tensões musculares começam a se formar desde a gestação e principalmente nos primeiros anos de vida (principalmente na região superior de nosso corpo).

E tem sentido, a preocupação de muitos pensadores a respeito do período até os 3 anos de idade. Período em que o Ser humano real começa a ser esquecido e os conceitos começam a dominar na formação do Ser. Assim, o normal que seria a formação do Ser completo não ocorre.

Assim, se você, a partir das experiências da vida pretender encetar o caminho espiritual e reintegrar o Ser real – é necessário, descobrir em que ponto na fase até 3 anos perdeu o contato com o Ser Real. Veja, você tem que compreender o que ocorreu nesse período e não se preocupar se voltará a passar por essa lembrança, não tem como apagar ou forçar alguma coisa – se for desfeita essa causa de tensão, na base da plena aceitação da situação passada e ter em foco que a barreira mais difícil de transpor foi vencida. Dizem que, em nossa vida passamos por mudanças o tempo todo, mas a mais significativa está na faixa até os 3 anos.

Todas as mudanças por que passamos em nossa vida são muito superficiais – pequenas pedras ou tensões musculares, o importante realmente é chegar ao ponto onde, e os motivos que envolveram o distanciamento do Ser Real. Na realidade somente esse Ser Real existe, o resto de, digamos, nossa personalidade é tudo conceito, não passam de conceitos mentais.

Muitos pais procuram proteger a criança, especialmente no período até os 3 anos, pela influência do Ser Real em si mesmos.

Wilhelm Reich afirmava que o sistema trabalha para assassinar o Cristo que está na criança, apagar aquela Luz. Tanto incomodou seu livro, falava a respeito, que foi queimado (na democracia americana) junto com trabalhos científicos sobre a cura do câncer. Ele falava claramente, que tudo é feito para calar o Ser Real desde o nascimento, tanto pelos métodos científicos, como pelos próximos e que não davam a voz ao Ser Real em si mesmo.

Alexander Lowen, da bioenergética, também orientou a respeito, chegando ao ponto de falar sobre a importância da amamentação até os 3 anos de idade, por ser fundamental para o sistema respiratório ser completo e perfeito. Ele foi seguidor de Reich durante um período e sabia, como Reich, que respiramos muito mal, trocamos 1/3 do ar necessário a cada respiração. Veja, a importância disso para a renovação e alimentação do Ser Real. Essa respiração auxilia para aliviar os pontos onde temos tensões (desde essa idade), ou pode-se dizer nervuras.

Gudrun Burkhard, especialista na biografia humana, diz: “dentro do primeiro setênio, de zero a três anos, uma característica chama a atenção, que é domínio das forças formativas da cabeça”. Nesse sentido, Reich falava das tensões nessa região devido ao Ser Real ser substituído por conceitos mentais e intervenções brutais na formação da criança. Atualmente, vemos os cuidados de muitas mães no nascimento dos filhos até quanto ao primeiro banho,  somente depois de 24 horas do nascimento.

Essa é a maior pedra a ser removida no caminho espiritual, ou melhor, abrir caminho para o espiritual, voltando ao ponto onde foi perdido o contato. Interessante observar que o Ser Real ou Essência Pessoal está ocasionalmente presente nas crianças. E isso é muito importante.

Preste atenção, muitos tiveram a possibilidade de estar sem tensões, o que permite a presença do Ser Real, da Essência Pessoal. Aqui, cabe destacar as correntes de ensino (além é claro, dos Pais) que se preocupam com a formação da criança até sua juventude, sempre pensando na preservação da essência Pessoal, e lembramos aqui de vários como Comeníus, Krishnamurti, Steiner, Escolas JVR na Holanda, Escolas democráticas e outras vertentes mais modernas.

(…) nessa faixa etária, não são as capacidades de raciocínio, de agregar elementos ou de construir a partir de átomos que precisam ser incentivadas, mas a ativa imaginação infantil que vive no interior da criança, força que desprende do trabalho ágil e cheio de vida interior, ou seja, da configuração plástica do cérebro. Portanto dever-se-ia tentar evitar, tanto quanto possível, moldar a imaginação infantil em contornos rígidos e acabados. (Steiner)

A H Almaas, do Diamond Approach, também fala a respeito:

A quarta observação é que alguns alunos, após uma experiência inicial da Essência Pessoal, começam a relembrar experiências semelhantes na primeira infância, já no início do segundo ano. Às vezes, o processo de trabalhar as questões em torno da integração da Essência Pessoal envolve essas memórias pessoais. A quinta e última observação diz respeito à observação direta de crianças de várias idades, em situações normais de vida. O autor e alguns de seus associados observaram que a Essência Pessoal está ocasionalmente presente nas crianças. A experiência geralmente parece começar com um ano de idade, mas mais frequentemente no segundo ano. Sua frequência parece depender da idade e do caráter da criança.  Quando a Essência Pessoal parece estar presente, a criança se comporta de maneira confiante, forte, expansiva e mais adulta.  É incrível ver como uma criança que se comporta de maneira dependente e apegada, e que não mostra sinais de capacidade para uma maior individuação, pode repentinamente, quando a Essência Pessoal está presente nela, começar a agir de forma mais independente e adulta.  Nessas ocasiões, as funções da autonomia são maiores e mais integradas.  A coordenação física é melhor, a linguagem de repente fica mais fácil e as interações com os outros parecem fazer mais sentido.  Também há uma expressão clara de alegria na individuação da criança.  Todas essas observações indicam uma relação direta entre individuação e a presença da Essência Pessoal.  Mais importante para nossa investigação, parece haver uma relação entre a experiência da Essência Pessoal e o desenvolvimento do ego, embora essa relação não pareça ser direta e certamente não seja uma identidade de equivalência…

A teoria do condicionamento da aprendizagem e as descobertas das várias psicologias profundas revelam que, na primeira infância, as defesas são necessárias, em parte devido às inadequações ambientais e em parte devido à incapacidade do organismo humano ainda imaturo.  A necessidade de defesa e a internalização de muitas falsidades têm outra causa que raramente é observada na psicologia: é a onipresente ignorância do Ser na maioria das sociedades humanas.  Essa ignorância é absorvida pelo bebê em desenvolvimento e se torna parte da estrutura do ego. A identidade da personalidade se desenvolve na ausência da consciência do ser.  A presença do amor auxilia no processo do metabolismo, mas não tem muita força quando falta compreensão.  É necessário um grande conhecimento de natureza especializada para que as crianças sejam criadas de forma a conduzi-las ao desenvolvimento humano completo.  O conhecimento psicológico e espiritual agora disponível para a maioria das sociedades humanas é insuficiente para esta tarefa, porque o Ser é quase completamente ignorado na perspectiva social normal.  Parece que algumas tradições espirituais ainda possuem fragmentos desse conhecimento especializado, principalmente aquelas tradições que têm uma longa história de transmissão de experiências essenciais através das gerações.  Temos em mente algumas escolas budistas tibetanas e algumas escolas sufis da Ásia central.  Mesmo quando as circunstâncias favoráveis ​​permitem que a pessoa permaneça conectada ao Ser enquanto cresce, ela ainda desenvolverá uma autoimagem, mas a identificação com a autoimagem seria mais flexível e transparente…

Por outro lado, a curiosidade envolve amor pela verdade e alegria na verdade. A verdadeira curiosidade é uma qualidade rara.  É uma qualidade do Ser, e geralmente mata a curiosidade para evitar a exposição da falsidade do ego.  Podemos até ver a verdadeira curiosidade nas brincadeiras das crianças. Frequentemente, quando uma criança é um novo objeto, ela fica tão curiosa e tão envolvida em investigações que fica completamente absorta na atividade, separando ou juntando o objeto novamente, ou qualquer que seja.  Ele não está buscando resultado, ou tentando ganhar algo. Na verdade, depois de um tempo, quando sua curiosidade for satisfeita, ele provavelmente jogará o objeto fora, como se ele não tivesse mais interesse para ele.  Mas durante a investigação, que tem o caráter de brincadeira, ele fica totalmente absorvido, completamente arrebatado, desfrutando e amando a investigação…

Na infância, isso se manifesta geralmente no início da fase de aproximação, no comportamento da criança.  quando ele percebe que sua onipotência não é real.  Ele tenta coagir sua mãe de volta à unidade dual, por todos os tipos de tentativas de controle.  Ele tenta controlar sua distância dela.  Ele quer ter o controle da situação em suas próprias mãos, e é muito importante para ele fazer o que quer.  As tentativas de controle e o desejo de seguir seu próprio caminho podem ser vistos como um reflexo da necessidade da criança de afirmar sua própria vontade.  O conflito de reaproximação é entre seguir seu próprio caminho ou submeter-se aos desejos da mãe. Isso depende obviamente de perceber os desejos da mãe como não idênticos aos seus.  Seu desejo de afirmar sua própria vontade pode se manifestar como um comportamento negativista e uma necessidade de controle, porque tais comportamentos implicam separação e autonomia para ele.  No entanto, quando seus desejos são diferentes daqueles de sua mãe, ele sente que deve se submeter aos desejos dela se deseja o amor dela e deseja estar perto dela.  Mas isso significa abandonar sua própria vontade e, portanto, sua autonomia.  Portanto, ele vê a situação como um conflito entre ter sua vontade ou ter a fusão com a mãe. Na verdade, é um reflexo de dois desejos, ambos importantes, mas muitas vezes vividos pela criança como antitéticos: o desejo de fusão e o desejo de autonomia. A autonomia é vista aqui como a capacidade de fazer cumprir a sua vontade, fazendo o que quer.  No nível essencial, isso se manifesta como um conflito entre os aspectos da Fusão e da Vontade da Essência.  A Essência da Vontade é muito importante para a separação e individuação, tão importante quanto a Essência da Força.  A força dá ao indivíduo a energia e a capacidade de iniciativa, a vontade, por outro lado, é uma espécie de força, mas é a força da persistência, de poder ficar com uma tarefa até o fim.  É a capacidade de resistência, persistência e realização.  Parece uma sensação de solidez, de apoio interno, de determinação e confiança.  Se a Essência Pessoal parece “Eu sou” e a Essência da Força parece “Eu posso”, então a Essência da Vontade parece “Eu vou”.  É a confiança nas próprias habilidades.  Sua perda leva principalmente a um estado de castração e inadequação do ego. O indivíduo, então, não sente nenhuma confiança em si mesmo ou em suas capacidades.  Ele não sente nenhum apoio interno ou fortaleza, nenhuma espinha dorsal, nada para se apoiar.  Este aspecto é necessário para a individuação porque é a confiança de que se pode estar por si mesmo.  É realmente a vontade de ser, o suporte para ser você mesmo. 

Escola Lumiar – Mosaico digital

 

O Mosaico Digital é a plataforma digital da Lumiar, uma peça importante da nossa metodologia, pois é ela que permite a gestão da aprendizagem dentro dos moldes Lumiar, além de oferecer um método revolucionário de mapeamento e avaliação de competências e conhecimentos.

O Mosaico garante um acompanhamento sistematizado de qualidade para a trajetória individual e única de cada estudante, possibilitando uma verdadeira personalização da aprendizagem.

PESTA – Una escuela que realmente nunca fue escuela

Amigos, podemos fazer diferente, fazer a diferença. Falamos sobre como educar as crianças Índigo, Cristal e desde 2012 as Rainbow. A criança Rainbow ou Diamante também em nós. Como deveríamos educar uma criança Cristal ou Diamante? Não deixe de assistir os 3 videos abaixo indicados (1h30 apenas). PESTA – Una escuela que realmente nunca fue escuela. Criar um novo entorno a partir de uma nova Escola (as comunidades de aprendizagem e projeto Âncora no Brasil já fazem isso).Cláudio Naranjo considerou como a grande iniciativa da educação, no seu ponto de vista – a Pesta. Disse Wilhelm Reich: “não podemos escolher uma forma de existência que seja anti-vida, contra as crianças, contra a verdade, contra o prazer de viver feliz, contra a realização do florescimento pleno da iniciativa inata em cada simples portador da centelha da vida” No vídeo 2 tem a viagem dos jovens de Quito até o coração da Amazônia de bicicleta, que experiência que esses jovens passaram. E sempre aquela pergunta: somos felizes, realmente?

 

Como acabar com a violência e drogas – ações positivas: Bandas marciais e Fanfarras para os jovens

Não sei se você gosta, mas eu adoro ver fanfarras de qualidade tocando e de preferência ao vivo. Se o maestro tem bom gosto vale a pena assistir aos desfiles de fanfarra.

Veja a importância das bandas e fanfarras num dos vídeos deste post feito pela TV Unesp, quais são os instrumentos, etc.

Os governantes não sabem o que criar para que os jovens tenham algo diferente para fazer. Governantes, gastem um dinheirinho em instrumentos musicais e voltem a criar bandas e fanfarras na Escolas municipais, estaduais, federais e por que não nas universidades.

Já pensou: Fanfarra da Unicamp (com 1000 estudantes), Banda do Colégio localizado próximo da favela X (com 10o0 jovens envolvidos). Eles aprenderiam a cuidar dos instrumentos, aprender as notas musicais, etc.

Vamos ver umas fanfarras:

 

 

 

E no Brasil – a importância das bandas e fanfarras principalmente para os jovens e afinal o que é uma banda ou fanfarra? Assista este vídeo da TV Unesp:

E não deixe de assistir o filme Drumline:

Projeto Âncora, um passo adiante, e de passo em passo…

A Cidade Âncora propõe o retorno à cidade autêntica, à reconciliação das pessoas com o espaço. Cidade na qual seja possível viver a fraternidade e a justiça.”

O Âncora é um projeto transformador que surge para tentar resolver um problema da sociedade, mas que não quer apenas resolver problemas pontuais e nem quer que a comunidade dependa dele para resolver seus problemas.

Surge com o nome de Cidade Âncora, conceito que ajuda a esclarecer um sentido mais profundo da filosofia e da identidade do Projeto Âncora. Como cidade o Âncora ganha a feição de uma experiência de vida comunitária, promovendo uma convivência ética entre seus membros, possibilitando uma experiência educativa de desenvolvimento da cidadania e infunde na “entidade” e no “projeto” um sentido comunitário mais profundo.

Reportagem de Alexandre Henderson que fez uma aula numa escola que não tem série, não tem sala de aula, não tem prova e todos os espaços dão uma oportunidade de aprendizado para os alunos. As aulas reúnem crianças de todas as idades que experimentam e compartilham o conhecimento. Vamos ver como eles aprendem Matemática?
http://g1.globo.com/como-sera/noticia/2017/07/hoje-e-dia-de-matematica-aprender-brincando.html