plant-based Stanford Inn & Resort

Saindo de San Francisco em direção ao estado de Oregon, passando Santa Rosa, em uma colina costeira, fica o plant-based Stanford Inn & Resort, que tem vista para a Baía de Mendocino e para a fazenda histórica do resort. Um paraíso, o The Stanford Inn & Resort oferece oportunidades excelentes para se reconectar, com a natureza, sua criatividade e alegria.

E lemos no Washington Post, fevereiro de 2020: “Os hotéis podem variar de alheios às necessidades dos veganos até os exclusivamente veganos. Este último descreve o Stanford Inn & Resort em Mendocino, Califórnia, que se autodenomina o único resort baseado em plantas nos Estados Unidos. A mobília não tem materiais de origem animal, portanto não há sofás de couro. O restaurante no local, o Ravens, serve pratos à base de plantas orgânicas, como strudel de vegetais de palma e raiz do mar e cogumelos selvagens e polenta cremosa. “Usamos o máximo possível da produção de nossa própria fazenda que, além de orgânica, não usa agrotóxicos, independentemente de seu pedigree orgânico”, afirma Jeff Stanford, proprietário da pousada.” – Christopher Elliott

Os quartos e suítes deste hotel boutique em Mendocino são revestidos de pinheiros e sequoias. Cada detalhe é cuidado, desde lareiras a lenha definidas e prontas para acender, até o suntuoso café da manhã orgânico preparado pelo chef incluído na sua estadia.

Inspirado por seus jardins orgânicos certificados no local, o Restaurante Ravens do resort foi destaque na Oprah Magazine e é aclamado nacionalmente por sua culinária gourmet baseada em vegetais. O Ravens Restaurant é a experiência gastronômica essencial na Costa Mendocino. A culinária servida no restaurante, o programa de compostagem e reciclagem, os materiais de limpeza e os caminhões movidos a biodiesel fazem do Stanford Inn & Resort North America de Mendocino o único destino verdadeiramente sustentável da América do Norte.

Diferente de qualquer lugar do mundo, as experiências de ‘pedalar e remar’ do resort são incríveis – os hóspedes são frequentemente vistos remando relaxadamente rio acima em uma canoa superestável de sequoia!

Apoiamos experiências educacionais com nossa Escola de Campo de Liderança Ambiental.

“Este é o tipo de lugar que todos nós construiríamos se fôssemos tão decididos, tão enérgicos, tão criativos quanto a família Stanford. A pousada é maravilhosa !! ” – National Geographic Traveller

@stanford_Inn

#hotelvegano #hotelorgânico #ofuturochegou #novoplaneta #tudoestámudandorápido #tudoestámudando #acelerando #plantbased #hotelplantbased #tudomudou #nãopercebeu#iniciativascomerciais #nãoseioquefazer #tempodemudança #veganos #vegan #govegan #veganosdobrasil #sustentabilidade #hoteisinteressantes #hotelsustentavel #ecoresorts #plantbasedrestaurant #vegancuisine #vegandiet #plantbasedfood #plantbaseddiet #RavensRestaurant #Mendocino #vegancarrotcake #carrotcake #wellbeing #healthylifestyle

Relação homem – natureza

O rejuvenescimento e a imortalidade podem ser obtidos, segundo os mitos indianos, sul-africanos, australianos, com a ajuda de folhas, frutos, cascas e raízes. Os tagalos das Filipinas, os ialangues do Japão, os ainus da Coréia, e vários grupos primitivos da costa oriental da África, acreditam num indispensável relacionamento místico entre o homem e os vegetais. As plantas, para eles, são os antepassados da tribo, e delas procede a vitalidade humana. As árvores são fontes de vida e devem ser preservadas em todas as suas partes, exceto os frutos que podem e devem ser reverencialmente comidos. Por toda parte existiam os “cultos da vegetação”, através dos quais se mostrava que a natureza formava um todo indissolúvel com o ser humano, resultando dai o poder curativo e renovador dos vegetais, os quais representam “a realidade que se fez vida, que cria inesgotavelmente, que se manifesta em formas sem número” (Tratado de História das Religiões, de Mircea Eliade -Ed. Payot). A indiferença moderna em relação ao meio ambiente – superficialmente modificada na última década com alguns trabalhos sobre poluição – resulta da perda daquela consciência manifestada nos antigos mitos, comum às velhas culturas, Nenhum problema ecológico poderá ser modificado satisfatoriamente, se não tomarmos contato com o fato de que uma unidade (natureza – homem) foi fracionada arbitrariamente, e uma das partes esta tentando existir sem a outra, ou separada dela, o que é absolutamente impossível, porque ambas possuem o mesmo núcleo. Nosso afastamento em relação ao meio natural é produto de uma conclusão artificiosa: a de que “o mundo foi feito para nos servir. Agimos assim em relação aos animais, também. Aprendemos na escola quais são os animais úteis e quais são os nocivos, isto é, quais são os que podemos explorar de alguma forma (mesmo sutilmente, sob a capa de bondade com que gostamos de nos cobrir) e aqueles que nada têm que nos interesse. Face à flora ao mar, às reservas de água doce, à atmosfera, nossa atitude igualmente antropocêntrica. Somos o centro do universo e ele deve servir-nos. A exploração do meio ambiente alcançou um limite insuportável. Diante do perigo, o homem abre os olhos, parece que vai despertar, mas permanece à espera do milagre. Aquele milagre que multiplicará etermamemte as fomtes de energia, especie de maná que vai cair um dia sobre a terra, presenteando sem exigir retribuição. As plantas, os animais, o mundo mineral significam alguma coisa no seu conjunto, e se a razão humana não atina, em sua compartimentação sistemática, com esse significado, isso não autoriza o homem a servir-se irresponsavelmente das riquezas que o cercam. De fato, ele teria muito a ganhar, se observasse e ouvisse, e se tivesse humildade para fazer dos tagalos, ialangues e ainus, seus mestres, e do mundo em que vive, seu santuário”.   1980, Luiz Carlos Lisboa

Vegotel – viagem vegana ou oportunidade de negócio

Você já pensou em abrir um Vegotel no Brasil, ou em outros países? Veja, como esta recente iniciativa vegana está dando frutos tão rápido como o aumento de veganos no Planeta. Chegou a hora pessoal, de investir nesta área.

Vegotel® – A rede de Hotéis Vegotel é considerada pelo The Guardian entre os melhores hotéis veganos da Europa. Especializados nos hotéis e pousadas mais ecologicamente corretos, servindo pratos do dia-a-dia à base de produtos locais e / ou os melhores sucessores de carne e laticínios possíveis. Por exemplo, A Vegotel quer mostrar que é possível comer todos os dias comidas deliciosas sem os efeitos negativos sobre o meio ambiente e o bem-estar animal (carne animal e laticínios).

Inaugurado recentemente e já expandindo para 25 localidades na Holanda, Itália, Escócia, Espanha, Suíça e França. Cada local tem seu próprio caráter e possibilidades, seja qual for sua escolha, eles oferecem bela natureza, paz e espaço. Em suma, se você reservar através do Vegotel, garantimos férias veganas e sustentáveis ​​totalmente desimpedidas. Até ousamos dizer que uma estadia mais sustentável do que no Vegotel é quase impossível.

O Vegotel® é especializado em acomodações ecologicamente corretas, servindo um café da manhã 100% vegano baseado em comida local ou os melhores substitutos disponíveis.

Você sabia que com uma estadia de uma noite em um Vegotel você já pode economizar mais de 20 kg de CO2 e até 154 kg por uma semana? Em suma, uma estadia mais sustentável do que no Vegotel é quase impossível.

No Vegotel Salzburg, por ex., o restaurante 100% vegan orgânico fica localizado no piso térreo do hotel. Todos os produtos orgânicos de alta qualidade são obtidos por meio de uma rede de agricultores orgânicos locais e de pequenas empresas e de uma horta urbana interna onde cultivam as próprias ervas e vegetais sazonais. Pão clássico de fazendeiro, pão de sementes e o próprio pão de trigo sarraceno sem glúten.

Buffet de café da manhã vegano, brunches de fim de semana e feriados.

Buffet de jantar vegano de quarta a sábado (18h às 10h).

@vegotel

#hotelvegano #hotelorgânico #oportunidadesdenegócios #ofuturochegou #novoplaneta #tudoestámudandorápido #tudoestámudando #acelerando #plant-based #hotelplantbased #tudomudou #nãopercebeu? #iniciativascomerciais #nãoseioquefazer #tempodemudança #veganos #vegan #govegan #veganosdobrasil

Desenvolvimento natural do Ser Real, da Essência Pessoal

Muito se fala sobre o autoconhecimento e sua importância no caminho para o Mundo Real, que já faz parte de nosso ser. Autoconhecimento seria alcançar a plena consciência de que o Ser real está em nós, e dar voz a ele? Autoconhecimento também poderíamos utilizar para que nos conheçamos a partir do Ser muito especial que habita em nós, no fundo, o verdadeiro ser? Podemos também abranger mais e dizer que o autoconhecimento vai por toda nossa vida nesta parte tridimensional – sempre abrindo caminho, se abrirmos realmente nossos olhos, para que a quarta dimensão tenha prevalência em nosso ser.

Considero muito os ensinamentos de Wilhelm Reich quando fala das tensões musculares que se formam em nosso corpo ao longo do tempo de nossa vida. Veja, que Reich indica que as tensões musculares começam a se formar desde a gestação e principalmente nos primeiros anos de vida (principalmente na região superior de nosso corpo).

E tem sentido, a preocupação de muitos pensadores a respeito do período até os 3 anos de idade. Período em que o Ser humano real começa a ser esquecido e os conceitos começam a dominar na formação do Ser. Assim, o normal que seria a formação do Ser completo não ocorre.

Assim, se você, a partir das experiências da vida pretender encetar o caminho espiritual e reintegrar o Ser real – é necessário, descobrir em que ponto na fase até 3 anos perdeu o contato com o Ser Real. Veja, você tem que compreender o que ocorreu nesse período e não se preocupar se voltará a passar por essa lembrança, não tem como apagar ou forçar alguma coisa – se for desfeita essa causa de tensão, na base da plena aceitação da situação passada e ter em foco que a barreira mais difícil de transpor foi vencida. Dizem que, em nossa vida passamos por mudanças o tempo todo, mas a mais significativa está na faixa até os 3 anos.

Todas as mudanças por que passamos em nossa vida são muito superficiais – pequenas pedras ou tensões musculares, o importante realmente é chegar ao ponto onde, e os motivos que envolveram o distanciamento do Ser Real. Na realidade somente esse Ser Real existe, o resto de, digamos, nossa personalidade é tudo conceito, não passam de conceitos mentais.

Muitos pais procuram proteger a criança, especialmente no período até os 3 anos, pela influência do Ser Real em si mesmos.

Wilhelm Reich afirmava que o sistema trabalha para assassinar o Cristo que está na criança, apagar aquela Luz. Tanto incomodou seu livro, falava a respeito, que foi queimado (na democracia americana) junto com trabalhos científicos sobre a cura do câncer. Ele falava claramente, que tudo é feito para calar o Ser Real desde o nascimento, tanto pelos métodos científicos, como pelos próximos e que não davam a voz ao Ser Real em si mesmo.

Alexander Lowen, da bioenergética, também orientou a respeito, chegando ao ponto de falar sobre a importância da amamentação até os 3 anos de idade, por ser fundamental para o sistema respiratório ser completo e perfeito. Ele foi seguidor de Reich durante um período e sabia, como Reich, que respiramos muito mal, trocamos 1/3 do ar necessário a cada respiração. Veja, a importância disso para a renovação e alimentação do Ser Real. Essa respiração auxilia para aliviar os pontos onde temos tensões (desde essa idade), ou pode-se dizer nervuras.

Gudrun Burkhard, especialista na biografia humana, diz: “dentro do primeiro setênio, de zero a três anos, uma característica chama a atenção, que é domínio das forças formativas da cabeça”. Nesse sentido, Reich falava das tensões nessa região devido ao Ser Real ser substituído por conceitos mentais e intervenções brutais na formação da criança. Atualmente, vemos os cuidados de muitas mães no nascimento dos filhos até quanto ao primeiro banho,  somente depois de 24 horas do nascimento.

Essa é a maior pedra a ser removida no caminho espiritual, ou melhor, abrir caminho para o espiritual, voltando ao ponto onde foi perdido o contato. Interessante observar que o Ser Real ou Essência Pessoal está ocasionalmente presente nas crianças. E isso é muito importante.

Preste atenção, muitos tiveram a possibilidade de estar sem tensões, o que permite a presença do Ser Real, da Essência Pessoal. Aqui, cabe destacar as correntes de ensino (além é claro, dos Pais) que se preocupam com a formação da criança até sua juventude, sempre pensando na preservação da essência Pessoal, e lembramos aqui de vários como Comeníus, Krishnamurti, Steiner, Escolas JVR na Holanda, Escolas democráticas e outras vertentes mais modernas.

(…) nessa faixa etária, não são as capacidades de raciocínio, de agregar elementos ou de construir a partir de átomos que precisam ser incentivadas, mas a ativa imaginação infantil que vive no interior da criança, força que desprende do trabalho ágil e cheio de vida interior, ou seja, da configuração plástica do cérebro. Portanto dever-se-ia tentar evitar, tanto quanto possível, moldar a imaginação infantil em contornos rígidos e acabados. (Steiner)

A H Almaas, do Diamond Approach, também fala a respeito:

A quarta observação é que alguns alunos, após uma experiência inicial da Essência Pessoal, começam a relembrar experiências semelhantes na primeira infância, já no início do segundo ano. Às vezes, o processo de trabalhar as questões em torno da integração da Essência Pessoal envolve essas memórias pessoais. A quinta e última observação diz respeito à observação direta de crianças de várias idades, em situações normais de vida. O autor e alguns de seus associados observaram que a Essência Pessoal está ocasionalmente presente nas crianças. A experiência geralmente parece começar com um ano de idade, mas mais frequentemente no segundo ano. Sua frequência parece depender da idade e do caráter da criança.  Quando a Essência Pessoal parece estar presente, a criança se comporta de maneira confiante, forte, expansiva e mais adulta.  É incrível ver como uma criança que se comporta de maneira dependente e apegada, e que não mostra sinais de capacidade para uma maior individuação, pode repentinamente, quando a Essência Pessoal está presente nela, começar a agir de forma mais independente e adulta.  Nessas ocasiões, as funções da autonomia são maiores e mais integradas.  A coordenação física é melhor, a linguagem de repente fica mais fácil e as interações com os outros parecem fazer mais sentido.  Também há uma expressão clara de alegria na individuação da criança.  Todas essas observações indicam uma relação direta entre individuação e a presença da Essência Pessoal.  Mais importante para nossa investigação, parece haver uma relação entre a experiência da Essência Pessoal e o desenvolvimento do ego, embora essa relação não pareça ser direta e certamente não seja uma identidade de equivalência…

A teoria do condicionamento da aprendizagem e as descobertas das várias psicologias profundas revelam que, na primeira infância, as defesas são necessárias, em parte devido às inadequações ambientais e em parte devido à incapacidade do organismo humano ainda imaturo.  A necessidade de defesa e a internalização de muitas falsidades têm outra causa que raramente é observada na psicologia: é a onipresente ignorância do Ser na maioria das sociedades humanas.  Essa ignorância é absorvida pelo bebê em desenvolvimento e se torna parte da estrutura do ego. A identidade da personalidade se desenvolve na ausência da consciência do ser.  A presença do amor auxilia no processo do metabolismo, mas não tem muita força quando falta compreensão.  É necessário um grande conhecimento de natureza especializada para que as crianças sejam criadas de forma a conduzi-las ao desenvolvimento humano completo.  O conhecimento psicológico e espiritual agora disponível para a maioria das sociedades humanas é insuficiente para esta tarefa, porque o Ser é quase completamente ignorado na perspectiva social normal.  Parece que algumas tradições espirituais ainda possuem fragmentos desse conhecimento especializado, principalmente aquelas tradições que têm uma longa história de transmissão de experiências essenciais através das gerações.  Temos em mente algumas escolas budistas tibetanas e algumas escolas sufis da Ásia central.  Mesmo quando as circunstâncias favoráveis ​​permitem que a pessoa permaneça conectada ao Ser enquanto cresce, ela ainda desenvolverá uma autoimagem, mas a identificação com a autoimagem seria mais flexível e transparente…

Por outro lado, a curiosidade envolve amor pela verdade e alegria na verdade. A verdadeira curiosidade é uma qualidade rara.  É uma qualidade do Ser, e geralmente mata a curiosidade para evitar a exposição da falsidade do ego.  Podemos até ver a verdadeira curiosidade nas brincadeiras das crianças. Frequentemente, quando uma criança é um novo objeto, ela fica tão curiosa e tão envolvida em investigações que fica completamente absorta na atividade, separando ou juntando o objeto novamente, ou qualquer que seja.  Ele não está buscando resultado, ou tentando ganhar algo. Na verdade, depois de um tempo, quando sua curiosidade for satisfeita, ele provavelmente jogará o objeto fora, como se ele não tivesse mais interesse para ele.  Mas durante a investigação, que tem o caráter de brincadeira, ele fica totalmente absorvido, completamente arrebatado, desfrutando e amando a investigação…

Na infância, isso se manifesta geralmente no início da fase de aproximação, no comportamento da criança.  quando ele percebe que sua onipotência não é real.  Ele tenta coagir sua mãe de volta à unidade dual, por todos os tipos de tentativas de controle.  Ele tenta controlar sua distância dela.  Ele quer ter o controle da situação em suas próprias mãos, e é muito importante para ele fazer o que quer.  As tentativas de controle e o desejo de seguir seu próprio caminho podem ser vistos como um reflexo da necessidade da criança de afirmar sua própria vontade.  O conflito de reaproximação é entre seguir seu próprio caminho ou submeter-se aos desejos da mãe. Isso depende obviamente de perceber os desejos da mãe como não idênticos aos seus.  Seu desejo de afirmar sua própria vontade pode se manifestar como um comportamento negativista e uma necessidade de controle, porque tais comportamentos implicam separação e autonomia para ele.  No entanto, quando seus desejos são diferentes daqueles de sua mãe, ele sente que deve se submeter aos desejos dela se deseja o amor dela e deseja estar perto dela.  Mas isso significa abandonar sua própria vontade e, portanto, sua autonomia.  Portanto, ele vê a situação como um conflito entre ter sua vontade ou ter a fusão com a mãe. Na verdade, é um reflexo de dois desejos, ambos importantes, mas muitas vezes vividos pela criança como antitéticos: o desejo de fusão e o desejo de autonomia. A autonomia é vista aqui como a capacidade de fazer cumprir a sua vontade, fazendo o que quer.  No nível essencial, isso se manifesta como um conflito entre os aspectos da Fusão e da Vontade da Essência.  A Essência da Vontade é muito importante para a separação e individuação, tão importante quanto a Essência da Força.  A força dá ao indivíduo a energia e a capacidade de iniciativa, a vontade, por outro lado, é uma espécie de força, mas é a força da persistência, de poder ficar com uma tarefa até o fim.  É a capacidade de resistência, persistência e realização.  Parece uma sensação de solidez, de apoio interno, de determinação e confiança.  Se a Essência Pessoal parece “Eu sou” e a Essência da Força parece “Eu posso”, então a Essência da Vontade parece “Eu vou”.  É a confiança nas próprias habilidades.  Sua perda leva principalmente a um estado de castração e inadequação do ego. O indivíduo, então, não sente nenhuma confiança em si mesmo ou em suas capacidades.  Ele não sente nenhum apoio interno ou fortaleza, nenhuma espinha dorsal, nada para se apoiar.  Este aspecto é necessário para a individuação porque é a confiança de que se pode estar por si mesmo.  É realmente a vontade de ser, o suporte para ser você mesmo. 

Svart -um novo conceito em Hotel

O FUTURO DOS HOTÉIS

Com a inauguração prevista para 2021 e adiada para 2022, você poderá programar uma estadia neste Hotel – ainda não tem data exata devido a complexidade do projeto e atual situação mundial.

Svart se tornará o primeiro resort autossustentável sob medida, aspirando aos viajantes a cuidar da proteção da preservação da natureza e da importância das questões ambientais globais e da educação por meio da comunidade local.

Svart demonstrará como o viajante contemporâneo pode contribuir para o crescimento sustentável do nosso planeta sem sacrificar os luxos e confortos da vida moderna.

Uma abordagem holística para a tranquilidade, potencializando a jornada do hóspede com o mais profundo senso de estilo de vida e bem-estar, evolução e consciência sustentável.

O projeto do edifício é inspirado na arquitetura vernacular local na forma do “fiskehjell” (estrutura de madeira em forma de A para secar peixes) e do “rorbue” (um tipo tradicional de casa sazonal usada por pescadores). É um símbolo de uma época, limitado no tempo como a própria geleira.

Estimamos que o hotel economize 85% de seu consumo anual de energia e colete energia solar suficiente para cobrir as operações do hotel, incluindo a operação de transporte de barco e a energia necessária para construir o edifício.

o SPA combina beleza conservadora e aventura de bem-estar para criar uma experiência excepcional para atrair a clientela mais exigente e atrair um novo mercado de spa atraente para o explorador interior.

Construída em dois andares, a Clínica de Saúde e Bem-Estar Svart Spa oferecerá três zonas distintas para os hóspedes explorarem, Zonas Ativa, Úmida e Tranquila, com equipamentos de última geração, assimilação de tecnologia vestível e integração de abastecimento local sustentável. Cada zona terá sua sensação única com aromas exclusivos da Svart para complementar a área e influenciar os hóspedes por meio de seus sentidos, motivando atividades, estimulando a autoexploração ou aprofundando a sensação de bem-estar.

OFF-GRID

O objetivo da Svart é permitir a operação totalmente fora da rede dentro de cinco anos após sua inauguração. Isso significa que o hotel e seus serviços adjacentes, incluindo a fazenda com efeito de estufa, ônibus e experiências, serão totalmente autossuficientes em eletricidade, água e gestão de resíduos. Estamos nos concentrando no serviço “da fazenda à mesa” e em uma abordagem inovadora para a jornada do estilo de vida do hóspede.

Canção da humanidade

CANÇÃO DA HUMANIDADE – Kahlil Gibran

Eu estava aqui no começo,
e aqui estou ainda.
E ficarei aqui até o fim do mundo,
pois não há fim
para meu ser aflito.

Eu vaguei pelo céu infinito e me elevei ao mundo ideal,
e flutuei pelo firmamento.
Mas aqui estou, prisioneiro da medição.
Eu ouvi os ensinamentos de Confúcio.
Eu escutei a sabedoria de Brahma. Mas aqui estou,

Sentei-me ao lado de Buda sob a árvore do conhecimento existindo com ignorância e heresia.
Eu estive no Sinai quando Jeová se aproximou de Moisés.
Eu vi os milagres do Nazareno no Jordão.
Eu estive em Medina quando Maomé a visitou.
Mas aqui estou, prisioneiro da perplexidade.

E eu testemunhei o poder da Babilônia.
Eu soube da glória do Egito.
Eu vi a beligerante grandeza de Roma.
No entanto, meus ensinamentos anteriores
mostraram a fraqueza e a tristeza dessas conquistas.

Eu conversei com os magos de Ain Dour.
Eu debati com os sacerdotes da Assíria.
Eu colhi profundidade dos profetas da Palestina. No entanto,
ainda estou buscando a verdade.

Eu reuni sabedoria na tranquila Índia.
Eu explorei a antiguidade da Arábia.
Eu ouvi tudo que pode ser ouvido. No entanto,
meu coração é surdo e cego.

Eu sofri nas mãos de governantes despóticos.
Eu sofri a escravidão sob invasores insanos.
Eu sofri a fome imposta pela tirania. No entanto,
ainda possuo poder interior,
com o qual me esforço para receber cada dia

Minha mente está cheia,
mas meu coração está vazio,
Meu corpo é velho, mas meu coração é uma criança,
Talvez na juventude meu coração cresça,
mas eu rezo para envelhecer e
que chegue o momento do meu retorno a Deus.
Só então meu coração estará pleno!

Eu estava aqui
e aqui estou ainda.
E ficarei aqui até o fim do mundo,
pois não há fim
para meu ser aflito.

do livro Kahlil Gibran- o pequeno livro da vida, da Editora Best Seller

BIKES: nova ORBEA RISE 2021

Considerada a melhor bike elétrica do momento:

Bicicleta Orbea Rise M10
Bicicleta Orbea Rise M10 – com preço na casa dos 7 999,00 €

Bicicleta Orbea Rise M-LTD
Bicicleta Orbea Rise M-LTD 9 999,00 €

Vamos compartilhar as explicações sobre a melhor bike elétrica do momento.:

“En Biciescapa ya hemos tenido la oportunidad de probar la nueva Orbea Rise 2021, la bicicleta que ha venido a revolucionar el mercado de las #ebike​. Una bicicleta pensada para aquellos que quieren disfrutar durante horas de la montaña con una bicicleta menos “e” y más “bike”. En este vídeo te contamos al detalle todas las características de esta nueva #Orbea​ Rise que la hacen tan única. Descubre todo sobre la nueva Rise Aquí: https://www.biciescapa.com/es/explica...​ La #OrbeaRise​ es la bicicleta eléctrica más ligera del mercado con 16,2kg aproximadamente del modelo tope de gama y con recorridos de suspensión de entre 140mm y 150mm. Lleva montado el nuevo motor Shimano EP8 RS desarrollado conjuntamente entre las dos marcas específicamente para este modelo”.

As pessoas mudam com o passar dos anos?

“Assim, a formação do ego ocorre no contexto de um relacionamento com um objeto de amor primário, a pessoa maternal. Esta é a fonte do analista inglês W. Ronald D. Fairbairn que chamou essa abordagem de “teoria das relações objetais”. Cada situação ou interação entre o bebê e a mãe é uma relação objetiva. Exceto nas fases iniciais, em que não há nenhuma diferenciação, o bebê sempre se vê em relação à mãe, não isoladamente. As memórias de tais interações são representações mentais das relações objetais. O bebê se lembra não apenas de si mesmo (essa é a imagem de si mesmo), mas sempre também da imagem da mãe na interação. A fixação dessas representações na mente é chamada de “internalização”. Quanto mais essas representações se acumulam, o que significa que quanto mais memórias são retidas e fixadas, inicia-se um processo de organização dessas representações. Essa organização das relações objetais internalizadas é a tarefa do processo de separação-individuação, que normalmente culmina no desenvolvimento da constância do self e do objeto”.

“Assim, o sentido do self, baseado na autoimagem coesa, é o resultado de uma integração das primeiras relações objetais. Esta organização do ego é modificada constantemente à medida que mais relações objetais são internalizadas, mas identificações posteriores, após a idade de aproximadamente três anos, acrescentam pouco em termos da estrutura básica. Isso contradiz a crença popular de que as pessoas mudam com o passar dos anos. O fato é que o passar do tempo apenas solidifica a estrutura já estabelecida. Esta é uma das razões pelas quais a mudança na psicoterapia não é fácil. Esteja ele em psicoterapia, apenas vive uma estrutura já estabelecida, expressando uma qualquer ou não, uma individualidade individual já formada, com seus papéis previamente estabelecidos. Novas situações podem parecer trazer mudanças, mas essas mudanças raramente são fundamentais, em geral apenas trazendo à tona na manifestação comportamental outros papéis do repertório inconsciente do self”.

AHAlmaas