Teresa Salgueiro canta Alegria: já os sorrisos se dão, já se dão as voltas todas, Ó certeza das certezas, Ó alegria das bodas

Alegria

Já ouço gritos ao longe Já diz a voz do amor A alegria do corpo O esquecimento da dor

Já os ventos recolheram Já o verão se nos oferece Quantos frutos quantas fontes Mais o sol que nos aquece

Já colho jasmins e nardos Já tenho colares de rosas E danço no meio da estrada As danças prodigiosas Já os sorrisos se dão Já se dão as voltas todas Ó certeza das certezas Ó alegria das bodas José Saramago, in “Provavelmente Alegria”

Acariciou a rosa, que lhe sorria…

Pensei em postar esta foto da rosa que se abriu para aquela menina que se ausentou por um tempo, seguindo o caminho dos Pais.  
Desde a primeira vez que viu a roseira e suas rosas se encantou e adotou. E surgiu uma oportunidade de voltar para a casa do interior por um dia, e nada combinado com a roseira. Mas eis que ao chegar correu para a roseira e incrível, a surpresa que a roseira preparou e abriu para ela a rosa mais bonita, trazendo em seu interior aquela tênue cor dourada. E ela, com sua pequena mão acariciou a rosa, que lhe sorria. 
A pureza do coração – a essência daquela alma que se forma – e que um dia será uma rosa aberta e transbordante de sua cor dourada interior. Que mensagem mais bonita para a criança, que com certeza sentiu o frescor, a alegria contagiante dessa flor tão significativa. Uma alma que deve crescer em liberdade, sem a formatação que a vida impõe.