as cores e a beleza sempre nos presenteiam com uma nova perspectiva

Por mais difícil que seja a realidade, as cores e a beleza sempre nos presenteiam com uma nova perspectiva.
Nesse vídeo, Lila mostra que é possível sobreviver à realidade preenchendo as lacunas com a beleza das cores e a magia dos sonhos.

Projeto Âncora, um passo adiante, e de passo em passo…

A Cidade Âncora propõe o retorno à cidade autêntica, à reconciliação das pessoas com o espaço. Cidade na qual seja possível viver a fraternidade e a justiça.”

O Âncora é um projeto transformador que surge para tentar resolver um problema da sociedade, mas que não quer apenas resolver problemas pontuais e nem quer que a comunidade dependa dele para resolver seus problemas.

Surge com o nome de Cidade Âncora, conceito que ajuda a esclarecer um sentido mais profundo da filosofia e da identidade do Projeto Âncora. Como cidade o Âncora ganha a feição de uma experiência de vida comunitária, promovendo uma convivência ética entre seus membros, possibilitando uma experiência educativa de desenvolvimento da cidadania e infunde na “entidade” e no “projeto” um sentido comunitário mais profundo.

Reportagem de Alexandre Henderson que fez uma aula numa escola que não tem série, não tem sala de aula, não tem prova e todos os espaços dão uma oportunidade de aprendizado para os alunos. As aulas reúnem crianças de todas as idades que experimentam e compartilham o conhecimento. Vamos ver como eles aprendem Matemática?
http://g1.globo.com/como-sera/noticia/2017/07/hoje-e-dia-de-matematica-aprender-brincando.html

Krishnamurti: a dissolução da Ordem da Estrela no Oriente

A Ordem da Estrela no Oriente foi fundada em 1911 para proclamar o advento do Instrutor do Mundo. Krishnamurti fora nomeado o Dirigente da Ordem. Em 3 de agosto de 1929, dia da abertura do Acampamento Anual da Estrela, em Ommen, Holanda, Krishnamurti dissolveu a Ordem diante de 3.000 membros.

Considero este discurso do grande mestre Khrisnamurti um marco, mostrando aos pesquisadores espirituais da época que não podemos ficar presos no externo e sim, voltarmo-nos para o interior, o caminho dentro de nós mesmos.

Abaixo está o texto completo da palestra que ele deu naquela ocasião (informações colhidas da Fundação Krishnamurti):

“Vamos discutir nesta manhã a dissolução da Ordem da Estrela. Muitas pessoas ficarão encantadas, enquanto outras ficarão um tanto tristes. Não é uma questão nem para júbilo nem para tristeza, porque é inevitável, como eu vou explicar. “É possível que vocês se lembrem da história de como o diabo e um amigo dele estavam descendo a rua quando viram à sua frente um homem se agachar e pegar algo do chão, dar uma olhada e colocar no bolso. O amigo perguntou ao diabo: “Que foi que o homem pegou?” “Ele pegou um pedaço da verdade”, respondeu o diabo. “Isso é um negócio muito ruim pra você, então”, disse o amigo dele. “Oh, de modo algum”, retrucou o diabo, “Vou deixar que ele a organize”.

Eu afirmo que a Verdade é uma terra sem caminhos, e vocês não podem alcançá-la por nenhum caminho, qualquer que seja, por nenhuma religião, por nenhuma seita. Este é o meu ponto de vista, e eu o confirmo absoluta e incondicionalmente. A Verdade, sendo ilimitada, incondicionada, inacessível por qualquer caminho que seja, não pode ser organizada; nem pode qualquer organização ser constituída para conduzir ou coagir pessoas para qualquer senda particular. Se vocês logo compreendem isso, verão o quanto é impossível organizar uma crença. Uma crença é algo puramente individual, e vocês não podem e não devem organizá-la. Se o fizerem, ela se torna morta, cristalizada; torna-se um credo, uma seita, uma religião a ser imposta aos outros. Isto é o que todos estão tentando fazer mundo afora. A Verdade é restringida e usada como joguete por aqueles que são fracos, por aqueles que estão apenas momentaneamente desgostosos. A Verdade não pode ser rebaixada, mas, em vez disso, deve o indivíduo fazer esforço para ascender até ela. Vocês não podem trazer o topo da montanha para o vale. Se querem atingir o cume da montanha, vocês devem atravessar o vale e escalar as escarpas sem medo dos perigosos precipícios.

Portanto, esta é a primeira razão, do meu ponto de vista, pela qual a Ordem da Estrela deva ser dissolvida. Nada obstante, vocês provavelmente formarão novas Ordens, continuarão a pertencer a outras organizações em busca da Verdade. Eu não quero pertencer a nenhuma organização do gênero espiritual, por favor, compreendam isto. Eu faria uso de qualquer organização que me levasse a Londres, por exemplo; isso é um tipo bastante diferente de organização, meramente mecânica, como o correio e o telégrafo. Eu usaria um automóvel ou um vapor para viajar, esses são apenas mecanismos físicos, os quais nada têm a ver com espiritualidade. Novamente, eu sustento que nenhuma organização pode conduzir o homem à espiritualidade.

Se uma organização for criada com esse propósito, ela se transforma numa muleta, um ponto fraco, uma dependência, incapacita o indivíduo, e impede-o de crescer, de estabelecer sua singularidade, que reside na descoberta que ele deve fazer – por si mesmo – daquela Verdade absoluta, não condicionada. Esta é, portanto, outra razão pela qual eu decidi, uma vez que aconteceu de ser eu o Dirigente da Ordem da Estrela, dissolvê-la. Ninguém persuadiu-me a tomar esta decisão. Isto não é nenhuma grande façanha, porque eu não quero seguidores, deixo isso claro. No momento em que vocês seguem alguém, deixam de seguir a Verdade. Não estou preocupado em saber se vocês prestam atenção ao que eu digo ou não. Eu quero fazer determinada coisa no mundo e eu vou fazê-la com resoluta concentração. Estou interessado somente numa coisa essencial: libertar o ser humano. Eu desejo libertá-lo de todas as prisões, de todos os temores, e não fundar religiões, novas seitas, nem estabelecer novas teorias e novas filosofias. Então vocês naturalmente me perguntam por que eu sigo mundo afora, falando continuamente. Eu lhes direi por que razão eu faço isso: não porque eu deseje seguidores, não porque eu queira um grupo especial de discípulos especiais. (Como os homens gostam de ser diferentes de seus semelhantes, por ridículas, absurdas e banais que suas distinções possam ser! Eu não quero encorajar esse disparate). Não tenho discípulos ou apóstolos, quer na terra quer no reino da espiritualidade. “Não é a sedução do dinheiro nem o desejo de viver uma vida confortável o que me atrai. Se eu quisesse uma vida confortável eu não teria vindo a um acampamento ou a viver num país úmido. Estou falando francamente porque quero isso estabelecido de uma vez por todas. Não quero essas discussões pueris ano após ano.

Um jornalista que me entrevistou considerou uma façanha o ato de dissolver uma organização na qual havia milhares e milhares de membros. Para ele isso foi um grande feito, porque ele disse: “O que você fará doravante, como você viverá? Você não terá nenhum séquito, as pessoas não mais o ouvirão”. Se houver apenas cinco pessoas que ouçam, que tenham suas faces voltadas para a eternidade, isso será suficiente. De que serve ter milhares de pessoas que não compreendem, que estão totalmente imersas em preconceito, que não querem o novo, mas que até mesmo traduziriam o novo para satisfazerem seus próprios eus estéreis e estagnados? Se eu falo de forma contundente, por favor, não me entendam mal, não é por falta de compaixão. Se vão um cirurgião para uma operação, não seria bondade da parte dele operar mesmo que lhes cause dor? Da mesma forma, se eu falo de maneira direta, não é por falta de afeto verdadeiro – pelo contrário.

Tal como disse, tenho um só propósito: tornar o homem livre, impulsioná-lo para liberdade, auxiliá-lo a romper com todas as limitações, por que somente isso lhe dará felicidade eterna, lhe dará a incondicionada realização do ser.

Porque eu sou livre, incondicionado, completo, não a parte – não a relativa mas a Verdade inteira que é eterna – eu desejo que aqueles que buscam compreender-me sejam livres: não que me sigam, não que façam de mim ma prisão que se transforme em religião, uma seita. Ao contrário, eles deveriam estar livres de todos os medos, do medo da religião, do medo da salvação, do medo da espiritualidade, do medo do amor, do medo da morte, do medo da própria vida. Assim como um artista pinta um quadro porque se deleita com essa pintura, porque ela é sua autoexpressão, sua glória, seu bem-estar, assim faço isso, e não porque eu queira algo de alguém. “Vocês estão acostumados com a autoridade, ou com a atmosfera de autoridade, a qual vocês acham que os conduzirá à espiritualidade. Vocês pensam e esperam que alguém possa, por meio de seus extraordinários poderes – um milagre – transportá-los a esse reino de eterna liberdade que é a Felicidade. Toda sua concepção de vida está baseada nessa autoridade.

Vocês têm-me ouvido por três anos, sem que qualquer mudança tenha ocorrido, exceto em uns poucos. Analisem agora o que eu estou dizendo, sejam críticos, de forma que vocês entendam radicalmente, fundamentalmente. Quando vocês procuram uma autoridade que os conduza à espiritualidade, vocês são automaticamente instados a construir uma organização em torno daquela autoridade. Pela simples criação de tal organização, a qual, vocês pensam, auxiliará essa autoridade a conduzi-los à espiritualidade, vocês estão encerrados numa prisão.

Se falo com franqueza, por favor, lembrem-se de que assim o faço não por aspereza, não por crueldade, não por entusiasmo do meu propósito, mas porque eu quero que vocês entendam o que eu estou dizendo. Esta é a razão porque vocês estão aqui, e seria uma perda de tempo se eu não explicasse claramente, decisivamente, meu ponto de vista. “Por dezoito anos vocês vêm-se preparando para este evento, para a Vinda do Instrutor do Mundo. Durante dezoito anos vocês se organizaram, procuraram alguém que desse um novo deleite para seus corações e mentes, que transformasse toda a sua vida, que lhes desse uma nova compreensão; por alguém que os alçasse a um novo plano de vida, que lhes desse um novo alento, que os libertasse – mas agora, vejam o que está acontecendo! Reconsiderem, ponderem consigo mesmos, e descubram de que maneira essa crença os tornou diferentes – não com a diferença superficial de usar de um crachá, que é banal, absurda. De que maneira tal crença lhes varreu da vida todas as coisas inessenciais? Essa é a única maneira de ponderar: de que modo vocês estão mais livres, mais nobres, mais perigosos para qualquer Sociedade que seja baseada no falso e no inessencial? De que maneira os membros desta organização da Estrela tornaram-se diferentes? Como eu disse, vocês vêm-se preparando para mim durante dezoito anos. Não me importa se vocês acreditam que eu sou o Instrutor do Mundo ou não. Isto tem muito pouca importância. Desde que vocês pertencem à organização da Ordem da Estrela, vocês têm dado seu apoio, sua energia, reconhecendo que Krishnamurti é o Instrutor do Mundo – parcial ou inteiramente: totalmente, por aqueles que estão realmente buscando, apenas parcialmente por aqueles que estão satisfeitos com suas próprias meias verdades.

Vocês vêm-se preparando por dezoito anos, e vejam quantas dificuldades há no processo de sua compreensão, quantas complicações, quantas coisas vulgares. Seus preconceitos, seus temores, suas autoridades, suas igrejas, novas e antigas, tudo isso, afirmo, são uma barreira para a compreensão. Não consigo fazer-me mais claro do que isso. Não quero que concordem comigo, não quero que me sigam, quero que entendam o que eu estou dizendo. “Essa compreensão é necessária porque sua crença não os transformou, mas apenas os complicou, e porque vocês não estão dispostos a enfrentar as coisas como elas são. Vocês querem ter seus próprios deuses, – novos deuses em vez dos antigos, novas religiões no lugar das antigas, novas fórmulas no lugar das antigas, todos igualmente sem valor, todos barreiras, todos limitações, todos muletas. No lugar de velhas preferências espirituais vocês têm novas preferências espirituais, em vez de antigas adorações vocês têm novas adorações. Todos vocês dependem, para sua espiritualidade, para sua felicidade, para sua iluminação, de outra pessoa; e nada obstante vocês estejam se preparando para mim por dezoito anos, quando eu digo que essas coisas são inúteis, quando eu digo que vocês devem jogá-las fora e olhar para dentro de vocês próprios para a iluminação, para a glória, para a purificação, e para a incorruptibilidade do ser, nenhum de vocês está disposto a fazê-lo. Pode haver uns poucos, mas muito, muito poucos. Então, por que se ter uma organização?

Por que ter pessoas falsas, hipócritas me seguindo, a personificação da Verdade? Por favor, lembrem-se de que não estou dizendo algo cruel ou indelicado, mas chegamos a uma situação em que vocês têm que enfrentar as coisas como elas são. Eu disse no ano passado que não transigiria. Muito poucos me ouviram, então. Este ano eu tornei isso absolutamente claro. Eu não sei como milhares de pessoas mundo afora – membros da Ordem – têm-se preparado para mim durante dezoito anos, e ainda agora não querem escutar incondicionalmente, inteiramente o que eu digo.

Tal como disse antes, meu propósito é tornar o ser humano incondicionalmente livre, daí eu reafirmo que a única espiritualidade é a incorruptibilidade do eu que é eterno, é a harmonia entre razão e amor. Esta é a absoluta, incondicionada Verdade que é a própria Vida. Quero, por isso, libertar o ser humano, exultante como o pássaro no céu claro, aliviado, independente, extático nessa liberdade. E eu, para quem vocês estão se preparando por dezoito anos, digo agora que vocês devem estar livres de todas essas coisas, livres de suas complicações, suas confusões. Para isto vocês precisam não possuir uma organização baseada em crença espiritual. Por que ter uma organização para cinco ou dez pessoas no mundo que compreendem, que estão batalhando, que puseram de lado todas as coisas banais? E para as pessoas frágeis não pode haver organização nenhuma que as ajude a encontrar a Verdade, porque a verdade está dentro de todos; ela não está longe nem perto; está eternamente aí.

Organizações não podem torná-los livres. Nenhum homem de fora pode torná-los livres; nem o pode o culto organizado, nem a imolação de vocês mesmos por uma causa os torna livres; nem enfileirando-se em uma organização, nem lançando-se em trabalhos, os torna livres. Vocês usam uma máquina de escrever para escrever cartas, mas vocês não a colocam em um altar e a adoram. Mas é isto que vocês estão fazendo quando as organizações tornam-se seu principal interesse.

“Quantos membros ela tem?” Esta é a primeira pergunta que me fazem os jornalistas. “Quantos seguidores você tem? Pelo número deles julgaremos se o que você diz é verdadeiro ou falso”. Não sei quantos eles são. Não estou preocupado com isso. Como disse, se houvesse mesmo um que se tenha tornado livre, isso seria suficiente.

De novo, vocês têm a ideia de que somente determinadas pessoas possuem a chave do Reino da Felicidade. Ninguém a possui. Ninguém tem a autoridade para possuir tal chave. Essa chave é seu próprio eu, e no desenvolvimento e na purificação e na incorruptibilidade desse eu particular está o Reino da Eternidade.

Então vocês verão como é absurda toda a estrutura que vocês construíram, procurando ajuda externa, dependendo de outros para o seu consolo, sua felicidade, para sua força. Estes somente podem ser encontrados dentro de vocês mesmos.

Vocês estão acostumados a que lhes digam o quanto vocês avançaram, qual é sua posição espiritual. Quanta infantilidade! Quem além de você mesmo pode dizer se você está bonito ou feio por dentro? Quem além de você mesmo pode dizer se você é incorruptível? Vocês não são sérios nessas coisas.

Mas aqueles que realmente desejam compreender, aqueles que estão tentando encontrar o que é eterno, sem começo e sem fim, caminharão juntos com uma intensidade maior, serão um perigo para tudo que não seja essencial, para fantasias, para obscuridades. E eles se concentrarão, eles se tornarão luz, porque compreendem. Tal união nós devemos criar, e este é o meu propósito. Por causa dessa real compreensão, haverá verdadeira solidariedade. Por causa dessa verdadeira solidariedade – que vocês não parecem conhecer – haverá verdadeira cooperação da parte de cada um. E isto não devido à autoridade, não por causa da salvação, não devido à imolação por uma causa, mas porque vocês realmente compreendem, e então são capazes de viver no eterno. Isso é uma coisa mais elevada que qualquer prazer, que qualquer sacrifício.

Essas são, portanto, algumas das razões porque, após cuidadosa consideração durante dois anos, eu tomei esta decisão. Não foi um impulso momentâneo. Não fui persuadido a isso por ninguém. Não me persuadem em tais coisas. Durante dois anos tenho pensado sobre isto, morosamente, cuidadosamente, pacientemente, e agora decidi dissolver a Ordem, uma vez que aconteceu ser eu seu Dirigente. Vocês podem formar outras organizações e esperar por outra pessoa. Não estou preocupado com isso, nem com a criação de novas prisões, novas ornamentações para esses cárceres. Meu único interesse é tornar o ser humano absolutamente, incondicionalmente livre.

John Dee

John Dee nasceu em Londres em 1527 e faleceu em 1609. Foi um matemático, astrônomo, astrólogo, geógrafo e conselheiro particular da rainha Elizabeth I. Devotou também grande parte de sua vida à alquimia, adivinhação e à filosofia hermética.

Do livro John Dee’s five books of mystery : original source book of Enochian magic – como editor Joseph H. Peterson:

Talvez o maior legado de Dee seja seu papel na construção da Grã-Bretanha como uma grande potência marítima. A ele geralmente é creditada a frase “Império britânico”. Dee desempenhou um papel proeminente nos planos para colonizar o Novo Mundo, e consultou os anjos com bastante frequência sobre o empreendimento. Seu interesse não era meramente patriótico. Ele tinha um plano prévio para o novo (ou melhorado) Império britânico para competir com (Ou substituir) o império hispano-papal. Parte de sua justificativa era a mesma que a de Roma – ‘levar’ o nome de Jesus entre os infiéis, para a grande glória de Deus “. A magnitude de sua visão se refletiu na vasta extensão do império que a Grã-Bretanha continuou a estabelecer. Dee associou o novo império e o Novo Mundo com a nova era. Ele ficou fascinado com as Profecias apocalípticas de seu tempo e procurou tê-las em suas mãos, com base em seu conhecimento de astrologia. Ele acreditava que a nova era começaria em alguns anos, talvez em 1583 ou 1584. Ele se baseou em modelos astronômicos existentes. Dee datou dois de seus trabalhos usando o seu cálculo do ‘ano mundial’. John Dee sentia que o fim do mundo era imanente, em grande parte baseado em observações astronômicas. A conjunção maravilhosa pela aparição de uma supernova em 1572, um cometa em 1577 e um eclipse solar em 1582. Os anjos contam a Dee e Kelley sobre ‘a verdade da visita de Deus’.  Para competir com o autoridade espiritual de Roma, no entanto, Dee procurou a autoridade divina dos anjos e do próprio Deus. Suas publicações e as atividades políticas faziam parte de seu grande esquema para unificar os povos, religiões e línguas do mundo através do conhecimento universal. Os anjos revelaram detalhes do Novo Mundo e nova era em várias ocasiões. ‘Os velhos caminhos cessam, o novo começa’. No final, Dee não conseguiu convencer qualquer um dos seus supostos patronos reais da Plano cósmico”.

British Museum – London, UK:

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Lemos na revista Pentagrama ano 23 número 2: “Um dos alquimistas mais célebres foi o inglês John Dee. Por meio de noções alquímicas e astrológicas, assim como do simbolismo dos números provenientes da cabala, ele compôs uma figura que denominou “mônada hieroglífica”, símbolo da unidade das atividades divinas nos fenômenos da natureza. “O círculo não pode ser traçado sem a linha reta, nem a linha reta sem o ponto”. Portanto, tudo provém de um só ponto: a mônada. Aquele que o desejar, poderá liberar essas forças por uma justa compreensão e uma justa atitude“.

Resultado de imagem para dr. john dee editora pentagrama

British Museum – London, UK:

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Lady Gaga: ‘Yoko Ono and John Lennon inspired my charity work’

Yoko Ono acabou de publicar no Facebook: “O meu amor e admiração pela Lady Gaga nunca mudou. Ela é linda, muito poderosa, e ainda assim expressa vulnerabilidade. Eu acho que ela é o máximo como pessoa e como artista“.

Publicado no http://www.new-magazine.co.uk:

A diferenciada cantora Lady Gaga criou a Fundação Born This Way em 2011. Disse ela na época: “O que está sendo criado não é apenas uma fundação, mas também um movimento”. E segundo a Associação Americana de Psicologia, 70% dos estudantes do ensino médio sofreram bullying e até 15% dos jovens são vítimas crônicas….)  Com a efetivação dessa ideia apoiou um certo número de trabalhos de caridade. Gaga é muitas vezes elogiada por seu trabalho filantrópico, mas ela não se cansa de dizer que deve seus interesses de caridade pelo que fez John Lennon e sua viúva.
Na verdade, sempre fui uma grande fã de Yoko Ono e também do trabalho que realizou com o falecido marido John Lennon, e quando fizeram declarações de paz juntos, eles eram muito simples“, disse a cantora. “Eles diriam coisas como, ‘Dê uma chance para a paz’, e a imprensa diria: ‘Bem, o que você quer dizer com isso?’ E eles diriam: “É o que queremos dizer – apenas dê uma chance”. Pedimos às pessoas que deem uma chance à Paz “.
A jovem de 31 anos recentemente se associou aos organizadores da Staples for Students, que estão doando £ 773,600 para a BTW Foundation e DonorsChoose.org para ajudar a promover um ambiente positivo nas escolas. Ela recentemente visitou estudantes da Escola Intermediária Walter Reed na Califórnia para discutir as dificuldades que enfrentam como adolescentes.
Eles vieram em todas as formas e tamanhos, com diferentes culturas acadêmicas, e havia crianças com deficiência“, diz ela. “Foi extraordinário olhar uns aos outros nos olhos, ouvir o que eles precisavam: ‘Eu preciso ser aceito, eu quero me sentir apoiado, eu quero que a sala de aula seja mais ou menos assim (respeito a todos), porque nasci desse jeito’. Foi realmente poderoso “.
E o encontro com as crianças deu-lhe mais impulso para ajudar.
Todos podem continuar dizendo como o mundo precisa ser um lugar melhor, que estamos em um momento muito negativo, mas isso começa na sala de aula“, ela continua. “O mundo se torna melhor quando as pessoas são gentis“.

Escola Intermediária Walter Reed, na Califórnia:

Reed Middle School Home

pequeñas comunidades de aprendizaje

calendario / calendar

Involucrarse en Reed escuela

 

Doukhobors – 4 – final

Não iremos esgotar o assunto dobre os Doukhobors ou Dukhobors (russo: Духоборы, Dukhobory, anteriormente Dukhobortsy, russo: Духоборцы.

Alguns estudiosos acreditam que a seita teve suas origens no século 17 ou mesmo no século 16. A Bíblia Sagrada foi a fonte chave de sua fé, que é evidente na maioria dos salmos, hinos e crenças de Doukhobor. Os ensinamentos de Jesus Cristo foram aceitos como sua verdade fundamental e se basearam nas características de Deus, como retratado por Jesus, para guiar sua fé como embaixadores pacíficos de Deus.

O porto de Batumi como foi em 1881. Aqui os Doukhobors embarcaram em sua jornada transatlântica em 1898 e 1899 – “Doukhobor Immigrant Shiplists”:

Seu objetivo era internalizar o espírito vivo de Deus para que o espírito de Deus fosse revelado dentro de cada indivíduo.

Hoje, a população estimada de Doukhobors na América do Norte é de 40 mil no Canadá e cerca de 5 mil nos Estados Unidos.

O primeiro líder conhecido de Doukhobor, em 1755-75, foi Siluan Kolesnikov (russo: Силуан Колесников), originário da aldeia de Nikolskoye, na governança de Yekaterinoslav, no que é hoje o centro da Ucrânia central. Ele era familiarizado com as obras dos místicos ocidentais como Karl von Eckartshausen e Louis Claude de Saint-Martin.

Os Doukhobors adiantados chamaram-se “o povo de deus” ou simplesmente “cristãos”. Muitos foram para a Finlândia devido as perseguições no território Russo.

No Canadá…

De acordo com a Lei Dominion Lands de 1872, o governo canadense concederia terrenos de 160 acres (0,65 km2), por uma taxa nominal de US $ 10, para qualquer homem capaz de estabelecer uma fazenda trabalhadora nessa área dentro de três anos. Viver em propriedades unifamiliares não iria encadear a tradição comunitária de Doukhobors. Felizmente, o Ato continha a chamada Cláusula de Hamlet, adotada 15 anos antes para acomodar outros grupos comunitários como os Mennonites, o que permitiria que os beneficiários da Lei não vivessem sobre a concessão real de terras, mas em uma aldeia.  Isso permitiria aos Doukhobors estabelecer um estilo de vida comunal, semelhante aos Hutterites.

Os russos inicialmente se instaram em oito aldeias com 68,9 mil hectares (683,6 km2) de concessão de terras.

O anexo estava ao longo do rio Bom Espírito, fluindo para o Lago Espírito Santo (anteriormente conhecido como Devil’s Lake). E outros locais próximos. Geograficamente, as colônias do Norte e do Sul, bem como o Anexo do Bom Espírito do Lago (Anexo do Lago do Diabo, a não-crentes) estavam em torno de Yorkton, não muito longe da fronteira com Manitoba de hoje.

Mulheres de Doukhobor puxando um arado, Thunder Hill Colony, Manitoba:

Peter Verigin, o líder de Doukhobor, induziu seguidores a libertar seus “irmãos” (animais) e puxar seus vagões e arados. Nas terras que lhes foram concedidas nas praias, os colonos estabeleceram vilas ao longo da mesma linha que no país antigo. Algumas das novas aldeias receberam os mesmos nomes russos que as aldeias de casas dos colonos na Transcaucásia (por exemplo, Spasovka, Large e Small Gorelovka, Slavianka); Outros ganharam nomes mais abstratos, “espirituais”, não comuns na Rússia: “Uspeniye” (“Dormição”), “Terpeniye” (“Paciência”), “Bogomdannoye” (“Dado por Deus”), “Osvobozhdeniye” (“Libertação” ‘).

Os colonos encontraram invernos em Saskatchewan muito mais severos que os da Transcaucásia e expressaram uma decepção particular de que o clima não era tão adequado para o cultivo de frutas e vegetais. Muitos dos homens achavam necessário empreender empregos não agrícolas, especialmente na construção ferroviária, enquanto as mulheres ficavam para trás até chegarem à terra.

Devido à aversão que os líderes dos Doukhobors expressaram em relação à propriedade privada de terras, Petr Verigin (que cumpriu sua sentença e veio ao Canadá em 1902) conseguiu ter terra registrada em nome da comunidade. Mas em 1906, o Governo Dominionista, na pessoa de Frank Oliver, o Ministro do Interior, começou a exigir o registro da terra em nome de proprietários individuais. A recusa de muitos Doukhobors em fazê-lo resultou em 1907 no retorno de mais de um terço de Doukhobors para a Rússia.

E assim começaram os problemas, o que os levou a ir para a localidade onde estão atualmente, fora os que se espalharam passando a fronteira indo para o estado de Washington e Oregon.

Interessante que uma certa Rose Glason Osburn sempre teve um interesse nesse sofrido povo, que não abandonava sua crença. E os auxiliou bastante, Ela era membro da Theosophical Society of America, fundada por outra emigrante russa, Helena Petrovna Blavatsky conhecida como a “a mãe da espiritualidade moderna”. Madame Blavatsky pregava a fraternidade universal, e os Doukhobors pareciam oferecer a Osburn um exemplo vivo de como isso pode ser praticado, vivenciado.

E os ajudou. Concluiu-se que “mover a comunidade para os Estados Unidos teria privado o Canadá de um grande contingente de trabalhadores”. Importante para construção do País.

O que sempre incomodou e incomoda muita gente são as pessoas que pensam diferente, e lutam para viver mais felizes neste mundo difícil.

Cuidavam das sementes, eram ambientalistas com preocupação ecológica, difundiam o vegetarianismo, alimentos orgânicos, curas naturais com ervas. Pregavam um desenvolvimento sustentável. Eram vitais no estabelecimento de infraestrutura, tais como estradas e estradas de ferro. Construíam grandes comunidades com arquitetura exótica. Os colonizadores que não eram Doukhobor procuravam muitas vezes os Doukhobors para ajuda médica, porque não existia nenhum hospital para os desbravadores. Eles não gostavam quando se tirava uma erva daninha que não estivesse prejudicando seus gerânios.

E vivendo em uma terra estrangeira, em um deserto severo e indomável com milhas e milhas de terras planas, cruas, duras e tortuosas, neblinas, mosquitos sinistros, não desistiam. As elites do Canadá tinham um modelo bem sucedido de agricultura, mas era um precedente perigoso para a sustentabilidade. Tudo isso acabou isolando o grupo do mundo exterior.

 

 

Doukhobor – 3

 

O Centro de Treinamento e Exposição de Arte e Artesanato de Doukhobor oferece aos artesãos locais um espaço de trabalho moderno e bem equipado para praticar e ensinar artes e ofícios tradicionais de Doukhobor. As atividades no Centro se concentram principalmente na preservação, aprimoramento e exibição de artes de fibra e artesanato de Doukhobor:

Grand Forks Community Centre:

The Verigin Memorial Park is an important historical Doukhobor burial site and flower garden:

À medida que os Doukhobors se firmaram no Canadá eles foram fortalecidos em sua opção vegetariana, pelo conhecimento de que esse caminho foi seguido por muitas pessoas conhecidas como Leo Tolstoy, Mahatma Gandhi, Leonardo da Vinci e Albert Einstein. As vantagens econômicas e ecológicas de um estilo de vida vegetariano também se tornam evidentes, combinadas com os aspectos éticos e nutricionais. Atualmente as estatísticas de pesquisas provaram que as pessoas que evitam o uso de álcool, tabaco e produtos de origem animal para alimentação gozam de uma saúde superior e de uma vida média significativamente maior. Tudo isso atesta a notável sabedoria, previsão e compromisso dos nossos antepassados, os ​​honoráveis ​​Doukhobor.

Pão Sal e Água

Desde tempos antigos, o homem teve a tendência de tentar simbolizar com objetos materiais pelo menos um reflexo parcial de pontos importantes de seus conceitos de vida. Quando os Doukhobors começaram a se desvincular dos rituais da Igreja Ortodoxa Grega, foi por iniciativa de seus primeiros líderes espirituais que suas próprias formas de culto foram estabelecidas. Nos nossos antepassados ​​foi transmitido por nossos antepassados ​​que o grande avanço no estabelecimento de formas de culto de Doukhobor ocorreu no assentamento Milky Waters, na província de Tavria, no início dos anos 1800, sob o destacado líder de Doukhobor, Saveliy Kapustin. Tendo deixado de lado a idolatria da Bíblia e outros chamados escritos sagrados, os Doukhobors reconheceram como sua orientação o seu próprio “Livro da Vida”, composto de salmos. Sobre a mesa que estava à frente da congregação, os Doukhobors colocavam Pão, Sal e Água. Em semelhança com os primeiros cristãos, os homens se juntavam à direita da mesa e as mulheres à esquerda. Durante o seu serviço de oração, cada pessoa se inclinava contra a pessoa ao lado dele, significando um reconhecimento do espírito de Deus, que de acordo com as crenças de Doukhobor, habitava no coração e na alma de cada ser humano individual.

Pão, sal e água simbolizavam a paz e a hospitalidade entre os eslavos desde os tempos mais antigos. Quando uma tribo antiga encontrava outra tribo com pão e sal em um prato, isso significava que eles estavam prontos e dispostos a viver com eles em paz e amizade e compartilhar com eles os produtos de seu trabalho.

 

Alimentos

Desde suas origens na Rússia antiga, os Doukhobors mantiveram uma conexão profunda com suas raízes agrárias. Suas habilidades hortícolas foram ajustadas nas pradarias canadenses quando cultivaram, em conjunto, milhares de hectares, cultivando trigo e outros grãos. O moinho de farinha do Pride of The Valley está localizado perto do Centro Comunitário da USCC em West Grand Forks e atualmente é mantido por um grupo sem fins lucrativos, a Doukhobor Milling Heritage Society, que em grande parte é constituída por membros da USCC. Os membros da sociedade continuam a gerar grãos sob demanda, embora agora eles comprem seus grãos. Eles moem trigo marrom e branco, centeio e triticale, um cruzamento entre trigo e centeio que produz uma excelente farinha para pão e waffle. Eles também produzem um excelente farelo. Os produtos Orgulho do Vale (Pride of the Valley) são distribuídos na área Kootenay-Boundary e no Okanagan em várias lojas de varejo e também são usados ​​pelos grupos USCC Ladies Pan e Lapsha.

Proposta de cozinha comunitária Doukhobor

A inspiração para começar esta iniciativa localmente veio de um documentário chamado “Cooked” de Michael Pollan –  onde fala sobre sua preocupação de que muitas vezes estamos voltando para lojas de fast food. Ele ressalta a importância de voltar às refeições caseiras. Em seu site, ele observa: “Enquanto permitimos que as corporações façam a maior parte da nossa comida para nós, nossa agricultura continuará a ser dominada por monoculturas gigantes de grãos e fábricas de animais…”

O declínio da cozinha doméstica diária não só prejudica a saúde de nossos corpos e nossa terra, mas também nossas famílias, nossas comunidades e nosso senso de como nossa alimentação nos conecta ao mundo. Nossa crescente distância de qualquer envolvimento direto e físico com os processos pelos quais a matéria-prima da natureza se transforma em uma refeição cozida está mudando nossa compreensão do que é a comida. Na verdade, a ideia de que a comida tem alguma conexão com a natureza ou trabalho humano ou imaginação é difícil de aceitar quando chega em um pacote limpo, totalmente formado. A comida se torna apenas outra mercadoria, uma abstração. E, assim que isso acontece, nos tornamos uma presa fácil para as corporações que vendem versões sintéticas da coisa real – o que eu chamo de substâncias alimentares comestíveis. Acabamos tentando nos nutrir de imagens.

Um modelo de cozinha comunitária suporta muitos dos nossos conceitos da vida de Doukhobor. Um é o valor cultural profundamente enraizado da comunidade. Nossos antepassados ​​muitas vezes trabalhavam e viviam em comunidade. Através da comunidade, podemos aprender a realizar metas de vida significativas através de talentos e esforços compartilhados que são muito mais difíceis de serem obtidos individualmente. Além disso, novas ideias e novas iniciativas podem ajudar a rejuvenescer os objetivos da nossa organização.

Doukhobor – 2

Assistidos pelo renomado autor Leo Tolstoy e pelos simpatizantes Quaker, os Doukhobors encontraram refúgio contra a perseguição sofrida na Rússia somente no Canadá.

Cerca de 7500 Doukhobors, quase um terço da população total existente, estabeleceram-se nas pradarias canadenses no início dos anos 1900, estabelecendo dezenas de assentamentos comunitários na atual província de Saskatchewan. Confrontado com uma aparente violação do acordo pelo governo canadense em termos de requisitos de propriedade e fidelidade à coroa, uma grande proporção desses Doukhobors escolheu, em princípio, abandonar suas aldeias e quase um quarto de milhão de acres de suas terras cultivadas. Quase 6000 emigraram para a British Columbia em 1908 para se instalar em grandes parcelas de terras adquiridas por eles. Cerca de 80 vilas comunais foram construídas em toda a região de Kootenay-Boundary de B.C. Com elaborados complexos agroindustriais de apoio em Grand Forks e Brilliant, sob a propriedade corporativa da CCUB (Comunidade Cristã da Irmandade Universal). Em 1924, essa comunidade de Doukhobor tornou-se a maior organização comunal desse tipo na América do Norte. A USCC é uma descendente dessa organização e, embora seus membros já não vivam em comunidade, permanece até hoje, a maior organização Doukhobor no Canadá. Além da USCC, organizações e grupos menores de Doukhobor também existem em todas as três províncias ocidentais.

The Historic Brilliant Suspension Bridge is located just upstream from the confluence of the Columbia and Kootenay Rivers que está sendo restaurada:

The Doukhobor Life-Concept

O que compreende esse conceito de vida, geralmente referido como Doukhoborism?

Todo corpo humano é composto de duas partes fundamentais: o espiritual e o físico. O lado espiritual é amadurecido, desenvolvendo ao máximo a nossa capacidade de AMAR, e alimentando constantemente nossas tendências altruísticas. As seduções dos prazeres físicos nem sempre conduzem em uma direção paralela com o crescimento espiritual adequado – portanto, um Doukhobor é uma pessoa que dedica toda a sua vida não apenas a obter satisfações físicas, mas a um contínuo desenvolvimento de seu ESPÍRITO. Ou seja, ele se esforça para viver para que seu ser espiritual sempre esteja no controle de seu eu físico – com todos os seus desejos inerentes.

Portanto, segue-se que essa pessoa, sempre se esforçando para aperfeiçoar suas dotações espirituais e para desenvolver a força de seu espírito, depende apenas dessa força para atingir quaisquer objetivos que ele possa ter. Daí o nome “Doukhobor” ou Spirit-Wrestler, que é a tradução literal da palavra russa – “Doukhoboretz”. Em outras palavras, um Doukhobor basicamente renuncia à força física como meio de combater o mal. Ele renuncia aos métodos obrigatórios e, em geral, a todas as formas de violência como meio de realização de um objetivo, por mais nobre que esse objetivo pareça ser, ou alcançar qualquer estado de bem-estar, por mais importante que possa parecer.

Um  Doukhobor procurara resolver as contendas com o seu poder espiritual, amor e perdão, uma atitude amorosa e simpática, através de suas palavras e reconciliação racionais, e por sua brilhante e exemplar conduta em sua vida cotidiana.

Na verdade, essa é a única maneira pela qual alguém pode realmente conquistar uma pessoa oposta – não através de meios externos de compulsão, mas atraindo seus sentimentos superiores e internos, que eventualmente formam e governam suas ações externas.

Doukhoborism é uma concepção de vida baseada fundamentalmente na crença em Deus e no ensinamento vivo de Jesus Cristo.  “O Reino de Deus na Terra” dá direito a uma pessoa buscar seu lugar na eternidade. Doukhoborism é uma concepção de vida racionalista, que não está ligada a dogmas estáticos. A consciência crescente na Verdade eterna, para a perfeição do nosso Eu Espiritual. Minimizam os ritos cerimoniais às formas mais simplificadas, mas recomendam a seus seguidores aderirem diariamente às regras da Verdade. Ou seja, exige que sejam membros, em todos os aspectos de suas vidas cotidianas, se esforcem para viver de acordo com as leis de Deus ou as regras da Verdade.

É um desenvolvimento sem fim das atitudes internas do homem em seu serviço a Deus e de seus semelhantes: e sendo tudo como se afirma aqui, em nenhum momento pode ser limitado ou confinado em certos limites definidos e não transigir a evolução natural da humanidade em todos os seus aspectos.

Na Declaração da “União das Comunidades Espirituais de Cristo” é dito que se reúnem como membros da Igreja de Cristo, por seus apóstolos. Não existe maior benção do que a vida eterna, em alegria indescritível. Não podemos servir a 2 mestres. Não sejam escravos da corrupção dos homens, mas sim filhos do Espírito livre de Cristo. Cumprir o mandamento: Não matarás. A humanidade se dividiu em inúmeros grupos e partidos políticos, que lutam uns contra os outros, por isso não reconhecem nenhum partido político.

Rende, portanto, a César, as coisas que são de César (isto é, os governos dos homens); E a Deus, as coisas que são de Deus“.

Seja devoto, confie em Deus. Ama-o com todo seu coração. Não deixe de lado uma ocasião para ações dignas. Não embarque em nenhum empreendimento sem uma deliberação cuidadosa, e em seu raciocínio, não se apresse. Não seja tardio, exceto somente em circunstâncias e ocasiões especiais. Não acredite em tudo que você ouve. Não deseje tudo o que vê. Não faça tudo o que puder. Não proclame tudo o que conhece, mas apenas o que deve ser proclamado. O que você não conhece, não afirme, nem negue; O melhor de tudo – pergunte; Então você será discreto. Seja temperado. Não faça comida sem fome. Sem sede não beba, e isso só em pequenas quantidades quando necessário. A intemperança gera doença, a doença traz a morte. Os abstêmios vivem saudáveis ​​e em contínuo bem-estar.

Seja manso, não arrogante – mantendo-s mais em silêncio do que a capacidade de falar; Quando alguém fala – fique quieto; Quando alguém está se dirigindo a você – preste atenção; Quando alguém está transmitindo ordens para você – preencha-os e não se vanglorie; Não seja obstinado, nem querido nem vaidoso. Para todos seja afável – não seja adulador; Seja justo; Não deseje nada pertencente a outros; Não roube – mas em tudo o que você possa precisar, procure-o através do seu trabalho; Na pobreza – peça ajuda; Quando é dado – aceite e agradeça; Tudo o que você pode ter emprestado – retorne; Tudo o que você prometeu – cumpra.”

Seja corajoso, sempre disposto a trabalhar. Deixe toda ociosidade e preguiça. Se você deseja iniciar algum projeto – calibre bem sua força com antecedência, então, prossiga sem soltar. Na adversidade – não perca a esperança; Na prosperidade – não se deteriore moralmente. Mantenha a piedade em alta. Tenha uma observação cuidadosa das diferentes ocorrências na vida de inconstância, infortúnio e tristeza. Seja benevolente e gracioso. Dá ao que pedem de ti – se tiveres; Ajude os pobres – você pode. Se alguém te machucar – perdoe-o; Se você machucou alguém – reconcilie-se com ele. É muito louvável abster-se de manter rancores. Perdoe o pecador – adira ao reconciliador. Se você amar seu próximo – você será amado por todas as pessoas. Seja também obediente aos anciãos, companheiro de iguais e cortês aos subordinados. Cumprimente aqueles a quem você conhece – retorne a saudação daqueles que o saúdam. Para o investigador – dê uma resposta; Aos ignorantes, – dê conselhos, à tristeza – dê conforto. Não inveje ninguém. Deseje o bem a todos.

Sirva a todos e todos – tanto quanto você é capaz. Com suas boas ações, você deve agradar todas as pessoas. Seus amigos te amam – e seus inimigos não poderão te odiar. Sempre fale a verdade – Nunca minta. Observe tudo isso – e a boa sorte sempre será sua sorte. Glória a Deus.

The Brilliant Jam Factory

Entre as muitas empresas das comunidades Doukhobor da Comunidade Cristã da Irmandade Universal, sob a liderança de Peter Lordly Verigin, a mais lembrada é a fábrica de conservas Kootenay-Columbia.

Que foi destruída por homens sem índole. Muitas coisas criadas por esse povo maravilhoso e lutador foram destruídas criminosamente. Mas eles nunca desistiram, nunca usaram a violência como resistência.

USCC Doukhobors Web Banner