Lady Gaga: ‘Yoko Ono and John Lennon inspired my charity work’

Yoko Ono acabou de publicar no Facebook: “O meu amor e admiração pela Lady Gaga nunca mudou. Ela é linda, muito poderosa, e ainda assim expressa vulnerabilidade. Eu acho que ela é o máximo como pessoa e como artista“.

Publicado no http://www.new-magazine.co.uk:

A diferenciada cantora Lady Gaga criou a Fundação Born This Way em 2011. Disse ela na época: “O que está sendo criado não é apenas uma fundação, mas também um movimento”. E segundo a Associação Americana de Psicologia, 70% dos estudantes do ensino médio sofreram bullying e até 15% dos jovens são vítimas crônicas….)  Com a efetivação dessa ideia apoiou um certo número de trabalhos de caridade. Gaga é muitas vezes elogiada por seu trabalho filantrópico, mas ela não se cansa de dizer que deve seus interesses de caridade pelo que fez John Lennon e sua viúva.
Na verdade, sempre fui uma grande fã de Yoko Ono e também do trabalho que realizou com o falecido marido John Lennon, e quando fizeram declarações de paz juntos, eles eram muito simples“, disse a cantora. “Eles diriam coisas como, ‘Dê uma chance para a paz’, e a imprensa diria: ‘Bem, o que você quer dizer com isso?’ E eles diriam: “É o que queremos dizer – apenas dê uma chance”. Pedimos às pessoas que deem uma chance à Paz “.
A jovem de 31 anos recentemente se associou aos organizadores da Staples for Students, que estão doando £ 773,600 para a BTW Foundation e DonorsChoose.org para ajudar a promover um ambiente positivo nas escolas. Ela recentemente visitou estudantes da Escola Intermediária Walter Reed na Califórnia para discutir as dificuldades que enfrentam como adolescentes.
Eles vieram em todas as formas e tamanhos, com diferentes culturas acadêmicas, e havia crianças com deficiência“, diz ela. “Foi extraordinário olhar uns aos outros nos olhos, ouvir o que eles precisavam: ‘Eu preciso ser aceito, eu quero me sentir apoiado, eu quero que a sala de aula seja mais ou menos assim (respeito a todos), porque nasci desse jeito’. Foi realmente poderoso “.
E o encontro com as crianças deu-lhe mais impulso para ajudar.
Todos podem continuar dizendo como o mundo precisa ser um lugar melhor, que estamos em um momento muito negativo, mas isso começa na sala de aula“, ela continua. “O mundo se torna melhor quando as pessoas são gentis“.

Escola Intermediária Walter Reed, na Califórnia:

Reed Middle School Home

pequeñas comunidades de aprendizaje

calendario / calendar

Involucrarse en Reed escuela

 

Doukhobors – 4 – final

Não iremos esgotar o assunto dobre os Doukhobors ou Dukhobors (russo: Духоборы, Dukhobory, anteriormente Dukhobortsy, russo: Духоборцы.

Alguns estudiosos acreditam que a seita teve suas origens no século 17 ou mesmo no século 16. A Bíblia Sagrada foi a fonte chave de sua fé, que é evidente na maioria dos salmos, hinos e crenças de Doukhobor. Os ensinamentos de Jesus Cristo foram aceitos como sua verdade fundamental e se basearam nas características de Deus, como retratado por Jesus, para guiar sua fé como embaixadores pacíficos de Deus.

O porto de Batumi como foi em 1881. Aqui os Doukhobors embarcaram em sua jornada transatlântica em 1898 e 1899 – “Doukhobor Immigrant Shiplists”:

Seu objetivo era internalizar o espírito vivo de Deus para que o espírito de Deus fosse revelado dentro de cada indivíduo.

Hoje, a população estimada de Doukhobors na América do Norte é de 40 mil no Canadá e cerca de 5 mil nos Estados Unidos.

O primeiro líder conhecido de Doukhobor, em 1755-75, foi Siluan Kolesnikov (russo: Силуан Колесников), originário da aldeia de Nikolskoye, na governança de Yekaterinoslav, no que é hoje o centro da Ucrânia central. Ele era familiarizado com as obras dos místicos ocidentais como Karl von Eckartshausen e Louis Claude de Saint-Martin.

Os Doukhobors adiantados chamaram-se “o povo de deus” ou simplesmente “cristãos”. Muitos foram para a Finlândia devido as perseguições no território Russo.

No Canadá…

De acordo com a Lei Dominion Lands de 1872, o governo canadense concederia terrenos de 160 acres (0,65 km2), por uma taxa nominal de US $ 10, para qualquer homem capaz de estabelecer uma fazenda trabalhadora nessa área dentro de três anos. Viver em propriedades unifamiliares não iria encadear a tradição comunitária de Doukhobors. Felizmente, o Ato continha a chamada Cláusula de Hamlet, adotada 15 anos antes para acomodar outros grupos comunitários como os Mennonites, o que permitiria que os beneficiários da Lei não vivessem sobre a concessão real de terras, mas em uma aldeia.  Isso permitiria aos Doukhobors estabelecer um estilo de vida comunal, semelhante aos Hutterites.

Os russos inicialmente se instaram em oito aldeias com 68,9 mil hectares (683,6 km2) de concessão de terras.

O anexo estava ao longo do rio Bom Espírito, fluindo para o Lago Espírito Santo (anteriormente conhecido como Devil’s Lake). E outros locais próximos. Geograficamente, as colônias do Norte e do Sul, bem como o Anexo do Bom Espírito do Lago (Anexo do Lago do Diabo, a não-crentes) estavam em torno de Yorkton, não muito longe da fronteira com Manitoba de hoje.

Mulheres de Doukhobor puxando um arado, Thunder Hill Colony, Manitoba:

Peter Verigin, o líder de Doukhobor, induziu seguidores a libertar seus “irmãos” (animais) e puxar seus vagões e arados. Nas terras que lhes foram concedidas nas praias, os colonos estabeleceram vilas ao longo da mesma linha que no país antigo. Algumas das novas aldeias receberam os mesmos nomes russos que as aldeias de casas dos colonos na Transcaucásia (por exemplo, Spasovka, Large e Small Gorelovka, Slavianka); Outros ganharam nomes mais abstratos, “espirituais”, não comuns na Rússia: “Uspeniye” (“Dormição”), “Terpeniye” (“Paciência”), “Bogomdannoye” (“Dado por Deus”), “Osvobozhdeniye” (“Libertação” ‘).

Os colonos encontraram invernos em Saskatchewan muito mais severos que os da Transcaucásia e expressaram uma decepção particular de que o clima não era tão adequado para o cultivo de frutas e vegetais. Muitos dos homens achavam necessário empreender empregos não agrícolas, especialmente na construção ferroviária, enquanto as mulheres ficavam para trás até chegarem à terra.

Devido à aversão que os líderes dos Doukhobors expressaram em relação à propriedade privada de terras, Petr Verigin (que cumpriu sua sentença e veio ao Canadá em 1902) conseguiu ter terra registrada em nome da comunidade. Mas em 1906, o Governo Dominionista, na pessoa de Frank Oliver, o Ministro do Interior, começou a exigir o registro da terra em nome de proprietários individuais. A recusa de muitos Doukhobors em fazê-lo resultou em 1907 no retorno de mais de um terço de Doukhobors para a Rússia.

E assim começaram os problemas, o que os levou a ir para a localidade onde estão atualmente, fora os que se espalharam passando a fronteira indo para o estado de Washington e Oregon.

Interessante que uma certa Rose Glason Osburn sempre teve um interesse nesse sofrido povo, que não abandonava sua crença. E os auxiliou bastante, Ela era membro da Theosophical Society of America, fundada por outra emigrante russa, Helena Petrovna Blavatsky conhecida como a “a mãe da espiritualidade moderna”. Madame Blavatsky pregava a fraternidade universal, e os Doukhobors pareciam oferecer a Osburn um exemplo vivo de como isso pode ser praticado, vivenciado.

E os ajudou. Concluiu-se que “mover a comunidade para os Estados Unidos teria privado o Canadá de um grande contingente de trabalhadores”. Importante para construção do País.

O que sempre incomodou e incomoda muita gente são as pessoas que pensam diferente, e lutam para viver mais felizes neste mundo difícil.

Cuidavam das sementes, eram ambientalistas com preocupação ecológica, difundiam o vegetarianismo, alimentos orgânicos, curas naturais com ervas. Pregavam um desenvolvimento sustentável. Eram vitais no estabelecimento de infraestrutura, tais como estradas e estradas de ferro. Construíam grandes comunidades com arquitetura exótica. Os colonizadores que não eram Doukhobor procuravam muitas vezes os Doukhobors para ajuda médica, porque não existia nenhum hospital para os desbravadores. Eles não gostavam quando se tirava uma erva daninha que não estivesse prejudicando seus gerânios.

E vivendo em uma terra estrangeira, em um deserto severo e indomável com milhas e milhas de terras planas, cruas, duras e tortuosas, neblinas, mosquitos sinistros, não desistiam. As elites do Canadá tinham um modelo bem sucedido de agricultura, mas era um precedente perigoso para a sustentabilidade. Tudo isso acabou isolando o grupo do mundo exterior.

 

 

Doukhobor – 3

 

O Centro de Treinamento e Exposição de Arte e Artesanato de Doukhobor oferece aos artesãos locais um espaço de trabalho moderno e bem equipado para praticar e ensinar artes e ofícios tradicionais de Doukhobor. As atividades no Centro se concentram principalmente na preservação, aprimoramento e exibição de artes de fibra e artesanato de Doukhobor:

Grand Forks Community Centre:

The Verigin Memorial Park is an important historical Doukhobor burial site and flower garden:

À medida que os Doukhobors se firmaram no Canadá eles foram fortalecidos em sua opção vegetariana, pelo conhecimento de que esse caminho foi seguido por muitas pessoas conhecidas como Leo Tolstoy, Mahatma Gandhi, Leonardo da Vinci e Albert Einstein. As vantagens econômicas e ecológicas de um estilo de vida vegetariano também se tornam evidentes, combinadas com os aspectos éticos e nutricionais. Atualmente as estatísticas de pesquisas provaram que as pessoas que evitam o uso de álcool, tabaco e produtos de origem animal para alimentação gozam de uma saúde superior e de uma vida média significativamente maior. Tudo isso atesta a notável sabedoria, previsão e compromisso dos nossos antepassados, os ​​honoráveis ​​Doukhobor.

Pão Sal e Água

Desde tempos antigos, o homem teve a tendência de tentar simbolizar com objetos materiais pelo menos um reflexo parcial de pontos importantes de seus conceitos de vida. Quando os Doukhobors começaram a se desvincular dos rituais da Igreja Ortodoxa Grega, foi por iniciativa de seus primeiros líderes espirituais que suas próprias formas de culto foram estabelecidas. Nos nossos antepassados ​​foi transmitido por nossos antepassados ​​que o grande avanço no estabelecimento de formas de culto de Doukhobor ocorreu no assentamento Milky Waters, na província de Tavria, no início dos anos 1800, sob o destacado líder de Doukhobor, Saveliy Kapustin. Tendo deixado de lado a idolatria da Bíblia e outros chamados escritos sagrados, os Doukhobors reconheceram como sua orientação o seu próprio “Livro da Vida”, composto de salmos. Sobre a mesa que estava à frente da congregação, os Doukhobors colocavam Pão, Sal e Água. Em semelhança com os primeiros cristãos, os homens se juntavam à direita da mesa e as mulheres à esquerda. Durante o seu serviço de oração, cada pessoa se inclinava contra a pessoa ao lado dele, significando um reconhecimento do espírito de Deus, que de acordo com as crenças de Doukhobor, habitava no coração e na alma de cada ser humano individual.

Pão, sal e água simbolizavam a paz e a hospitalidade entre os eslavos desde os tempos mais antigos. Quando uma tribo antiga encontrava outra tribo com pão e sal em um prato, isso significava que eles estavam prontos e dispostos a viver com eles em paz e amizade e compartilhar com eles os produtos de seu trabalho.

 

Alimentos

Desde suas origens na Rússia antiga, os Doukhobors mantiveram uma conexão profunda com suas raízes agrárias. Suas habilidades hortícolas foram ajustadas nas pradarias canadenses quando cultivaram, em conjunto, milhares de hectares, cultivando trigo e outros grãos. O moinho de farinha do Pride of The Valley está localizado perto do Centro Comunitário da USCC em West Grand Forks e atualmente é mantido por um grupo sem fins lucrativos, a Doukhobor Milling Heritage Society, que em grande parte é constituída por membros da USCC. Os membros da sociedade continuam a gerar grãos sob demanda, embora agora eles comprem seus grãos. Eles moem trigo marrom e branco, centeio e triticale, um cruzamento entre trigo e centeio que produz uma excelente farinha para pão e waffle. Eles também produzem um excelente farelo. Os produtos Orgulho do Vale (Pride of the Valley) são distribuídos na área Kootenay-Boundary e no Okanagan em várias lojas de varejo e também são usados ​​pelos grupos USCC Ladies Pan e Lapsha.

Proposta de cozinha comunitária Doukhobor

A inspiração para começar esta iniciativa localmente veio de um documentário chamado “Cooked” de Michael Pollan –  onde fala sobre sua preocupação de que muitas vezes estamos voltando para lojas de fast food. Ele ressalta a importância de voltar às refeições caseiras. Em seu site, ele observa: “Enquanto permitimos que as corporações façam a maior parte da nossa comida para nós, nossa agricultura continuará a ser dominada por monoculturas gigantes de grãos e fábricas de animais…”

O declínio da cozinha doméstica diária não só prejudica a saúde de nossos corpos e nossa terra, mas também nossas famílias, nossas comunidades e nosso senso de como nossa alimentação nos conecta ao mundo. Nossa crescente distância de qualquer envolvimento direto e físico com os processos pelos quais a matéria-prima da natureza se transforma em uma refeição cozida está mudando nossa compreensão do que é a comida. Na verdade, a ideia de que a comida tem alguma conexão com a natureza ou trabalho humano ou imaginação é difícil de aceitar quando chega em um pacote limpo, totalmente formado. A comida se torna apenas outra mercadoria, uma abstração. E, assim que isso acontece, nos tornamos uma presa fácil para as corporações que vendem versões sintéticas da coisa real – o que eu chamo de substâncias alimentares comestíveis. Acabamos tentando nos nutrir de imagens.

Um modelo de cozinha comunitária suporta muitos dos nossos conceitos da vida de Doukhobor. Um é o valor cultural profundamente enraizado da comunidade. Nossos antepassados ​​muitas vezes trabalhavam e viviam em comunidade. Através da comunidade, podemos aprender a realizar metas de vida significativas através de talentos e esforços compartilhados que são muito mais difíceis de serem obtidos individualmente. Além disso, novas ideias e novas iniciativas podem ajudar a rejuvenescer os objetivos da nossa organização.

Doukhobor – 2

Assistidos pelo renomado autor Leo Tolstoy e pelos simpatizantes Quaker, os Doukhobors encontraram refúgio contra a perseguição sofrida na Rússia somente no Canadá.

Cerca de 7500 Doukhobors, quase um terço da população total existente, estabeleceram-se nas pradarias canadenses no início dos anos 1900, estabelecendo dezenas de assentamentos comunitários na atual província de Saskatchewan. Confrontado com uma aparente violação do acordo pelo governo canadense em termos de requisitos de propriedade e fidelidade à coroa, uma grande proporção desses Doukhobors escolheu, em princípio, abandonar suas aldeias e quase um quarto de milhão de acres de suas terras cultivadas. Quase 6000 emigraram para a British Columbia em 1908 para se instalar em grandes parcelas de terras adquiridas por eles. Cerca de 80 vilas comunais foram construídas em toda a região de Kootenay-Boundary de B.C. Com elaborados complexos agroindustriais de apoio em Grand Forks e Brilliant, sob a propriedade corporativa da CCUB (Comunidade Cristã da Irmandade Universal). Em 1924, essa comunidade de Doukhobor tornou-se a maior organização comunal desse tipo na América do Norte. A USCC é uma descendente dessa organização e, embora seus membros já não vivam em comunidade, permanece até hoje, a maior organização Doukhobor no Canadá. Além da USCC, organizações e grupos menores de Doukhobor também existem em todas as três províncias ocidentais.

The Historic Brilliant Suspension Bridge is located just upstream from the confluence of the Columbia and Kootenay Rivers que está sendo restaurada:

The Doukhobor Life-Concept

O que compreende esse conceito de vida, geralmente referido como Doukhoborism?

Todo corpo humano é composto de duas partes fundamentais: o espiritual e o físico. O lado espiritual é amadurecido, desenvolvendo ao máximo a nossa capacidade de AMAR, e alimentando constantemente nossas tendências altruísticas. As seduções dos prazeres físicos nem sempre conduzem em uma direção paralela com o crescimento espiritual adequado – portanto, um Doukhobor é uma pessoa que dedica toda a sua vida não apenas a obter satisfações físicas, mas a um contínuo desenvolvimento de seu ESPÍRITO. Ou seja, ele se esforça para viver para que seu ser espiritual sempre esteja no controle de seu eu físico – com todos os seus desejos inerentes.

Portanto, segue-se que essa pessoa, sempre se esforçando para aperfeiçoar suas dotações espirituais e para desenvolver a força de seu espírito, depende apenas dessa força para atingir quaisquer objetivos que ele possa ter. Daí o nome “Doukhobor” ou Spirit-Wrestler, que é a tradução literal da palavra russa – “Doukhoboretz”. Em outras palavras, um Doukhobor basicamente renuncia à força física como meio de combater o mal. Ele renuncia aos métodos obrigatórios e, em geral, a todas as formas de violência como meio de realização de um objetivo, por mais nobre que esse objetivo pareça ser, ou alcançar qualquer estado de bem-estar, por mais importante que possa parecer.

Um  Doukhobor procurara resolver as contendas com o seu poder espiritual, amor e perdão, uma atitude amorosa e simpática, através de suas palavras e reconciliação racionais, e por sua brilhante e exemplar conduta em sua vida cotidiana.

Na verdade, essa é a única maneira pela qual alguém pode realmente conquistar uma pessoa oposta – não através de meios externos de compulsão, mas atraindo seus sentimentos superiores e internos, que eventualmente formam e governam suas ações externas.

Doukhoborism é uma concepção de vida baseada fundamentalmente na crença em Deus e no ensinamento vivo de Jesus Cristo.  “O Reino de Deus na Terra” dá direito a uma pessoa buscar seu lugar na eternidade. Doukhoborism é uma concepção de vida racionalista, que não está ligada a dogmas estáticos. A consciência crescente na Verdade eterna, para a perfeição do nosso Eu Espiritual. Minimizam os ritos cerimoniais às formas mais simplificadas, mas recomendam a seus seguidores aderirem diariamente às regras da Verdade. Ou seja, exige que sejam membros, em todos os aspectos de suas vidas cotidianas, se esforcem para viver de acordo com as leis de Deus ou as regras da Verdade.

É um desenvolvimento sem fim das atitudes internas do homem em seu serviço a Deus e de seus semelhantes: e sendo tudo como se afirma aqui, em nenhum momento pode ser limitado ou confinado em certos limites definidos e não transigir a evolução natural da humanidade em todos os seus aspectos.

Na Declaração da “União das Comunidades Espirituais de Cristo” é dito que se reúnem como membros da Igreja de Cristo, por seus apóstolos. Não existe maior benção do que a vida eterna, em alegria indescritível. Não podemos servir a 2 mestres. Não sejam escravos da corrupção dos homens, mas sim filhos do Espírito livre de Cristo. Cumprir o mandamento: Não matarás. A humanidade se dividiu em inúmeros grupos e partidos políticos, que lutam uns contra os outros, por isso não reconhecem nenhum partido político.

Rende, portanto, a César, as coisas que são de César (isto é, os governos dos homens); E a Deus, as coisas que são de Deus“.

Seja devoto, confie em Deus. Ama-o com todo seu coração. Não deixe de lado uma ocasião para ações dignas. Não embarque em nenhum empreendimento sem uma deliberação cuidadosa, e em seu raciocínio, não se apresse. Não seja tardio, exceto somente em circunstâncias e ocasiões especiais. Não acredite em tudo que você ouve. Não deseje tudo o que vê. Não faça tudo o que puder. Não proclame tudo o que conhece, mas apenas o que deve ser proclamado. O que você não conhece, não afirme, nem negue; O melhor de tudo – pergunte; Então você será discreto. Seja temperado. Não faça comida sem fome. Sem sede não beba, e isso só em pequenas quantidades quando necessário. A intemperança gera doença, a doença traz a morte. Os abstêmios vivem saudáveis ​​e em contínuo bem-estar.

Seja manso, não arrogante – mantendo-s mais em silêncio do que a capacidade de falar; Quando alguém fala – fique quieto; Quando alguém está se dirigindo a você – preste atenção; Quando alguém está transmitindo ordens para você – preencha-os e não se vanglorie; Não seja obstinado, nem querido nem vaidoso. Para todos seja afável – não seja adulador; Seja justo; Não deseje nada pertencente a outros; Não roube – mas em tudo o que você possa precisar, procure-o através do seu trabalho; Na pobreza – peça ajuda; Quando é dado – aceite e agradeça; Tudo o que você pode ter emprestado – retorne; Tudo o que você prometeu – cumpra.”

Seja corajoso, sempre disposto a trabalhar. Deixe toda ociosidade e preguiça. Se você deseja iniciar algum projeto – calibre bem sua força com antecedência, então, prossiga sem soltar. Na adversidade – não perca a esperança; Na prosperidade – não se deteriore moralmente. Mantenha a piedade em alta. Tenha uma observação cuidadosa das diferentes ocorrências na vida de inconstância, infortúnio e tristeza. Seja benevolente e gracioso. Dá ao que pedem de ti – se tiveres; Ajude os pobres – você pode. Se alguém te machucar – perdoe-o; Se você machucou alguém – reconcilie-se com ele. É muito louvável abster-se de manter rancores. Perdoe o pecador – adira ao reconciliador. Se você amar seu próximo – você será amado por todas as pessoas. Seja também obediente aos anciãos, companheiro de iguais e cortês aos subordinados. Cumprimente aqueles a quem você conhece – retorne a saudação daqueles que o saúdam. Para o investigador – dê uma resposta; Aos ignorantes, – dê conselhos, à tristeza – dê conforto. Não inveje ninguém. Deseje o bem a todos.

Sirva a todos e todos – tanto quanto você é capaz. Com suas boas ações, você deve agradar todas as pessoas. Seus amigos te amam – e seus inimigos não poderão te odiar. Sempre fale a verdade – Nunca minta. Observe tudo isso – e a boa sorte sempre será sua sorte. Glória a Deus.

The Brilliant Jam Factory

Entre as muitas empresas das comunidades Doukhobor da Comunidade Cristã da Irmandade Universal, sob a liderança de Peter Lordly Verigin, a mais lembrada é a fábrica de conservas Kootenay-Columbia.

Que foi destruída por homens sem índole. Muitas coisas criadas por esse povo maravilhoso e lutador foram destruídas criminosamente. Mas eles nunca desistiram, nunca usaram a violência como resistência.

USCC Doukhobors Web Banner

Doukhobors – 1

Uma reportagem de outubro de 2014, feita pela jornalista Gabrielle Tetrault-Farber, no The Moscou times, sobre os Doukhobors, povo que acredita no caminho espiritual interior, recorda o que ocorreu com esse povo no passado. A reportagem é sobre um casal que voltou do Canadá para viver novamente na Rússia (você vai entender melhor lendo a reportagem abaixo) e exatamente no local onde morou (e tem o museu de Leo Tolstoy): Yasnaya Polyana, localidade próxima da cidade de Tula, na Rússia. Veja, é uma reportagem de 2014: Elaine e Alfred, descendentes dos Doukhobors e que seguem seu ensinamento. A seguir trecho da reportagem, que fala também sobre o auxílio do Tolstoy:

Os Doukhobors surgiram no século 18, por não aceitarem as práticas da Igreja Ortodoxa Russa. Acredita-se que o nome do grupo tenha sido cunhado pelo arcebispo Ambrosius de Moscou, que em 1785 apelidou de seus membros “Dukhobortsy”, que literalmente significa “lutadores espirituais”. A Igreja Ortodoxa viu-os como incompatíveis com o Espírito Santo. Os Doukhobors aceitaram o nome, mas lhe deram a sua própria interpretação: “iria” lutar contra a injustiça, com a força de seu espírito, e não com força. (veja que interessante, como tem tudo a ver com Tolstoy)

Os Doukhobors viviam simplesmente, rejeitavam ícones e a Bíblia como ensinamentos literais e acreditavam que Deus habita em todo ser humano. Como pacifistas convictos, eles se recusaram a lutar pelo czar, apesar dos decretos na década de 1820 que os forçaram a se inscrever e adotar o cristianismo ortodoxo. Os Doukhobors foram perseguidos em grande escala e a maioria de sua população, que totalizava vários milhares, foi exilada para o Cáucaso e a Sibéria.

Espíritos de Kindred (quando duas pessoas fazem uma conexão especial, compartilhando um vínculo, uma experiência que os atraiu e juntou em um nível mais alto de consciência)

Ao ouvir as dificuldades dos Doukhobors em 1894, Tolstoy ficou intrigado com o estilo de vida, o pacifismo e a rejeição às instituições da Igreja Ortodoxa. A filosofia de Doukhobors, ele percebeu, era semelhante à sua.

“Os Doukhobors foram submetidos à flagelação, encarceramento e todo tipo de torturas em batalhões disciplinares, dos quais muitos morreram”, escreveu Tolstoy em um apelo para aumentar a conscientização sobre sua situação em 1898. “Eles me pediram para ajudá-los, e então considero meu dever dirigir-me a todas as pessoas boas, russas e da sociedade europeia, pedindo-lhes que ajudem os Doukhobors a sair da situação dolorosa em que eles agora se encontram”.

Tolstoy teria doado $ 17,000 de seus ganhos de seu último romance, “Ressurreição”, para reassentar os Doukhobors no Canadá. As famílias de Elaine e Alfred estavam entre as que se beneficiaram da generosidade de Tolstoy.

“Tolstoy e os Doukhobors tiveram uma relação simbiótica”, disse Andrew Donskov, um estudioso de Tolstói na Universidade de Ottawa. “Os Doukhobors precisavam da ajuda de Tolstoy para deixar a Rússia, e Tolstoy – que era muito pragmático – e precisava dos Doukhobors para servir como um exemplo de seus ensinamentos”.

Em 1899, cerca de 7.500 Doukhobors (do Cáucaso do Norte – parte norte da principal cadeia das montanhas do Cáucaso até as planícies do Sul da Rússia onde está a cidade de Tula), um terço da comunidade, emigraram para o Canadá. O filho mais velho de Tolstoy, Sergei, acompanhou 2.300 deles na viagem transatlântica de 23 dias para Halifax. Os Doukhobors seguiram então para as províncias central e ocidental de Saskatchewan, Alberta e British Columbia.

Hoje (2014), há entre 30.000 e 40.000 pessoas da descendência de Doukhobor no Canadá, de acordo com a biblioteca e os arquivos federais do país. No censo canadense de 2011, 2.290 indivíduos descreveram sua fé como “Doukhobor”. Os Doukhobors do Canadá estão integrados na sociedade, mas mantêm suas tradições através de músicas espirituais de língua russa.

Elaine e Alfred cresceram lendo e escrevendo russo, e depois de 14 anos aqui, agora são fluentes no idioma, embora suas raízes estrangeiras sejam audíveis em seu discurso. Elaine, 67, disse que às vezes é levada para um ucraniano. “Meu pai sempre dizia:” Po-russki, po-russki! ” (“Diga isso em russo, em russo!”) “, disse Elaine, que dirige duas escolas de inglês em Moscou. “Nós sempre fomos encorajados a falar russo. A linguagem era parte de como mantivemos nossas tradições vivas”.

Eles e seus filhos (que se formaram no Canadá) residem na Russia.

“Eu percebi que faltava alguma coisa na minha vida no Canadá”, disse Elaine. “Minha alma russa não estava ligada lá. E você não pode se afastar de uma alma russa”. “Os Doukhobors construíram estradas e celeiros no Canadá, mas ainda me senti um pouco como um estrangeiro lá”, disse Alfred. “Quando eu voltei para a Rússia, eu realmente me senti em casa. Eu vivi metade da minha vida no Canadá. Por que não viver a outra metade aqui?”

Durante vários anos, os Podovinikoffs dividiram seu tempo entre Moscou e Tula, que eles usaram como base para construir sua casa no coração do local de nascimento de Tolstoy, Yasnaya Polyana.

Alfred lembrou apenas um incidente. Muitos anos atrás, um sacerdote ortodoxo chamou-o de “pecador” por ser um Doukhobor. “Eu não sou pecador”, ele respondeu ao padre. “Os pecadores são aqueles que ensinam nossos jovens a matar e aqueles que os abençoam”.

E com isso, Alfred fez o que qualquer Doukhobor faria: continuou no caminho.

Leo Tolstoy: não usar a violência como resistência.

Leo Tolstoy (Lev Nikolaevich Tolstoy) nasceu em Yasnaya Polyana, propriedade da família próximo da cidade de Tula, Russia, que ficava a 200km  de Moscou. Fundou a escola Yasnaya Polyana, em sua propriedade (vídeo no final deste post). Na primavera de 1861, Tolstoi voltou para Yasnaya Polyana e retomou seus esforços para promover o crescimento de sua escola:

  • a educação não pode e não deve ser obrigatória, mas deve crescer organicamente dentro da experiência de vida das próprias pessoas.
  • O método de instrução mais conveniente para o professor é menos conveniente para os alunos. O único caminho certo de ensino é o que é satisfatório para os alunos.
  • Não temos iniciantes … como qualquer organismo vivo, a escola não só varia com cada ano, dia e hora, mas também está sujeita a crises temporárias …
  • Ao oferecer aos alunos apenas um número mínimo de idéias, eles poderiam continuar em seu próprio caminho literário. Este método não obrigatório de ensino de escrita levou a várias coisas: os meninos não só completaram a tarefa, mas também expressaram um profundo interesse no processo de redação.

Seus clássicos devem ser lidos obrigatoriamente :War and Peace (1869) and Anna Karenina (1877). Existem filmes sobre os 2 livros.

Fez um tratado para a não violência, a não resistência do ensinamento cristão. Influenciou diretamente Mahatma Gandhi com essas idéias, que constavam de seu importante livro The Kingdom of God Is Within You – O Reino de Deus está em vós.

Cabe dizer que este livro esteve proibido por muito tempo. Em 1908, Tolstoi escreveu uma carta a um hindu, descrevendo sua crença na não violência como meio para que a Índia ganhasse a independência do domínio colonial britânico. Em 1909, uma cópia da carta foi lida por Gandhi, que trabalhava como advogado na África do Sul na época e apenas se tornando um ativista. A carta de Tolstoi foi significante para Gandhi, que escreveu para Tolstoi buscando provas de que ele era o verdadeiro autor, levando a uma maior correspondência entre eles. Ler o livro o Reino de Deus está dentro de vós, de Tolstoi, também convenceu Gandhi a evitar a violência e defender a resistência não-violenta, uma dívida que Gandhi reconheceu em sua autobiografia, chamando Tolstoi de “o maior apóstolo da não-violência que a era presente produziu”. A correspondência entre Tolstoi e Gandhi só duraria um ano, de outubro de 1909 até a morte de Tolstoi em novembro de 1910. Além da resistência sem violência, os dois compartilharam uma crença comum nos méritos do vegetarianismo, assunto de vários ensaios de Tolstoi.

Tolstoi também se tornou um grande defensor do movimento esperanto. Tolstoi ficou impressionado com as crenças pacifistas dos Doukhobors e levou a perseguição à atenção da comunidade internacional, depois que eles queimaram suas armas em protesto pacífico em 1895. Ele ajudou os Doukhobors a migrar para o Canadá. Em 1904, durante a Guerra Russo-Japonesa, Tolstoi condenou a guerra e escreveu ao sacerdote budista japonês Soyen Shaku numa tentativa fracassada de fazer uma declaração pacífica conjunta.

Onde viveu:

E tem um filme que tenta retratar o final da vida de Tolstoy:

E agora aquele momento interior muito importante

Devemos viver a vida, dançar nosso tango, cuidar da família e manter amigos. Porém, temos que aproveitar os breves momentos em que uma brecha se abre em nosso ser, e dar espaço para o essencial.

Não podemos desperdiçar os momentos de plena liberdade e nos conhecer, penetrar no mais profundo de nosso ser.

E lembro do que dizia Goethe sobre a musica de Bach:
«É como se a harmonia eterna conversasse consigo mesma, exatamente como deve ter acontecido no coração de Deus, um pouco antes da criação do mundo»

Sinta no trecho abaixo, dessa que é considerada a obra máxima já feita na música, perfeita em todos os detalhes. Bach era um compositor sério e queria transmitir sua música, exatamente como Deus o faria, para quem tivesse ouvidos para ouvir, soubesse ouvir, sentir no mais profundo do ser. Vai nessa.

Have mercy, God!