Escolas democráticas: Sudbury Valley School

Preservar a luz interior, a essência das crianças deve ser a meta principal dos Pais e seus auxiliares: Escolas e Professores.

A criança deve fazer seus estudos da forma mais flexível que for possível. Não podemos tomar todo o tempo das crianças com conceitos, etc.

E temos que nos alegrar pelas várias inciativas nesse sentido. Wilhelm Reich sempre alertou sobre a importância de proteger essa essência, que ele referia como Cristo dentro da criança. Seu livro sobre isso foi queimado no estado de Maine (EUA) ????? e faleceu na cidade de Portland, Maine – misteriosamente na prisão. E também seus trabalhos sobre curas. Mas deixou um legado, que é a necessidade de atravessarmos as nervuras criadas em nosso ser desde a gestação para um caminho espiritual. E a Escola está inserida.

“Onde você trabalha?”

“Na Escola de Sudbury Valley.”

“O que você faz?”

“Nada.”

“Não fazer nada em Sudbury Valley requer muita energia e disciplina, além de muitos anos de experiência. Eu fico melhor nisso a cada ano, e me diverte ver como eu e outras pessoas lutamos com o conflito interno que surge em nós, inevitavelmente. O conflito é entre querer fazer coisas pelas pessoas, transmitir seu conhecimento e passar adiante sua sabedoria arduamente conquistada, e a compreensão de que as crianças devem aprender por conta própria e em seu próprio ritmo. O uso que fazem de nós é ditado pelos desejos deles, não pelos nossos. Temos que estar presentes quando solicitados, não quando decidimos que devemos estar.

Sudbury School moves to Mount Washington - Baltimore Sun

Ensinar, inspirar e dar conselhos são atividades naturais que os adultos de todas as culturas e lugares parecem praticar quando estão perto das crianças. Sem essas atividades, cada geração teria que inventar tudo de novo, da roda aos dez mandamentos, da metalurgia à agricultura. O homem passa conhecimento aos jovens de geração em geração, em casa, na comunidade, no local de trabalho – e, supostamente, na escola. Infelizmente, quanto mais as escolas de hoje se esforçam para orientar os alunos individualmente, mais elas prejudicam as crianças. Essa afirmação exige explicação, pois parece contradizer o que acabo de dizer, a saber, que os adultos sempre ajudam as crianças a aprender como entrar no mundo e a se tornar úteis nele. O que aprendi, muito lenta e dolorosamente ao longo dos anos, é que as crianças tomam decisões vitais por si mesmas de maneiras que nenhum adulto poderia ter previsto ou mesmo imaginado.

Consumidor e o automóvel

Precisamos nos deslocar e o melhor meio no Brasil ainda é o automóvel.

A Ford abandonou seus clientes brasileiros e agora quer que compremos seus veículos mais caros. Eu não vejo futuro na nova fórmula, pelos veículos oferecidos.

A Fiat e Jeep tem que ajudar os consumidores que compraram o Renegade e Compass com motores que agora serão substituídos pelos novos turbo. Fui ver o nível do óleo de um 1.8 outro dia e não consegui ter certeza do nível.

Outro item que não gosto é o star/stop pois fica aquele desliga e liga e economia mesmo sei lá.

A Honda dizem que vai parar de fabricar o Fit e até versões mais baratas do Civic.

O T-cross é Nivus sâo interessantes.

Carros de entrada já estão bem caros (não gosto do Renaukt kwid e Fiat Mobly), tem o Sandero, Polo , HB20, Argo e Onix – qual escolher?

Tá bem difícil. Passando dos 100mil tem várias opções.

Vale a pena arriscar os da Caoa com câmbio CVT. São muito bonitos externamente.

O ideal seria elétrico, mas o preço alto demais.

E alugar?

CATECISMO DE LA QUÍMICA SUPERIOR -KARL VON ECKARTSHAUSEN

DE LA ADHESIÓN A LA LUZ  

PREGUNTA: ¿Cuál es el primer capítulo de la auténtica doctrina de la Luz? 

RESPUESTA: La adhesión a la Luz y su conocimiento, pues sin esta adhesión y este conocimiento es imposible hacer actuar una fuerza y realizar o consumar una cosa.

P: ¿En qué debe creer y a qué adherirse cada hijo de la Luz? 

R: En lo que los hombres de la Luz han enseñado en los 12 artículos de la comunidad auténtica de la Luz:

6) Se realzó hasta la perfección suprema, como fuerza de Luz brillante del fuego todo poderoso.

7) Y después de haber alcanzado esta perfección suprema, es capaz de dar vida a todo lo que está muerto, y de perfeccionar aquello que era imperfecto.

8) Creo en el espíritu de la Luz que emana del fuego y del calor, y lo conozco.

9) Me adhiero a la santa, universal y verdadera comunidad de la Luz, asociación y unión de aquellos que están capacitados para la Luz. 

10) Me adhiero a la abolición de las enfermedades y de la miseria. 

11) Creo en la renovación de nuestro ser. 

12) Creo en la felicidad suprema de la vida.

No próximo post as 6 primeiras.

Os Produtos plant-based são para veganos e vegetarianos ou para consumidores de carne animal?

A explosão no consumo de produtos plant-based e a posição de alguns chefs famosos dizendo que veganos devem comer plantas com gosto de plantas nos faz refletir.

A pergunta básica é: os Produtos plant-based são para veganos e vegetarianos ou para consumidores de carne animal?

Outra pergunta: qual o motivo da Beyond Meat preferir que seus produtos sejam colocados nos supermercados – nas prateleiras que vendem carnes animais? Lado a lado.

Claro que os veganos e consumidores plant-based preferem comer os próprios vegetais e até fazer suas próprias composições. E tem todo o direito de, de vez em quando, usufruir desses produtos industrializados plant-based. E imagine, num churrasco com familiares e amigos fazer somente abobrinha, brócolis, etc – se temos produtos quase similares, no caso do Beyond, eles não sentirão falta da carne. E tem o outro lado, eles fazem carne e você leva Beyond – com certeza o Beyond terminará antes e você tem que correr para pegar, antes que acabe.

Concluindo: Os produtos Beyond Meat e similares (tipo Mercedes Bens e outras marcas) são criados para os consumidores habituais de carne animal, eles são o foco principal desses produtos. E os veganos aproveitam. No caso da Beyond, com a inauguração de suas fábricas na Holanda e China, ajudarão as pessoas a ter uma alimentação mais sadia e diminuirá, com o tempo, consideravelmente a importação de carne animal. Mais pessoas irão trabalhar na agricultura familiar para se cadastrar, e oferecer seus produtos para essas gigantes da alimentação plant-based.

Esperamos, que a Beyond não se esqueça da América do Sul – dentro de alguns anos. E todas as outras fabricantes plant-based brasileiras ou não terão um futuro de enorme sucesso, pois a Beyond sozinha não dará conta.

@beyondmeat

#carnevegetal #carneplantbased #plantbasedmeat #futurovegano #futuroplanbased #futuroéagora #beyondmeat #veganos #churrascoeraaquarius #embrevemuitasmudanças #alimentaçãodofuturo #plantas #aalimentaçãodequalquertipodependedeplantas

Podemos ver a alma como a totalidade, cujo próprio tecido é a essência?

AHAlmaas:

“Podemos ver a essência como um potencial da alma, como seu potencial mais primordial; mas também podemos ver a alma como um dos aspectos da essência, como o aspecto da vida.

Podemos ver a essência como a base da alma, mas também podemos ver a alma como a totalidade cujo próprio tecido é a essência. Ambas as possibilidades surgem na experiência direta e em estágios avançados da jornada interior, a diferença entre as duas se dissolve gradualmente.

Neste ponto, experimentamos uma alma essencial, ou uma essência dinâmica, indicando uma coemergência completa e total de essência e alma, refletindo a não dualidade primordial da Realidade. A distinção entre essência e alma não é fácil de fazer, porque é uma diferenciação sutil. A principal dificuldade surge em confundir consciência com vida. Quando se experimenta a essência como uma presença consciente, geralmente não é fácil reconhecer que isso é diferente de estar vivo, pois não se diferencia a vida da consciência. Em nossa experiência normal, consciência e vivacidade são inseparáveis. Raramente, ou nunca, experimentamos um sem o outro. E quando experimentamos a consciência pura, não podemos diferenciá-la da vida, porque tendemos a acreditar que ser consciente é estar vivo. Mesmo pesquisadores interessados ​​em experiências de morte, ou experiências fora do corpo, tendem a não explorar a questão de se nessas condições a alma se sente viva ou apenas como consciente. Esses pesquisadores geralmente acreditam que a vida termina com a morte e que, embora algum tipo de consciência sobreviva à morte, não há curiosidade sobre se essa consciência estará se experienciando apenas como consciente, ou consciente e viva do jeito que é no corpo. A suposição implícita parece ser que a consciência continuará a estar imbuída da sensação de vivacidade, como na vida física, embora se acredite que a vida termina com a morte. O principal motivo dessa situação é que, embora todos conheçam a alma, embora não explicitamente, a experiência da essência é rara. Quando experimentamos a essência, sabemos o que é consciência pura, que está além da sensação de vivacidade, mais fundamental do que a vida. Compreender a propriedade da vida na alma aprofunda e expande nossa apreciação da vida por ela mesma. Começamos a reconhecer o valor intrínseco da vida, e especialmente o valor da vida humana, pois é a vida da alma humana, a alma com potencial infinito. Apreciar e amar a vida é inseparável de amar e valorizar a alma. Queremos que nossa vida seja plena porque é a plenitude de nossa alma que é nossa janela para o universo, nosso órgão de experiência. Não queremos apenas ser livres de alma humana, a alma com potencial infinito. Apreciar e amar a vida é inseparável de amar e valorizar a alma. Queremos que nossa vida seja plena porque é a plenitude de nossa alma que é nossa janela para o universo, nosso órgão de experiência. Não queremos apenas ser livres e desapegados; queremos ser livres e desapegados e, ao mesmo tempo, que nossa vida seja plena, rica e realizada. E porque entendemos que a consciência é mais fundamental do que a vida, percebemos que, para sermos livres, precisamos nos centrar na consciência pura. Amamos a consciência pura porque é nossa própria identidade, verdade e substância, mas também amamos nossa alma vivente porque ela é o que a completa. Ela é filha da consciência pura primordial, mas também de seu potencial infinito.”