GEORGE HARRISON – Love comes to everyone

Vá fazê-lo,
Tem que passar por aquela porta,
Não há nenhuma saída mais fácil…
Ainda assim, é só questão de tempo
Até que o amor chegue para todos.

Para você que sempre parece triste
Tudo vem, nunca chove
Mas ela se derrama,
Ainda assim, é só questão de tempo
Até que o amor chegue para todos.

Há no seu coração. . .
Algo que nunca muda;
Sempre uma parte. . .
Algo que nunca envelhece,
Que está em seu coração. . .

É tão verdadeiro que pode acontecer a todos vocês, aí,
Bata na porta e ela se abrirá inteiramente ,
E é só questão de tempo
Até que o amor chegue para todos.

SUVS – mania atual? Qual comprar

Todos os fabricantes de veículos se concentraram no segmento de SUVs. Parece que todo mundo quer comprar SUVz.

Entre os 50 veículos mais vendidos no mercado em 2016 encontramos 8 SUVs entre os que estão apresentados na lista abaixo (em negrito). Na lista dos mais vendidos em janeiro de 2017 temos 10 SUVs, também da lista abaixo (entraram Compass e Creta).

A revista 4rodas fez um teste com alguns dos SUvs, entre os que listamos abaixo, e mostramos pela ordem dos melhores segundo eles: Creta(1º), Tracker(2º), Kicks(3º), HR-V(4º), Compass(5º), Vitara(6º), Renegade(7º).

Não concordo com a decisão técnica deles, por sinal não foi técnica. Consideraram como fatores determinantes os anos de garantia, preço do seguro, preço das 3 primeiras revisões, etc.

Agora eu te pergunto, qual você compraria? Escolha:

  • 2008
  • Captur
  • Compass
  • Creta
  • Duster
  • Ecosport
  • HR-V
  • Kicks
  • Renegade
  • Spin
  • T5
  • Tiggo 2
  • Tracker
  • Tucson
  • Vitara
  • XL-60

Temos que considerar que alguns desses veículos ainda tem motor pouco potente e que vai mudar, entre outros itens.

Na opinião deste humilde pesquisador do Blog ficaria entre os seguintes para comprar considerando o início do mês de março:

Obs. Considerei os carros que compraria com preferência com câmbio automático, com motorização adequada, e alguns equipamentos interessantes:

  • 2008
  • Creta
  • HR-V

Essa é a nossa indicação, escolher entre os 3, o que tiver um preço mais justo frente aos equipamentos oferecidos.

Reforma da estação de metrô Tottenham Court Road

A estação de metrô Tottenham Court Road, no centro de Londres, tinha vários mosaicos montados por Sir Eduardo Paolozzi. E como tudo envelhece na vida foi necessário reformar a estação. Houve uma divisão entre os técnicos e direção do Metrô quanto a beleza dos mosaicos e a decisão de mantê-los ou não. Os londrinos não ligam muito para mosaicos.

Resolveram recuperar e modernizar alguns deles, que continuam na estação.

Paolozzi mosaics on the Central line platform of Tottenham Court Road are to remain at the station.

Um trabalho imenso, dos maiores projetos de conservação de arte pública dos últimos tempos, – a restauração. Foi necessário realocar 1.000 metros quadrados dos mosaicos de Paolozzi, instalados originalmente na década de 1980. O planejamento começou há sete anos e Mike Ashworth, design e gerente de patrimônio do metrô de Londres, disse que a intenção sempre foi a de manter a maior parte dos mosaicos quanto possível. Mas receberam criticas no ano passado por remover os mosaicos populares e altamente visíveis acima dos arcos ao longo da escadas rolantes.

Esses mosaicos arcos serão restaurados e colocados na cidade natal de Paolozzi, Edimburgo, em um projeto liderado pela faculdade de arte da cidade de arte. Isso significa cerca de 95% dos mosaicos originais serão conservados.

“É provavelmente um dos maiores projetos de conservação de arte do Reino Unido na última década”, disse Ashworth.

Eleanor Pinfield, o chefe da Arte no metrô, disse: “Eles estavam em um estado lastimável e ligeiramente deteriorados, e agora ficamos alegres ao olhar para eles … eles estão lindos.”

Renovated mosaics at Tottenham Court Road

Como levantar uma grana limpando interiores de veículos.

Nos momentos de crise muitas pessoas são obrigadas a procurar alguma atividade nova. Atualmente, e também pela pressão sofrida pelos funcionários nos seus trabalhos, cada vez fica mais difícil encontrar um posto de trabalho.

E na maioria dos casos, como levantar recursos para uma atividade própria, abrir algum ramo de negócio.

Em nosso País é fácil abrir uma firma (e já começa a pagar as taxas, etc.), o duro é fechar uma empresa, levando no mínimo de 2 a 3 anos.

Quer começar não gastando muito?

Limpeza de veículos de todos os portes, residência, condomínios e empresas.

Capital inicial: aproximadamente R$ 7.000,00 (compra do aparelho)

r1

É o melhor aspirador de pó que se conhece. O sistema é fantástico, tanto que ao verificar a água após a limpeza você encontrará, além da sujeiras, fios de cabelo que tinha penetrado no tecido/ espuma.

Com um aspirador desse já dá para começar a ganhar. Pode limpar carro em local alugado, no prédio onde as pessoas residem, poderia usar a garagem para limpar o interior dos carros.

Pode também limpar os sofás, cadeiras, cobertores, colchões, almofadas, etc. Carpete.

Principalmente nos veículos, as pessoas não limpam os bancos. É necessário limpar os bancos sempre.

Visitar empresas de ônibus para limpeza dos bancos.

No mínimo cada 3 meses seria interessante fazer uma limpeza com o Rainbow.

Meu carro tinha um esmalte chinó, que saía quando se empurrava.

Fernando Pessoa:
A PINTURA DO AUTOMÓVEL
Eu explico como foi (disse o homem triste que estava com uma cara alegre), eu explico como foi…

Quando tenho um automóvel, limpo-o. Limpo-o por diversas razões: para me divertir, para fazer exercícios, para ele não ficar sujo.

O ano passado comprei um carro muito azul. Também limpava esse carro. Mas, cada vez que o limpava, ele teimava em se ir embora. O azul ia empalidecendo, e eu e a camurça é que ficavamos azuis. Não riam… A camurça ficava realmente azul: o meu carro ia passando para a camurça. Afinal, pensei, não estou limpando este carro: estou-o desfazendo

Antes de acabar um ano, o meu carro estava metal puro: não era um carro, era uma anemia. O azul tinha passado para a camurça. Mas eu não achava graça a essa transfusão de sangue azul.

Vi que tinha que pintar o carro de novo.

Foi então que decidi orientar-me um pouco sobre esta questão dos esmaltes. Um carro pode ser muito bonito, mas, se o esmalte com que está pintado tiver tendências para a emigração, o carro poderá servir, mas a pintura é que não serve. A pintura deve estar pegada, como o cabelo, e não sujeita a uma liberdade repentina, como um chinó. Ora o meu carro tinha um esmalte chinó, que saía quando se empurrava.

Pensei eu: quem será o amigo mais apto a servir-me de empenho para um esmalte respeitável? Lembrei-me que deveria ser o Bastos, lavador de automóveis com uma Caneças de duas portas nas Avenidas Novas. Ele passa a vida a esfregar automóveis, e deve portanto saber o que vale a pena esfregar.

Procurei-o e disse-lhe: «Bastos amigo, quero pintar o meu carro de gente. Quero pintá-lo com um esmalte que fique lá, com um esmalte fiel e indivorciável. Com que esmalte é que o hei-de pintar?»

«Com BARRYLOID», respondeu o Bastos, «e só uma criatura muito ignorante é que tem a necessidade de me vir aqui maçar com uma pergunta a que responderia do mesmo modo o primeiro chauffeur que soubesse a diferença entre um automóvel e uma lata de sardinhas».

«Perfeitamente . . .»

«Com que é que você quer pintar um carro», continuou o Bastos sem me ligar importância, «senão com um esmalte que seja ao mesmo tempo brilhante e permanente? E, ainda por cima fácil de aplicar… Isto do fácil de aplicar é comigo, mas é uma virtude, e as virtudes citam-se… Vá-se embora!…»

«Bom…», disse eu.

«Isto de esmaltes de nitrocelulose», prosseguiu o Bastos, dando-me um encontrão, não é um assunto de mercenaria a retalho. Tem uma coisa maçadora a que se chama ciência. Sabe o que é? Mas é maçadora para quem prepara as coisas; para nós, que as recebemos preparadas para as aplicarmos, é um alívio e uma alegria. Este BARRYLOID é o produto de longos cuidados feitos no primeiro laboratório de tintas, lacas e vernizes. Percebeu? Não é o primeiro produto do género que apareceu, porque o ser primeiro está bem se se trata de estar numa bicha, mas não se trata de tintas ou de coisas que metam estudo e provas. Não: nas tintas e na prática, a última palavra é que é a primeira.»

«Meu caro Bastos…», disse eu.

«Só BARRYLOID», respondeu o Bastos, virando-me as costas.

«Eu queria agradecer…», prossegui.

«Traga o carro», disse o Bastos.

Levei-lhe o carro e ele pintou-o a BARRYLOID. E não há camurça, nem chuva, nem poeira da pior estrada, que consiga envergonhar esse esmalte de aço. Sim: o Bastos tratou-me mal, mas tratou bem a verdade. Não há nada como o BARRYLOID.

… Tanto assim que, quando comprei o meu segundo carro, tratei logo de saber se ele vinha já pintado a BARRYLOID. Ele aí está na base da página e no fim da minha história. Passa-se a camurça, mas é preciso usar óculos fumados: o brilho deslumbra. E, o que é mais, deslumbrará, porque dura.

A minha camurça dura eternamente. O que se tem gasto muito são os óculos fumados; e os elogios dos amigos que vêem os meus carros pintados a BARRYLOID.

Sistema de arrefecimento do motor Rocam

Interessante como os fabricantes de autopeças atendem os requisitos dos profissionais do setor de manutenção de veículos, especialmente do Ford Fiesta e Ecosport. O motor Roccam tem correia de comando resistente (metal) e a carcaça da válvula termostática é de plástico. No mercado de autopeças você encontra a carcaça produzida em metal, que acaba com possíveis problemas de vazamento.