Uma nova escola? Repetência é crime?

Uma nova escola e o crime da repetência Muitos críticos da não repetência (progressão continuada), entre eles candidatos a cargos políticos e alunos dedicados, dizem: “Com o fim da repetência nas escolas públicas eles aprovam alunos que não sabem ler nem escrever e analfabetos ganham seus diplomas”.

Pergunto: a repetência causa problemas no pequeno ser em formação? alguém se preocupa em verificar profundamente os motivos que levam um aluno a se isolar do grupo? observar a formação de grupos dentro da classe dos que têm interesse em aprender e dos que não tem interesse em aprender? quais os motivos que levam a esta separação? Podemos concluir que realmente nos moldes atuais o que ocorre em Escolas Públicas é um problema e não a solução sobre um desvio na formação escolar. Trabalhei em 2001 como Professor justamente para acompanhar este fato e ter contato com os jovens da Escola Pública e poder auxiliá-los rumo ao futuro promissor e por vezes desperdiçado.

Comenius, criador da Didática Magna, tinha propostas modernas, muitas não implementadas ou até impossíveis de implementação pela acomodação e falta de interesse dos envolvidos na Educação: respeitar os estágios de desenvolvimento da criança no processo de aprendizagem, educação sem punição, mas com diálogo, exemplo e ambiente adequado. ambiente escolar arejado, bonito, com espaço livre e ecológico. coerência de propósitos educacionais entre família e escola, ensinar a verdadeira natureza das coisas, partindo de suas causas, não abandonar nenhum assunto até sua perfeita compreensão. Comenius frisava que o Professor da escola primária deveria ser mais sábio que os outros e remunerado com um salário maior em relação aos demais professores. E quem aceita esta verdade? Os Pais tem que ir ao trabalho e os filhos desde pequeninos ficam em Escolas. Quem são os Professores que cuidam dessas crianças?

Ainda segundo Comenius, os autênticos requisitos do homem e básico para um Professor são:

• ter conhecimento de todas as coisas;

• capacidade de dominar as coisas e a si mesmo;

• sempre se dirigir para a fonte de tudo.

Rudolf Steiner na Pedagogia Waldorf defende a relação com a família de forma intensa e nega a repetência. Steiner dividia os alunos em faixas etárias e não em séries, pois acreditava que cada idade tem necessidades específicas a serem atendidas. Como o ritmo biológico não pode ser alterado, não pode haver repetência.

O Professor deve:

• ter conhecimento profundo do ser humano;

• ver o amor como base do comportamento social;

• ter qualidades artísticas (encara cada aula como uma obra de arte);

• procurar as causas de suas imperfeições e fracasso do seu ensino, em primeiro lugar dentro de si;

• evitar a repetência do aluno e sim acompanhar a totalidade do ser.

Um poeta alemão disse uma vez que o homem aprende em seus 3 primeiros anos de vida mais do que em todos seus estudos. Ainda segundo Steiner: fazendo tricô ou tecelagem, trabalhos de escultura, marcenaria e metais, os meninos e as meninas desenvolvem uma habilidade manual que normalmente incentiva as faculdades mentais, fazendo nascer um pensar mais móvel, mais sutil.

Que a escola deixe de ser um labirinto, um presídio e um lugar de angústia e possa ser uma praça de jogos, um palácio, com muita descontração, de modo que os jovens deixem de ser tímidos e não abaixem mais a cabeça e os olhos. Devem aprender a voar mais alto como o Fernão Capelo e Gaivota. Compreender a harmonia das coisas, suas relações e interdependências abre caminhos para a verdadeira liberdade. Não adianta reter e a recitar de cor as opiniões e teorias, e sim penetrar no âmago das próprias coisas e a tirar delas conhecimentos genuínos e úteis. Criticamos, julgamos e invejamos e as coisas simples que estão muito próximas de nós e a própria natureza passam despercebidas.

Na linha de ensino criada por Krishnamurti, os professores são “educadores abertos à aprendizagem” e a “relação com a natureza desperta amor e a liberdade, e ameniza os problemas psicológicos causados pelo: medo, autoridade e competição”.

• prestar atenção nas crianças e escutá-las;

• receber carinhosamente os novos alunos;

• praticar o ensino aprendizagem, sem recompensa, punição ou comparação.

• os esportes, a arte, a dança, o teatro e as atividades ao ar livre são aspectos integrativos;

• alunos na limpeza das salas de aula, jardinagem e conservação da escola seria um grande incentivo e produziria mais responsabilidade pelo mundo e universo;

O repetir de ano coloca os jovens entre idades diferentes e graus de desenvolvimento distintos e isso não é bom. Pessoas que atrasaram seu desenvolvimento educacional podem estudar em turmas especiais (como o atual supletivo).

Wilheim Reich foi claro quando concluiu que são criadas barreiras em nosso corpo que atrapalham o caminhar nesta vida e enumero alguns dos motivos: problemas familiares que as crianças enfrentam desde seu nascimento; as barreiras impostas pelo desequilíbrio sexual – traumas não resolvidos; desequilíbrio social; defesas frente à rejeição pelo Professor, colegas de sala, e as características da própria Escola; repetir de ano quando todos passam, suas deficiências não foram consideradas em particular. Dá para imaginarmos os reflexos desses traumas no ser em desenvolvimento e as revoltas que causam. Se o Professor acompanhar o desenvolvimento total da criança sem se apegar somente ao conhecimento técnico verá suas limitações/inclinações que impedem o desenvolvimento em determinadas matérias.

E os governantes da área da Educação devem rever com carinho o Professor Primário que tem muita importância nos primeiros passos das crianças e que marcarão o seu futuro. Melhor formação e salários condizentes. Muitos Professores passam por sérias dificuldades devido os baixos salários. E é fundamental observarmos que se os Professores tiverem apoio governamental para exercerem seu ofício o números de Policiais nas ruas tenderá a diminuir e muito.

Podemos também observar que as denominadas Escolas Democráticas tem como base do seu funcionamento o respeito, a tolerância e o amor. Uma escola que segue princípios de Leo Tolstoi e por exemplo na sua reunião semanal os tutores, funcionários e educandos discutem a melhor forma de conviver no espaço escolar, levantando temas para reflexão e tomando decisões coletivas a respeito dos impasses e desafios que surgem. As reuniões que ocorrem nas Escolas atualmente e no geral são entre Professores e Coordenadores e alguém já pensou em convidar os alunos para participarem? Discutirem juntos Projetos e Atividades? Programação conjunta de atividades de lazer?

E uma mudança também importante a ser feita e que tem como referência o esporte mais popular de nosso País seria o ensino Técnico no Esporte. Os jogadores de futebol são um exemplo para os jovens. Um dos incentivos para que os jovens estudem e se dediquem seria a exigência de um diploma técnico para se tornar jogador profissional. Nível técnico de segundo grau para formação de Atleta Profissional que teria um curriculum interessante: noções de área financeira, pois podem ganhar fortuna; história do esporte; corpo humano e seus limites; vida sadia; história da Arte; etiqueta de comportamento; noções de línguas: espanhol e inglês; estágio em Escolas para ensinar o esporte para os jovens.

Palavras de Krishnamurti: “… uma Escola é um lugar onde se aprende sobre a totalidade, a plenitude da vida (school is a place where one learns about the totality, the wholeness of life)”.

Nossos jovens dependem da boa vontade de todos: Governo, Órgãos de Educação, Educadores, Familiares e principalmente os Empresários que têm empresas próximas de Escolas onde deveriam dar palestras e auxiliar/empregar seus alunos vizinhos.

Na cidade de São Paulo bem perto de nós, ali na Bela Cintra – São Paulo e na cidade de Pinhal, temos o Projeto Lumiar, onde crianças que podem pagar a Escola convivem com crianças que não poderiam pagar mas tem a oportunidade de frequentar a escola E a arte faz parte do dia a dia dessas crianças.

O nome do Projeto e Escola foi muito bem escolhido, LUMIAR: dar luz a, iluminar ou ficar iluminado; tornar(-se) claro, iluminar(-se) dar ou adquirir conhecimento, cultura, esclarecimento exibir luminosidade; reluzir, resplandecer

A melhor escola do mundo?

Normalmente estudamos na escola mais próxima de casa ou numa escola melhor desde que se tenha condições de locomoção e como pagá-la se for particular. Existem jovens que têm a opção de estudar na melhor escola do bairro, da cidade, do estado, do País ou do mundo. No frigir dos ovos todos terão oportunidade de vencer, alcançar o sucesso ou simplesmente ser feliz.
Um bom professor pode ser encontrado em qualquer escola, até a pública mais próxima.
Vamos falar sobre algumas escolas diferentes, começando por aquela que é uma das mais tradicionais e caras do mundo, onde filhos de milionários foram estudar, misturando-se com principes e outras coisas mais.
Institut Le Rosey o “Colégio Real”
É uma lendária escola suíça, fundada em 1880. São 380 alunos de todo o mundo  (no máximo 10% de um mesmo País – o intuíto é reunir jovens de todoas as partes do planeta terra) entre 7 e 18 anos que partilham a vida em dois campus: 
um tradicional conjunto de prédios na cidade de Rolle ao lado do lago de Genebra
roney2
 e para os meses de Inverno  na estância de esqui alpino chamada Gstaad (onde existe um aprendizado e aperfeiçoamento no esporte do esqui)
roney3

Todos os estudantes aprendem em Inglês ou Francês (ou os 2 idiomas em conjunto), bem como estudam uma ou mais línguas estrangeiras (fora o inglês e francês).

Eles vivem como em uma comunidade internacional para que cada Rosean (como é carinhosamente chamado o estudantes desta escola) contribua através da sua própria língua, cultura e religião, tornando o campus uma verdadeira “aldeia global”, compartilhar com os amigos.

Preço da anuidade? São 50.000 euros por ano. É considerada a escola mais cara do mundo. A “Escola dos Reis”  tem 28 acres com lago, 10 quadras de tênis, três piscinas aquecidas, sauna, raia para velejar e uma unidade de inverno com hotel, restaurante, pistas de esqui e teleférico. Tem cavalos para praticas esportivas. Campos de futebol, basquete e volei. Dá ênfase aos estudos de idiomas, economia e negócios.

Os Roseans têm esportes e atividades artísticas, todos os dias, e aprendem as responsabilidades através de clubes e sociedades, eles são incentivados a desenvolver as suas “múltiplas inteligências” e talentos.

A escola foi fundada em 1880: amizade e um sentimento de unidade compartilhada por estudantes e funcionários iguais, respeito por si mesmo e pelos outros, um grau de disciplina, a coragem para enfrentar dificuldades, e a vontade para ultrapassá-las.

roney1

A associação do ex-alunos (AIAR) é altamente eficaz e bem organizada. Uma verdadeira rede mundial de contatos, o que significa que todos os amigos Rosean tem apoio em toda a parte. A Associação Internacional de Antigos Roseans tem representantes na maioria dos países, por vezes em cada grande cidade (também na cidade de São Paulo). Tem tanto uma rede estruturada e dinâmica mantida com seus próprios recursos e é um dos mais ativas, eficientes e animadas (“velho rapazes”) associações de todo o mundo.
 
 Ajudam no “primeiro emprego” e de experiência profissional durante e após o seu tempo na universidade ou faculdade.
Arte na escola é muito importante.
A escola tem uma próspera vida artística: 3 orquestras, dois coros, inúmeros ensembles e performances solo, 3 grupos de drama  (utilizando as duas línguas da escola), workshops de arte e fotografia  e estúdios.
 
A escola “comum”, o Fórum e o Anuário são apenas a mais óbvia das muitas oportunidades para assumir responsabilidades e liderança, e para aprender a expressar-se em público.
 
Desafios, expedições e excursões são concebidos para ajudar os alunos a explorar os seus próprios limites, para descobrir o exterior e outras civilizações.
Programas humanitários
  
É importante que aprendam a ajudar aqueles menos afortunados do que eles. É dada especial atenção a este aspecto da sua educação, tanto através de um serviço comunitário e o trabalho do Comité Caridade, que desempenha um papel fundamental no esforço de abrir os olhos e corações dos estudantes para a situação dos mais carentes em todo o mundo .
Todos os anos uma série de atividades complementares também são realizadas: trabalhar nas férias para ajudar a construir orfanatos na Roménia e na Bulgária; viagens ao Mali para trabalhar no projeto Rosey-Abantara e para ensinar as crianças Mali; visitas e concertos para lares de idosos e hospitais, unidades de angariação de fundos para ajudar as vitimas de catástrofes, e a colaboração com os pais e alunos em projetos específicos.

 

Existem inúmeras pessoas conhecidas que estudaram lá. Por mera curiosidade divulgo. O importante são aqueles que não têm título mas estiveram por lá. E quanta coisa poderão passar para outras pessoas.

 

Estudaram em Le Rosey:

  • Aga Khan IV
  • Adnan Al Gheithy Al Shareef
  • Aida Al Gheithy Al Shareef
  • Princesa Zahra Aga Khan
  • Alberto II da Bélgica;
  • Albert Hammond Jr,guitarrista da banda The Strokes e filho do compositor Albert Hammond
  • Alexandre, Príncipe Herdeiro da Iugoslávia;
  • Tae Ashida, designer;
  • Carla Alemán, filha do empresário e político mexicano Miguel Alemán Velasco;
  • Balduíno I da Bélgica, rei dos belgas;
  • Delphine Boël, artista e filha ilegítima de Albert II, rei dos belgas;
  • Ian Campbell, Duque de Argyll;
  • Jimmy Choo, famoso designer.
  • Julian Casablancas, músico e membro da banda The Strokes;
  • Joe Dassin, cantor;
  • Baron Alexis de Rédé, colecionador de Arte, socialite e diarista;
  • Andrea di Robilant, autor;
  • Príncipe Edward, Duque de Kent;
  • família Khashoggi, filhos de Adnan Khashoggi;
  • C. J. Everon, historiador e autor;
  • Dodi Al-Fayed, produtor de filmes e amigo de Diana, Princesa de Gales;
  • Andrea Ferragamo, da casa de moda Salvatore Ferragamo;
  • Príncipe Emanuele Filiberto da Itália;
  • Fuad II do Egito, último rei do Egito;
  • Guillaume, Grão-Duque Hereditário de Luxemburgo;
  • Juliet Hartford, herdeira do supermecado A&P e filha de Huntington Hartford;
  • Richard Helms, ex-diretor da CIA e embaixador americano do Iran;
  • Ryan Johnston, filho de Bruce Johnston, da banda The Beach Boys;
  • Michael Kadoorie, bilionário hoteleiro de Hong Kong;
  • Sean Taro Ono Lennon, músico e filho de John Lennon, ex-The Beatles;
  • Justine M’Poyo Kassa-Vubu, política e filha do ex-presidente da República Democrática do Congo Joseph Kasa-Vubu;
  • membros da família Molson, da família canadense de cerveja;
  • Leona Naess, cantora;
  • família Niarchos, filhos de Stavros Niarchos
  • Nicholas Negroponte, chairman da Media Lab e notável futurista digital;
  • Mwani Charles Ndizeye Ntare V, ex-rei exilado de Burundi;
  • Mohammad Reza Pahlavi, ex- do Irã
  • Jaime Ortíz-Patiño, magnata;
  • Annika Pergament, repórter;
  • família Pozzo di Borgo, da aristocracia francesa
  • Príncipe Rainier III de Mônaco
  • Rhonda Ross Kendrick, atriz indicada a um Emmy e filha de Diana Ross e de Berry Gordy;
  • Tracee Ellis Ross, atriz e filha de Diana Ross;
  • Winthrop Rockefeller Jr., ex-Governador do Arkansas;
  • membros da família Rothschild, da família bancária;
  • Princesa Alexandra de Scheel;
  • membros da família Schiff, da família bancária;
  • membros da família Taittinger, famosa produtora de champagne;
  • Adriana Turbay, filha do ex-presidente da Colômbia Julio César Turbay Ayala
  • Mayuko Takata, atriz;
  • Irving Thalberg Jr., educador;
  • Harold H. Tittman III, diplomata americano e autor