Educação mesmo – 2

Educação mesmo?

O que podemos falar sobre educação? O Professor Pacheco pode, conforme consta de entrevista já antiga ao UOL em 2009. O que mudou até 2013?

Idealizador da Escola da Ponte, em Portugal, instituição que, em 1976, iniciou um projeto no qual os estudantes aprendem sem salas de aula, divisão de turmas ou disciplinas, o educador português José Pacheco afirma que as escolas tradicionais são um desperdício para os estudantes e os professores.

“O que fiz por mais de 30 anos foi uma escola onde não há aula, onde não há série, horário, diretor. E é a melhor escola nas provas nacionais e nos vestibulares”, diz. “Dar aula não serve para nada. É necessário um outro tipo de trabalho, que requer muito estudo, muito tempo e muita reflexão.”

Como pode, não é? Aceitar um escola onde não tem aula. Uma Escola onde o Professora Pacheco sempre recebeu os piores alunos da região de Lisboa, em Portugal. Sua escola sempre esteve de portas abertas a qualquer aluno, sem restrições. Afinal o que é restrição?

UOL Educação – Em suas andanças pelo país, qual o absurdo que mais chamou sua atenção?

Pacheco – O maior absurdo é que a educação do Brasil não precisa de recursos para melhorar. O Brasil tem tudo o que precisa, tem todos os recursos e os desperdiça.

Nã é interessante o que fala o Pacheco. Por sorte ele sempre está no Brasil falando com professores, auxiliando em projetos pelo bem dos jovens alunos brasileiros.

A educação tem que ter um primeiro pilar: Liberdade!

O desperdício maior tem a ver com o funcionamento das escolas. Os professores são pessoas sábias, honestas, inteligentes e que podem fazer de outro modo: não dando aula, porque dar aula não serve para nada. É necessário um outro tipo de trabalho, que requer muito estudo, muito tempo e muita reflexão.

UOL Educação – As famílias não estão acostumadas com escolas que não têm classe, professor ou disciplinas. Querem o conteúdo para o vestibular. Como se rompe com esse tipo de mentalidade?

Pacheco – Pode-se romper mostrando que é possível. Eu falo do que faço, e não de teorias. O que fiz por mais de 30 anos foi uma escola onde não há aula, onde não há série, horário, diretor. E é a melhor escola nas provas nacionais e nos vestibulares. Justamente por não ter aulas e nada disso.

A entrevista é antiga mas o trabalho a se fazer é necessário e bate a nossa porta.

E relembramos Cominius, o grande educador moderno, ainda a ser seguido:

…desejamos que seja descoberto um método pelo qual, assim como as coisas já estão colocadas em ordem por força da Luz, assim também as mentes possam sobordinar-se às coisas, por força da Ordem, para que, na medida em que todas as coisas estão entre si ordenadas e unidas pelas leis eternas da Verdade, nessa mesma medida possam os homens participar dessa luz, dessa ordem e dessa verdade das coisas, reconduzidos cada um deles, dentro de si, e todos, entre si, a uma harmonia semelhante, e isto realmente. (do livro de Wojciech: Comenius, a persistência na Utopia em educação.

A Liberdade dada às crianças e jovens em sua educação, sem serem formatados e reformatados pelo ensino arcaico e ainda existente, permitirá que com o tempo reconheçam a verdade que está em seu coração, a essência de seu ser.

a12

Uma nova escola? Repetência é crime?

Uma nova escola e o crime da repetência Muitos críticos da não repetência (progressão continuada), entre eles candidatos a cargos políticos e alunos dedicados, dizem: “Com o fim da repetência nas escolas públicas eles aprovam alunos que não sabem ler nem escrever e analfabetos ganham seus diplomas”.

Pergunto: a repetência causa problemas no pequeno ser em formação? alguém se preocupa em verificar profundamente os motivos que levam um aluno a se isolar do grupo? observar a formação de grupos dentro da classe dos que têm interesse em aprender e dos que não tem interesse em aprender? quais os motivos que levam a esta separação? Podemos concluir que realmente nos moldes atuais o que ocorre em Escolas Públicas é um problema e não a solução sobre um desvio na formação escolar. Trabalhei em 2001 como Professor justamente para acompanhar este fato e ter contato com os jovens da Escola Pública e poder auxiliá-los rumo ao futuro promissor e por vezes desperdiçado.

Comenius, criador da Didática Magna, tinha propostas modernas, muitas não implementadas ou até impossíveis de implementação pela acomodação e falta de interesse dos envolvidos na Educação: respeitar os estágios de desenvolvimento da criança no processo de aprendizagem, educação sem punição, mas com diálogo, exemplo e ambiente adequado. ambiente escolar arejado, bonito, com espaço livre e ecológico. coerência de propósitos educacionais entre família e escola, ensinar a verdadeira natureza das coisas, partindo de suas causas, não abandonar nenhum assunto até sua perfeita compreensão. Comenius frisava que o Professor da escola primária deveria ser mais sábio que os outros e remunerado com um salário maior em relação aos demais professores. E quem aceita esta verdade? Os Pais tem que ir ao trabalho e os filhos desde pequeninos ficam em Escolas. Quem são os Professores que cuidam dessas crianças?

Ainda segundo Comenius, os autênticos requisitos do homem e básico para um Professor são:

• ter conhecimento de todas as coisas;

• capacidade de dominar as coisas e a si mesmo;

• sempre se dirigir para a fonte de tudo.

Rudolf Steiner na Pedagogia Waldorf defende a relação com a família de forma intensa e nega a repetência. Steiner dividia os alunos em faixas etárias e não em séries, pois acreditava que cada idade tem necessidades específicas a serem atendidas. Como o ritmo biológico não pode ser alterado, não pode haver repetência.

O Professor deve:

• ter conhecimento profundo do ser humano;

• ver o amor como base do comportamento social;

• ter qualidades artísticas (encara cada aula como uma obra de arte);

• procurar as causas de suas imperfeições e fracasso do seu ensino, em primeiro lugar dentro de si;

• evitar a repetência do aluno e sim acompanhar a totalidade do ser.

Um poeta alemão disse uma vez que o homem aprende em seus 3 primeiros anos de vida mais do que em todos seus estudos. Ainda segundo Steiner: fazendo tricô ou tecelagem, trabalhos de escultura, marcenaria e metais, os meninos e as meninas desenvolvem uma habilidade manual que normalmente incentiva as faculdades mentais, fazendo nascer um pensar mais móvel, mais sutil.

Que a escola deixe de ser um labirinto, um presídio e um lugar de angústia e possa ser uma praça de jogos, um palácio, com muita descontração, de modo que os jovens deixem de ser tímidos e não abaixem mais a cabeça e os olhos. Devem aprender a voar mais alto como o Fernão Capelo e Gaivota. Compreender a harmonia das coisas, suas relações e interdependências abre caminhos para a verdadeira liberdade. Não adianta reter e a recitar de cor as opiniões e teorias, e sim penetrar no âmago das próprias coisas e a tirar delas conhecimentos genuínos e úteis. Criticamos, julgamos e invejamos e as coisas simples que estão muito próximas de nós e a própria natureza passam despercebidas.

Na linha de ensino criada por Krishnamurti, os professores são “educadores abertos à aprendizagem” e a “relação com a natureza desperta amor e a liberdade, e ameniza os problemas psicológicos causados pelo: medo, autoridade e competição”.

• prestar atenção nas crianças e escutá-las;

• receber carinhosamente os novos alunos;

• praticar o ensino aprendizagem, sem recompensa, punição ou comparação.

• os esportes, a arte, a dança, o teatro e as atividades ao ar livre são aspectos integrativos;

• alunos na limpeza das salas de aula, jardinagem e conservação da escola seria um grande incentivo e produziria mais responsabilidade pelo mundo e universo;

O repetir de ano coloca os jovens entre idades diferentes e graus de desenvolvimento distintos e isso não é bom. Pessoas que atrasaram seu desenvolvimento educacional podem estudar em turmas especiais (como o atual supletivo).

Wilheim Reich foi claro quando concluiu que são criadas barreiras em nosso corpo que atrapalham o caminhar nesta vida e enumero alguns dos motivos: problemas familiares que as crianças enfrentam desde seu nascimento; as barreiras impostas pelo desequilíbrio sexual – traumas não resolvidos; desequilíbrio social; defesas frente à rejeição pelo Professor, colegas de sala, e as características da própria Escola; repetir de ano quando todos passam, suas deficiências não foram consideradas em particular. Dá para imaginarmos os reflexos desses traumas no ser em desenvolvimento e as revoltas que causam. Se o Professor acompanhar o desenvolvimento total da criança sem se apegar somente ao conhecimento técnico verá suas limitações/inclinações que impedem o desenvolvimento em determinadas matérias.

E os governantes da área da Educação devem rever com carinho o Professor Primário que tem muita importância nos primeiros passos das crianças e que marcarão o seu futuro. Melhor formação e salários condizentes. Muitos Professores passam por sérias dificuldades devido os baixos salários. E é fundamental observarmos que se os Professores tiverem apoio governamental para exercerem seu ofício o números de Policiais nas ruas tenderá a diminuir e muito.

Podemos também observar que as denominadas Escolas Democráticas tem como base do seu funcionamento o respeito, a tolerância e o amor. Uma escola que segue princípios de Leo Tolstoi e por exemplo na sua reunião semanal os tutores, funcionários e educandos discutem a melhor forma de conviver no espaço escolar, levantando temas para reflexão e tomando decisões coletivas a respeito dos impasses e desafios que surgem. As reuniões que ocorrem nas Escolas atualmente e no geral são entre Professores e Coordenadores e alguém já pensou em convidar os alunos para participarem? Discutirem juntos Projetos e Atividades? Programação conjunta de atividades de lazer?

E uma mudança também importante a ser feita e que tem como referência o esporte mais popular de nosso País seria o ensino Técnico no Esporte. Os jogadores de futebol são um exemplo para os jovens. Um dos incentivos para que os jovens estudem e se dediquem seria a exigência de um diploma técnico para se tornar jogador profissional. Nível técnico de segundo grau para formação de Atleta Profissional que teria um curriculum interessante: noções de área financeira, pois podem ganhar fortuna; história do esporte; corpo humano e seus limites; vida sadia; história da Arte; etiqueta de comportamento; noções de línguas: espanhol e inglês; estágio em Escolas para ensinar o esporte para os jovens.

Palavras de Krishnamurti: “… uma Escola é um lugar onde se aprende sobre a totalidade, a plenitude da vida (school is a place where one learns about the totality, the wholeness of life)”.

Nossos jovens dependem da boa vontade de todos: Governo, Órgãos de Educação, Educadores, Familiares e principalmente os Empresários que têm empresas próximas de Escolas onde deveriam dar palestras e auxiliar/empregar seus alunos vizinhos.

Na cidade de São Paulo bem perto de nós, ali na Bela Cintra – São Paulo e na cidade de Pinhal, temos o Projeto Lumiar, onde crianças que podem pagar a Escola convivem com crianças que não poderiam pagar mas tem a oportunidade de frequentar a escola E a arte faz parte do dia a dia dessas crianças.

O nome do Projeto e Escola foi muito bem escolhido, LUMIAR: dar luz a, iluminar ou ficar iluminado; tornar(-se) claro, iluminar(-se) dar ou adquirir conhecimento, cultura, esclarecimento exibir luminosidade; reluzir, resplandecer

A melhor escola do mundo?

Normalmente estudamos na escola mais próxima de casa ou numa escola melhor desde que se tenha condições de locomoção e como pagá-la se for particular. Existem jovens que têm a opção de estudar na melhor escola do bairro, da cidade, do estado, do País ou do mundo. No frigir dos ovos todos terão oportunidade de vencer, alcançar o sucesso ou simplesmente ser feliz.
Um bom professor pode ser encontrado em qualquer escola, até a pública mais próxima.
Vamos falar sobre algumas escolas diferentes, começando por aquela que é uma das mais tradicionais e caras do mundo, onde filhos de milionários foram estudar, misturando-se com principes e outras coisas mais.
Institut Le Rosey o “Colégio Real”
É uma lendária escola suíça, fundada em 1880. São 380 alunos de todo o mundo  (no máximo 10% de um mesmo País – o intuíto é reunir jovens de todoas as partes do planeta terra) entre 7 e 18 anos que partilham a vida em dois campus: 
um tradicional conjunto de prédios na cidade de Rolle ao lado do lago de Genebra
roney2
 e para os meses de Inverno  na estância de esqui alpino chamada Gstaad (onde existe um aprendizado e aperfeiçoamento no esporte do esqui)
roney3

Todos os estudantes aprendem em Inglês ou Francês (ou os 2 idiomas em conjunto), bem como estudam uma ou mais línguas estrangeiras (fora o inglês e francês).

Eles vivem como em uma comunidade internacional para que cada Rosean (como é carinhosamente chamado o estudantes desta escola) contribua através da sua própria língua, cultura e religião, tornando o campus uma verdadeira “aldeia global”, compartilhar com os amigos.

Preço da anuidade? São 50.000 euros por ano. É considerada a escola mais cara do mundo. A “Escola dos Reis”  tem 28 acres com lago, 10 quadras de tênis, três piscinas aquecidas, sauna, raia para velejar e uma unidade de inverno com hotel, restaurante, pistas de esqui e teleférico. Tem cavalos para praticas esportivas. Campos de futebol, basquete e volei. Dá ênfase aos estudos de idiomas, economia e negócios.

Os Roseans têm esportes e atividades artísticas, todos os dias, e aprendem as responsabilidades através de clubes e sociedades, eles são incentivados a desenvolver as suas “múltiplas inteligências” e talentos.

A escola foi fundada em 1880: amizade e um sentimento de unidade compartilhada por estudantes e funcionários iguais, respeito por si mesmo e pelos outros, um grau de disciplina, a coragem para enfrentar dificuldades, e a vontade para ultrapassá-las.

roney1

A associação do ex-alunos (AIAR) é altamente eficaz e bem organizada. Uma verdadeira rede mundial de contatos, o que significa que todos os amigos Rosean tem apoio em toda a parte. A Associação Internacional de Antigos Roseans tem representantes na maioria dos países, por vezes em cada grande cidade (também na cidade de São Paulo). Tem tanto uma rede estruturada e dinâmica mantida com seus próprios recursos e é um dos mais ativas, eficientes e animadas (“velho rapazes”) associações de todo o mundo.
 
 Ajudam no “primeiro emprego” e de experiência profissional durante e após o seu tempo na universidade ou faculdade.
Arte na escola é muito importante.
A escola tem uma próspera vida artística: 3 orquestras, dois coros, inúmeros ensembles e performances solo, 3 grupos de drama  (utilizando as duas línguas da escola), workshops de arte e fotografia  e estúdios.
 
A escola “comum”, o Fórum e o Anuário são apenas a mais óbvia das muitas oportunidades para assumir responsabilidades e liderança, e para aprender a expressar-se em público.
 
Desafios, expedições e excursões são concebidos para ajudar os alunos a explorar os seus próprios limites, para descobrir o exterior e outras civilizações.
Programas humanitários
  
É importante que aprendam a ajudar aqueles menos afortunados do que eles. É dada especial atenção a este aspecto da sua educação, tanto através de um serviço comunitário e o trabalho do Comité Caridade, que desempenha um papel fundamental no esforço de abrir os olhos e corações dos estudantes para a situação dos mais carentes em todo o mundo .
Todos os anos uma série de atividades complementares também são realizadas: trabalhar nas férias para ajudar a construir orfanatos na Roménia e na Bulgária; viagens ao Mali para trabalhar no projeto Rosey-Abantara e para ensinar as crianças Mali; visitas e concertos para lares de idosos e hospitais, unidades de angariação de fundos para ajudar as vitimas de catástrofes, e a colaboração com os pais e alunos em projetos específicos.

 

Existem inúmeras pessoas conhecidas que estudaram lá. Por mera curiosidade divulgo. O importante são aqueles que não têm título mas estiveram por lá. E quanta coisa poderão passar para outras pessoas.

 

Estudaram em Le Rosey:

  • Aga Khan IV
  • Adnan Al Gheithy Al Shareef
  • Aida Al Gheithy Al Shareef
  • Princesa Zahra Aga Khan
  • Alberto II da Bélgica;
  • Albert Hammond Jr,guitarrista da banda The Strokes e filho do compositor Albert Hammond
  • Alexandre, Príncipe Herdeiro da Iugoslávia;
  • Tae Ashida, designer;
  • Carla Alemán, filha do empresário e político mexicano Miguel Alemán Velasco;
  • Balduíno I da Bélgica, rei dos belgas;
  • Delphine Boël, artista e filha ilegítima de Albert II, rei dos belgas;
  • Ian Campbell, Duque de Argyll;
  • Jimmy Choo, famoso designer.
  • Julian Casablancas, músico e membro da banda The Strokes;
  • Joe Dassin, cantor;
  • Baron Alexis de Rédé, colecionador de Arte, socialite e diarista;
  • Andrea di Robilant, autor;
  • Príncipe Edward, Duque de Kent;
  • família Khashoggi, filhos de Adnan Khashoggi;
  • C. J. Everon, historiador e autor;
  • Dodi Al-Fayed, produtor de filmes e amigo de Diana, Princesa de Gales;
  • Andrea Ferragamo, da casa de moda Salvatore Ferragamo;
  • Príncipe Emanuele Filiberto da Itália;
  • Fuad II do Egito, último rei do Egito;
  • Guillaume, Grão-Duque Hereditário de Luxemburgo;
  • Juliet Hartford, herdeira do supermecado A&P e filha de Huntington Hartford;
  • Richard Helms, ex-diretor da CIA e embaixador americano do Iran;
  • Ryan Johnston, filho de Bruce Johnston, da banda The Beach Boys;
  • Michael Kadoorie, bilionário hoteleiro de Hong Kong;
  • Sean Taro Ono Lennon, músico e filho de John Lennon, ex-The Beatles;
  • Justine M’Poyo Kassa-Vubu, política e filha do ex-presidente da República Democrática do Congo Joseph Kasa-Vubu;
  • membros da família Molson, da família canadense de cerveja;
  • Leona Naess, cantora;
  • família Niarchos, filhos de Stavros Niarchos
  • Nicholas Negroponte, chairman da Media Lab e notável futurista digital;
  • Mwani Charles Ndizeye Ntare V, ex-rei exilado de Burundi;
  • Mohammad Reza Pahlavi, ex- do Irã
  • Jaime Ortíz-Patiño, magnata;
  • Annika Pergament, repórter;
  • família Pozzo di Borgo, da aristocracia francesa
  • Príncipe Rainier III de Mônaco
  • Rhonda Ross Kendrick, atriz indicada a um Emmy e filha de Diana Ross e de Berry Gordy;
  • Tracee Ellis Ross, atriz e filha de Diana Ross;
  • Winthrop Rockefeller Jr., ex-Governador do Arkansas;
  • membros da família Rothschild, da família bancária;
  • Princesa Alexandra de Scheel;
  • membros da família Schiff, da família bancária;
  • membros da família Taittinger, famosa produtora de champagne;
  • Adriana Turbay, filha do ex-presidente da Colômbia Julio César Turbay Ayala
  • Mayuko Takata, atriz;
  • Irving Thalberg Jr., educador;
  • Harold H. Tittman III, diplomata americano e autor