Reforma da estação de metrô Tottenham Court Road

A estação de metrô Tottenham Court Road, no centro de Londres, tinha vários mosaicos montados por Sir Eduardo Paolozzi. E como tudo envelhece na vida foi necessário reformar a estação. Houve uma divisão entre os técnicos e direção do Metrô quanto a beleza dos mosaicos e a decisão de mantê-los ou não. Os londrinos não ligam muito para mosaicos.

Resolveram recuperar e modernizar alguns deles, que continuam na estação.

Paolozzi mosaics on the Central line platform of Tottenham Court Road are to remain at the station.

Um trabalho imenso, dos maiores projetos de conservação de arte pública dos últimos tempos, – a restauração. Foi necessário realocar 1.000 metros quadrados dos mosaicos de Paolozzi, instalados originalmente na década de 1980. O planejamento começou há sete anos e Mike Ashworth, design e gerente de patrimônio do metrô de Londres, disse que a intenção sempre foi a de manter a maior parte dos mosaicos quanto possível. Mas receberam criticas no ano passado por remover os mosaicos populares e altamente visíveis acima dos arcos ao longo da escadas rolantes.

Esses mosaicos arcos serão restaurados e colocados na cidade natal de Paolozzi, Edimburgo, em um projeto liderado pela faculdade de arte da cidade de arte. Isso significa cerca de 95% dos mosaicos originais serão conservados.

“É provavelmente um dos maiores projetos de conservação de arte do Reino Unido na última década”, disse Ashworth.

Eleanor Pinfield, o chefe da Arte no metrô, disse: “Eles estavam em um estado lastimável e ligeiramente deteriorados, e agora ficamos alegres ao olhar para eles … eles estão lindos.”

Renovated mosaics at Tottenham Court Road

Como levantar uma grana limpando interiores de veículos.

Nos momentos de crise muitas pessoas são obrigadas a procurar alguma atividade nova. Atualmente, e também pela pressão sofrida pelos funcionários nos seus trabalhos, cada vez fica mais difícil encontrar um posto de trabalho.

E na maioria dos casos, como levantar recursos para uma atividade própria, abrir algum ramo de negócio.

Em nosso País é fácil abrir uma firma (e já começa a pagar as taxas, etc.), o duro é fechar uma empresa, levando no mínimo de 2 a 3 anos.

Quer começar não gastando muito?

Limpeza de veículos de todos os portes, residência, condomínios e empresas.

Capital inicial: aproximadamente R$ 7.000,00 (compra do aparelho)

r1

É o melhor aspirador de pó que se conhece. O sistema é fantástico, tanto que ao verificar a água após a limpeza você encontrará, além da sujeiras, fios de cabelo que tinha penetrado no tecido/ espuma.

Com um aspirador desse já dá para começar a ganhar. Pode limpar carro em local alugado, no prédio onde as pessoas residem, poderia usar a garagem para limpar o interior dos carros.

Pode também limpar os sofás, cadeiras, cobertores, colchões, almofadas, etc. Carpete.

Principalmente nos veículos, as pessoas não limpam os bancos. É necessário limpar os bancos sempre.

Visitar empresas de ônibus para limpeza dos bancos.

No mínimo cada 3 meses seria interessante fazer uma limpeza com o Rainbow.

Meu carro tinha um esmalte chinó, que saía quando se empurrava.

Fernando Pessoa:
A PINTURA DO AUTOMÓVEL
Eu explico como foi (disse o homem triste que estava com uma cara alegre), eu explico como foi…

Quando tenho um automóvel, limpo-o. Limpo-o por diversas razões: para me divertir, para fazer exercícios, para ele não ficar sujo.

O ano passado comprei um carro muito azul. Também limpava esse carro. Mas, cada vez que o limpava, ele teimava em se ir embora. O azul ia empalidecendo, e eu e a camurça é que ficavamos azuis. Não riam… A camurça ficava realmente azul: o meu carro ia passando para a camurça. Afinal, pensei, não estou limpando este carro: estou-o desfazendo

Antes de acabar um ano, o meu carro estava metal puro: não era um carro, era uma anemia. O azul tinha passado para a camurça. Mas eu não achava graça a essa transfusão de sangue azul.

Vi que tinha que pintar o carro de novo.

Foi então que decidi orientar-me um pouco sobre esta questão dos esmaltes. Um carro pode ser muito bonito, mas, se o esmalte com que está pintado tiver tendências para a emigração, o carro poderá servir, mas a pintura é que não serve. A pintura deve estar pegada, como o cabelo, e não sujeita a uma liberdade repentina, como um chinó. Ora o meu carro tinha um esmalte chinó, que saía quando se empurrava.

Pensei eu: quem será o amigo mais apto a servir-me de empenho para um esmalte respeitável? Lembrei-me que deveria ser o Bastos, lavador de automóveis com uma Caneças de duas portas nas Avenidas Novas. Ele passa a vida a esfregar automóveis, e deve portanto saber o que vale a pena esfregar.

Procurei-o e disse-lhe: «Bastos amigo, quero pintar o meu carro de gente. Quero pintá-lo com um esmalte que fique lá, com um esmalte fiel e indivorciável. Com que esmalte é que o hei-de pintar?»

«Com BARRYLOID», respondeu o Bastos, «e só uma criatura muito ignorante é que tem a necessidade de me vir aqui maçar com uma pergunta a que responderia do mesmo modo o primeiro chauffeur que soubesse a diferença entre um automóvel e uma lata de sardinhas».

«Perfeitamente . . .»

«Com que é que você quer pintar um carro», continuou o Bastos sem me ligar importância, «senão com um esmalte que seja ao mesmo tempo brilhante e permanente? E, ainda por cima fácil de aplicar… Isto do fácil de aplicar é comigo, mas é uma virtude, e as virtudes citam-se… Vá-se embora!…»

«Bom…», disse eu.

«Isto de esmaltes de nitrocelulose», prosseguiu o Bastos, dando-me um encontrão, não é um assunto de mercenaria a retalho. Tem uma coisa maçadora a que se chama ciência. Sabe o que é? Mas é maçadora para quem prepara as coisas; para nós, que as recebemos preparadas para as aplicarmos, é um alívio e uma alegria. Este BARRYLOID é o produto de longos cuidados feitos no primeiro laboratório de tintas, lacas e vernizes. Percebeu? Não é o primeiro produto do género que apareceu, porque o ser primeiro está bem se se trata de estar numa bicha, mas não se trata de tintas ou de coisas que metam estudo e provas. Não: nas tintas e na prática, a última palavra é que é a primeira.»

«Meu caro Bastos…», disse eu.

«Só BARRYLOID», respondeu o Bastos, virando-me as costas.

«Eu queria agradecer…», prossegui.

«Traga o carro», disse o Bastos.

Levei-lhe o carro e ele pintou-o a BARRYLOID. E não há camurça, nem chuva, nem poeira da pior estrada, que consiga envergonhar esse esmalte de aço. Sim: o Bastos tratou-me mal, mas tratou bem a verdade. Não há nada como o BARRYLOID.

… Tanto assim que, quando comprei o meu segundo carro, tratei logo de saber se ele vinha já pintado a BARRYLOID. Ele aí está na base da página e no fim da minha história. Passa-se a camurça, mas é preciso usar óculos fumados: o brilho deslumbra. E, o que é mais, deslumbrará, porque dura.

A minha camurça dura eternamente. O que se tem gasto muito são os óculos fumados; e os elogios dos amigos que vêem os meus carros pintados a BARRYLOID.

Sistema de arrefecimento do motor Rocam

Interessante como os fabricantes de autopeças atendem os requisitos dos profissionais do setor de manutenção de veículos, especialmente do Ford Fiesta e Ecosport. O motor Roccam tem correia de comando resistente (metal) e a carcaça da válvula termostática é de plástico. No mercado de autopeças você encontra a carcaça produzida em metal, que acaba com possíveis problemas de vazamento.

Mecânico de confiança ainda existe?

Hoje em dia, todos trabalham acima de suas reais condições de trabalho, dedicando muitas horas a mais por dia para atender a empresa e seus dirigentes, diretores, chefes, etc. Para economizar eliminam postos de trabalho, sobrecarregando os que ficam, e os chefes imediatos tem que trabalhar mais se quiserem atender a demanda com eficiência.

Ai existe um paradoxo. As empresas precisam acumular milhões e em muitos casos bilhões para justificar os investimentos de seus acionistas. E acionistas ganham fortunas, pagando muito bem seus diretores, ou o nível mais alto de administradores. É muita grana que faturam, e deixam de dar mais emprego. Os bancos faturam e muito em nosso País e cada vez têm menos funcionários, deveriam gerar empregos também. Dizem que é a automação.

Concluindo esta parte, as pessoas não tem tempo para cuidar do seu carro. Quem tem carro novo, pela garantia, leva nas concessionárias, que por vezes revisam muito bem os veículos. Muitos fazem os alinhamentos, freios e o que é possível por fora, sem perder a garantia.

E no caso dos carros usados sem garantia? Precisam da confiança, deixar o carro em oficinas honestas.

Existem muitas oficinas em que ainda se pode confiar. Pena que os jovens já não se interessam em trabalhar nas oficinas mecânicas de automóvel, um ramo que nunca para de crescer, cada vez mais se vende carro e no ramo de usados existe um mercado acirrado, com inúmeras lojas, sem contar as locadoras de veículos que vendem seus carros com pouco uso.

O que vem a ser uma oficina de confiança e que garanta seus serviços?

É um local onde o proprietário gosta de trabalhar com os carros, sente prazer em deixar o veículo em perfeito estado, aponta todos os problemas que existem e aconselha o dono do veículo em como fazer para deixar tudo em ordem, que não vale a pena as vezes economizar e deixar para a próxima revisão. A pior coisa que existe é ficar parado com o veículo quebrado esperando guincho.

Os mecânicos da oficina gostam do que fazem, trabalham também focados no bem estar do proprietário do veículo, se puder até limpam o motor, deixando-o maravilhoso, mesmo num carro bem antigo. A limpeza da oficina e os banheiros para seus funcionários são exemplares.

Dá gosto ver quando o veículo sai da revisão em uma oficina de confiança. Mais ainda, o dono da oficina coloca seus mecânicos à disposição para que o dono do carro sempre passe lá para verificar os níveis de água e lubrificantes.

Procure, que você encontrará uma oficina que trabalha assim. Pode parecer um sonho, mas existe na sua cidade. E se a revisão fica um pouco mais cara, dispendiosa, vale a pena pagar. Mas se a oficina é séria o preço é justo. Tem que pagar as peças e a mão de obra qualificada.

E no caso de oficinas de funilaria também encontramos profissionais sérios que deixam seu carro perfeito. Fiz um conserto no meu carro em uma das portas em concessionária autorizada e as frestas ficaram irregulares.

Procure e encontrará.

E ao comprar um carro usado não se esqueça que tem custo com manutenção, não é só com o combustível, seguro e licenciamento.

Comprar um veículo usado? Onde?

Volto a falar neste blog sobre veículos.

O dinheiro está mais curto para comprar um carro zero km ou você quer comprar um carro mais equipado no valor de um zero fraquinho e sem nada. Sem dúvidas, somente um carro usado vai te atender.

Qual a garantia na compra? Complicado nesta parte. Tem que tomar os cuidados básicos para começar:

  • A vistoria por empresa especializada é básico. Ela confirma para o comprador o estado do veículo quanto a sua estrutura externa; se o carro não foi comprado em leilão (é um carro com pouco mercado); o estado das marcações de chassi, motor, câmbio (se não foram remarcados, as vezes por estar danificada a área onde é colocada a numeração); documentação.
  • Medir os níveis de água, óleo, óleo do freio, direção.
  • Estado do carro funcionando para verificar se não está soltando fumaça, se a ponta do cano de escape não está muito enfumaçada,
  • Negativa de multas e infrações.

Isso é tudo? Claro que não.

Existe sempre um risco. Mesmo sentindo muita confiança no proprietário que está vendendo o veículo, o dinheiro fala mais alto. Muita gente vende o carro quando está na hora de manutenção mais completa que tem custo mais elevado, e ainda quando o carro apresenta um problema que vai custar uma grana e neste caso surge a possibilidade de dar uma garibada.

Por exemplo, o nível de água do motor. Pode estar no nível, mas e depois de funcionar algumas horas o nível vai abaixar, é preciso completar sempre a água. Se esse for o caso como você vai perceber na hora da compra? A garantia de 3 meses que empresas dão, é o bastante? Nem sempre. No caso de compra de particular pela Internet (todos os meios, OLX, Web…) isso fica mais complicado.

O mesmo pode ocorrer com o nível do óleo do motor, que, por exemplo, gaste 1 litro por 1000 quilômetros rodados (previsto no manual dos veículos). Quem vai aguentar? Cada enchida no tanque de combustível tem que completar a água, o óleo… Que loucura. Pode ser normal para os fabricantes, mas para mim não, e mais, seu carro está queimando óleo e você vende para um pobre coitado, que vai herdar essa senhora dor de cabeça? Ética? Ética passa longe não é?

E tem mais, o estado do sistema de direção, suspensão, câmbio, elétrica, freios tão importantes. E as bombas de água, de… E para terminar, como saber se o carro não foi atingido por uma enchente, como ter garantia disso.

Confiando no vendedor.

Veja, como é importante a honestidade do vendedor. Se a pessoa tem dinheiro, não seria mais honesto revisar o carro antes de vender? Quem não pensa em vender o carro quando chega a hora de trocar todos os pneus?

Não é fácil decidir, e sempre iremos correr o risco.

Ajudei uma pessoa a comprar um carro usado, recentemente, e cumprimos todos os requisitos, escape perfeito, estado dos pedais, carpetes, estofamento, lataria, pneus novos, calotas novas. Um detalhe que por dentro do porta-malas a pintura estava meio danificada o que comprovava que não tinha batida traseira séria. E claro, exigimos a vistoria por empresa que faz esse serviço. Como temos que confiar neles.

Falhei, ao confiar totalmente no vendedor e que estava usando o carro normalmente e não vi os níveis do motor, especificamente o nível da água. Perguntamos se estava tudo ok, e o vendedor falou que sim, sentimos confiança, gente boa. Comprado o carro com assinatura do documento de venda e com contrato particular de compra e venda, onde a partir daquele instante as multas anteriores etc. ficariam a cargo do vendedor e a partir desse ponto, qualquer coisa seria responsabilidade do comprador. Fomos na casa do vendedor, sabemos onde mora.

E não é que o nível da água estava zerado!!! Fomos ver no dia seguinte. O reservatório vazio… Levamos na oficina de confiança (por indicação, por ser novo na cidade) e pasmem, foi 1 litro de produto especifico para o sistema de arrefecimento. Mas, acreditamos que estaria sanado o problema. E não é que no dia seguinte a água tinha sumido do reservatório!!!

A Oficina fez seus testes e constatou problema na junta do cabeçote e a água já se espalhando, velas enferrujadas, correndo o risco de em breve parar por superaquecimento. Mais, ao abrir o cabeçote contatou que já tinham feito isso e colocado cola na junta para evitar vazamento, ou algo parecido. Provavelmente o dono do carro não sabia disso e seu mecânico recomendou vender logo o carro e claro não gastar esse valor, que gira no mínimo em R$ 2.500,00.

Adianta chorar depois? Não, tem que arrumar o carro e rodar com ele muito tempo para compensar o preju. Reclamar para o dono? Ele não sabe de nada, levava no mecânico e fazia as revisões normais pedindo que olhassem tudo, e único dono sempre usou o óleo recomendado pelo fabricante.

Resta fazer mais um empréstimo para pagar o conserto. Claro, agora com uma revisão geral pelo mecânico.

Bancos e espaço interno nos carros

Continuo visitando as concessionárias na busca de carro até 99mil (que já acho exagero) com extremo conforto para o motorista. Aos poucos estou indo nas concessionárias.

Já vistos e testados:

  • Fiat (Toro, Pálio, Idea, Uno e Mobi)
  • GM (Novo Cruze 1.4T, Spin, Cobalt, Ônix, Prisma, Cruze coupê antigo)
  • Nissan (Sentra, Versa, March)
  • Peugeot (208, 2008, 307)
  • Renault (Sandero, Duster, Fluence)
  • Citroen (C3, C3 Picasso, C4 Lounge)
  • Mitsubishi (Lancer)
  • Honda (Fit)
  • Toyota (Etios XLS AT sedan, Corolla XEI)
  • Volkswagen (Jetta, Golf, Fox, Gol, Voyage, Up)

Classificação crescente por qualidade – melhores:

Conforto do banco do motorista – permitir sentar ereto e posição do volante (entre os carros acima):

  1. Nissan Sentra SL – couro (tem regulagem elétrica)
  2. Citroen C4 loungue – tecido
  3. Toyota Etios XLS AT sedan – couro
  4. GM Novo Cruze sedan 1.4 turbo – couro
  5. Fiat Toro 1.8 – tecido
  6. Peugeot 307 – tecido
  7. Renault Fluence – tecido
  8. Volks Cross UP
  9. Toyota Corolla XEI – couro
  10. GM Spin Activ – tecido
  11. Volks Golf
  12. GM – Cobalt – tecido
  13. Nissan March SV CVT – tecido

Espaço no interior do veículo (para as pernas no banco traseiro atrás do motorista – com banco dianteiro bem atrás):

  1. Honda FIT EX
  2. Nissan Sentra SL
  3. Toyota Etios XLS AT sedan

Aos poucos iremos colocando novos carros.

De acordo com os carros acima e tendo em vista o enfoque principal dos bancos, este Blog indicaria as compras dos veículos, no momento:

Até 60mil – Toyota Ethios sedan 1.5 automático

Até 99mil – Nissan Sentra SL

Bancos e espaço interno dos carros até 99mil

Continuo visitando as concessionárias na busca de carro até 99mil (que já acho exagero) com extremo conforto para o motorista. Aos poucos estou indo nas concessionárias.

Já vistos e testados:

  • Fiat (Toro, Pálio, Idea, Uno e Mobi)
  • GM (Novo Cruze 1.4T, Spin, Cobalt, Ônix, Prisma, Cruze coupê antigo)
  • Nissan (Sentra, Versa, March)
  • Peugeot (208, 2008, 307)
  • Renault (Sandero, Duster, Fluence)
  • Citroen (C3, C3 Picasso, C4 Lounge)
  • Mitsubishi (Lancer)
  • Honda (Fit)
  • Toyota (Etios XLS AT sedan, Corolla XEI)

Classificação crescente por qualidade – melhores:

Conforto do banco do motorista – permitir sentar ereto e posição do volante (entre os carros acima):

  1. Nissan Sentra SL – couro (tem regulagem elétrica)
  2. Citroen C4 loungue – tecido
  3. Toyota Etios XLS AT sedan – couro
  4. Novo Cruze sedan 1.4 turbo – couro
  5. Peugeot 307 – tecido
  6. Renault Fluence – tecido
  7. Fiat Toro 1.8 – tecido
  8. Toyota Corolla XEI – couro
  9. GM Spin Activ – tecido
  10. GM – Cobalt – tecido
  11. Nissan March SV CVT – tecido

Espaço no interior do veículo (para as pernas no banco traseiro atrás do motorista – com banco dianteiro bem atrás):

  1. Honda FIT EX
  2. Nissan Sentra SL
  3. Toyota Etios XLS AT sedan

Aos poucos iremos colocando novos carros.

Veículos elétricos – o futuro logo ai.

A Toyota decidiu colocar no Prius placas solares no teto (não poderá ser vendido nos EUA e Brasil – devido a fragilidade das placas) juntamente com bateria de maior capacidade ampliando sua autonomia elétrica para 35 km.  Apesar dessa melhoria, ainda é pequena frente ao desejo de muitos clientes potenciais.

As células fotovoltaicas capturam a luz solar e recarregam de maneira continua o sistema, atuando em apoio as baterias,  Fora a autonomia aumentada em 10%, as baterias terão uma utilização extra (conectada com o sistema elétrico do carro) alimentando o sistema de ar-condicionado, as luzes interiores, os vidros elétricos e as tomadas de 12 volts. A Toyota estuda ampliar essas aplicações no menor prazo possível.

O grupo PSA (Peugeot, Citroën y DS), acredito que depois que a Nissan (participação da Renault) comprou a Mitsubishi, estará partindo para outra opção em termos de elétricos, e no futuro substituirá os pequenos derivados da Mitsubishi por (a partir de 2019) elétricos que utilizarão a plataforma CMP dos sócios chineses da Donfeng – carro pequeno como os atuais 208 e 2008.

Abaixo Citroen com tecnologia Mitsubishi:

010811ngc-citroen-c-zero-2011

Já inaugurado primeiro carregador rápido para carros Tesla no México, Primeiro da América Latina ((em Cuernavaca (Morelos, México) entre Acapulco e Cidade do México)):

Momento en que se inaugura el cargador rápido de Tesla en Cuernavaca.